McLaren

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a empresa automotiva, veja McLaren Automotive.
Reino Unido Nova Zelândia McLaren-Honda
Mclaren Honda 2015.png
Nome completo McLaren Honda
Sede Woking, Inglaterra
Chefe de equipe Éric Boullier
Diretor técnico Tim Goss
Site oficial mclaren.com/formula1
Temporada de Fórmula 1 de 2016
Pilotos 14. Espanha Fernando Alonso
22. Reino Unido Jenson Button
Pilotos de teste Reino Unido Oliver Turvey
Bélgica Stoffel Vandoorne
Japão Nobuharu Matsushita
Chassis MP4-31
Motor Honda
Pneus Pirelli
Combustível Mobil
Histórico na Fórmula 1
Estréia GP de Mônaco de 1966
Corridas concluídas 784
Campeã de construtores 8 (1974, 1984, 1985, 1988, 1989, 1990, 1991, 1998)
Campeã de pilotos 12 (1974, 1976, 1984, 1985, 1986, 1988, 1989, 1990, 1991, 1998, 1999, 2008)
Vitórias 183
Pole Position 155
Voltas rápidas 153
Pontos 5.130,50
Posição no último campeonato
(2015)
9º (27 pontos)

A McLaren é uma equipe de automobilismo que compete no campeonato da Fórmula 1. É uma das equipes de maior sucesso na categoria. O Brasil é o país que mais vezes teve campeões pela a McLaren, com Emerson Fittipaldi em 1974 e Ayrton Senna nos anos de 1988, 1990 e 1991.

Hoje é uma organização que vai muito além da equipe de Fórmula 1. Produziu o esportivo de rua McLaren F1, com motor BMW, até hoje um dos carros de série mais rápidos já feito. Produziu também em sua sede em Woking o esportivo Mercedes-Benz SLR McLaren, em parceria com a Daimler-Chrysler. Construiu um esportivo totalmente independente da Mercedes-Benz: a McLaren MP4-12C, lançada em 2011. O prédio de sua sede, o Mclaren Technology Center, é uma construção de última geração, que foi finalista num prêmio de arquitetura.

História[editar | editar código-fonte]

Bruce McLaren morreu durante os testes com uma McLaren M8D no Circuito de Goodwood em 1970.

Foi criada em 1963 pelo piloto neozelandes Bruce McLaren, que faleceu num acidente em Goodwood, em 1970, aos 33 anos.

A McLaren permaneceu por ter uma boa estrutura de mecânicos, tecnicos, pilotos. Teddy Mayer dirigiu a equipe por uma década, após a morte de Bruce. Ron Dennis então assumiu a direção da McLaren, onde esteve por quase 30 anos, retirando-se em 2009.

1984-1993 Tempos de ouro[editar | editar código-fonte]

Entre 1984 e 1993 ocorreram os tempos de ouro McLaren pelos ótimos resultados obtidos. Porém, durante 1994-1997 a equipe não rendeu o esperado, somente voltando a ser competitiva ao seu verdadeiro nível em 1998, vencendo também o campeonato de 1999.

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Ron Dennis, ex-chefe de equipe da McLaren.

No período de domínio da Ferrari, de 2000 a 2004, a equipe inglesa foi a que chegou mais perto de superar a rival, com a excelente performance de Kimi Raikkonen, chegando pertíssimo do título mundial em 2003.

O modelo MP4/21 teve alguns problemas em 2006, acabando a temporada em 3º lugar com 110 pontos.

Em 2007, a escudeira se viu envolvida num caso de espionagem industrial envolvendo Mike Coughlan (Projetista chefe da McLaren, afastado) e Nigel Stepney (Ex-chefe dos mecânicos da Ferrari). Devido às evidências, a McLaren foi punida com a perda de todos os pontos conquistados no Mundial de Construtores de 2007, o que resultou na perda do título de construtores e uma multa de $100 milhões de dolares. Os pilotos, porém, não sofreram nenhuma punição.

Em 2008, Lewis Hamilton foi campeão da temporada com o modelo MP4-23, e a equipe ficou em segundo lugar no campeonato de Construtores.

Em 16 de novembro de 2009, a montadora alemã Mercedes-Benz anunciou a venda da sua parte da equipe e a compra da Brawn GP, passando a ter sua própria equipe a partir de 2010: a Mercedes GP.[1] [2] Apesar da venda das ações que detinha da McLaren, a Mercedes vai continuar fornecendo motores para a escuderia por mais seis anos.[3]

A era Honda (2015-atualmente)[editar | editar código-fonte]

Em 16 de maio de 2013 a McLaren confirmou oficialmente a reedição da parceria com a japonesa Honda, marcando o retorno da montadora à formula 1, ausente desde 2009, quando vendeu sua equipe à Ross Brawn, que prosseguiu o projeto sob o nome Brawn GP. A escuderia inglesa passou a usar os motores Honda a partir da temporada 2015 na esperança da retomar o sucesso que a parceria rendeu entre 1988 e 1992, período em que acumularam 44 vitórias, 91 pódios e 53 poles na categoria.[4]

A temporada 2015 porém começou com dificuldades para a equipe, que vem encontrando diversos problemas na implantação dos motores japoneses no novo modelo MP4-30.[5] [6]

Motores[editar | editar código-fonte]

Motor BMW da McLaren F1.

Durante os anos a Mclaren apresentou motores diferentes até o presente Honda, produzido pela parceira atual.

Usou motores Ford, Alfa Romeo, e permaneceu por toda a década de 1970 e início de 80 com motores Ford.

Em 1984 muda para motores TAG turbo V6. Em 1988 troca os motores TAG turbo pelo motor Honda Turbo V6. Ano que coincide com a chegada de Ayrton Senna.

Em 1989 usa os motores 3,5 L Honda V10.

Em 1991 passa a adotar os motores 3,5 L Honda V12

Em 1993 usa 3,5 L Ford V8.

Em 1994 usa motores 3,5 L Peugeot V10.

Em 1995 passa a usar motores 3,0 L Mercedes V10. Permanecendo até 2014 com os motores Mercedes-Benz.

Em 2006 os motores sofreram mudanças passando a usar todas as equipas motores 2,4 L V8, que no caso da McLaren foi produzido pela Mercedes-Benz.

Em 2015 reeditou a parceria com a japonesa Honda, com fornecimento de motores 1,6 L V6 Turbo que foram adotados a partir de 2014.

Pilotos[editar | editar código-fonte]

† Pontos contados sem os pontos conquistados no GP da Hungria.

‡ Desclassificada por espionagem.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Títulos Mundiais de Pilotos[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Pilotos Temporadas
3 França Alain Prost 1985, 1986, 1989
Brasil Ayrton Senna 1988, 1990, 1991
2 Finlândia Mika Häkkinen 1998, 1999
1 Brasil Emerson Fittipaldi 1974
Reino Unido James Hunt 1976
Áustria Niki Lauda 1984
Reino Unido Lewis Hamilton 2008

Títulos Mundiais de Construtores[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Pilotos Temporadas
4 França Alain Prost 1984, 1985, 1988, 1989
Brasil Ayrton Senna 1988, 1989, 1990, 1991
2 Áustria Niki Lauda 1984, 1985
Áustria Gerhard Berger 1990, 1991
1 Finlândia Mika Häkkinen 1998
Escócia David Coulthard 1998
Brasil Emerson Fittipaldi 1974
Nova Zelândia Denny Hulme 1974
Reino Unido Mike Hailwood 1974

Resultados da equipe na temporada de 2015[editar | editar código-fonte]

Pos Piloto AUS
Austrália
MAL
Malásia
CHN
China
BHR
Bahrein
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SGP
Singapura
JAP
Japão
RUS
Rússia
EUA
Estados Unidos
MEX
México
BRA
Brasil
ARE
=Emirados Árabes Unidos
Pts Pts da Equipe Pos da Equipe
16 Reino Unido Jenson Button 22 11 Ret 13 NL 16 8 Ret Ret Ret 9 14 14 Ret 16 9 6 14 14 12 16 27
17 Espanha Fernando Alonso 14 Les Ret 12 11 Ret Ret Ret Ret 10 5 13 18† Ret 11 11 11 Ret 15 17 11

Negrito = Pole Position.

Itálico = Volta Mais Rápida

Ret = Não completou a prova.

- = Classificado pois completou 90% ou mais da prova.

½ = Foram dados a metade dos pontos. A corrida foi interrompida pelo mau tempo.

Desc = Desclassificado da prova.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. ↑1 Em 11 de julho de 2006 Juan Pablo Montoya deixou a McLaren para correr na NASCAR nos EUA. Isso só iria acontecer em 2007. Pedro de la Rosa (que era o terceiro piloto da McLaren) fez os testes para correr a partir do GP da França.[8]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre McLaren