McLaren

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo(a) a empresa automotiva, veja McLaren Automotive.
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo(a) o documentário, veja McLaren (filme).
Reino Unido McLaren-Renault
Logotipo da McLaren.png
Nome completo McLaren F1 Team
Sede Woking, Inglaterra
Fundador(es) Bruce McLaren
Chefe de equipe Zak Brown
(diretor executivo)
Andreas Seidl
(chefe de equipe)
Diretor técnico James Key
Site oficial mclaren.com/formula1
Temporada de Fórmula 1 de 2019
Pilotos 4. Reino Unido Lando Norris[1]
55. Espanha Carlos Sainz Jr.[2]
Pilotos de teste Brasil Sérgio Sette Câmara[3]
Rússia Sergey Sirotkin
Chassis MCL34[4]
Motor Renault[5]
Pneus Pirelli
Combustível Petrobras[6]
Histórico na Fórmula 1
Estreia GP de Mônaco de 1966
Último GP GP da França de 2019
Grandes Prêmios 846 (842 largadas[7])
Campeã de construtores 8 (1974, 1984, 1985, 1988, 1989, 1990, 1991, 1998)
Campeã de pilotos 12 (1974, 1976, 1984, 1985, 1986, 1988, 1989, 1990, 1991, 1998, 1999, 2008)
Vitórias 182[7]
Pole Position 155[7]
Voltas rápidas 155[7]
Pontos 5 208,5[7]
Posição no último campeonato
(2018)
6º (62 pontos)


McLaren Racing
Informações gerais
Base Reino Unido Woking, Surrey
Chefe de equipe Zak Brown
Bob Fernley
Categorias IndyCar Series
Pilotos Espanha 66. Fernando Alonso
Motor Chevrolet
Chassis Dallara DW12
Pneu Firestone
IndyCar Series
Estreia 500 Milhas de Indianápolis de 1970
Vitórias 18
Pole Positions 17
Última corrida 500 Milhas de Indianápolis de 2017

A McLaren Racing Limited, competindo como McLaren F1 Team, é uma equipe de automobilismo, mais conhecida por competir na Fórmula 1, com sede na cidade de Woking, Inglaterra. É uma das equipes de maior sucesso na categoria, tendo conquistado 8 títulos mundiais de construtores e 12 títulos mundiais de pilotos. O Brasil é o país que mais vezes teve campeões pela a McLaren, com Emerson Fittipaldi em 1974 e Ayrton Senna nos anos de 1988, 1990 e 1991. Além da Fórmula 1, destaca-se a sua participação nas 500 Milhas de Indianápolis durante um período histórico, onde o time atravessou o Atlântico para competir e vencer a famosa corrida, mais o campeonato da Can-Am.

Hoje é uma organização que vai muito além da equipe de Fórmula 1. Produziu o esportivo de rua McLaren F1, com motor BMW, até hoje um dos carros de série mais rápidos já feito. Produziu também em sua sede em Woking o esportivo Mercedes-Benz SLR McLaren, em parceria com a Daimler-Chrysler. Construiu um esportivo totalmente independente da Mercedes-Benz: a McLaren MP4-12C, lançada em 2011. O prédio de sua sede, o Mclaren Technology Center, é uma construção de última geração, que foi finalista num prêmio de arquitetura.

História[editar | editar código-fonte]

Fórmula 1 (1966-presente)[editar | editar código-fonte]

McLaren M2B foi o primeiro modelo da McLaren

Foi criada em 1963 pelo piloto neozelandês Bruce McLaren, mas sua estreia foi apenas no GP de Mônaco de 1966 .

A McLaren permaneceu por ter uma boa estrutura de mecânicos, técnicos, pilotos. Teddy Mayer dirigiu a equipe por uma década, após a morte de Bruce. Ron Dennis então assumiu a direção da McLaren, onde esteve por quase 30 anos, retirando-se em 2009.e voltando em 2013.

1984-1993 Tempos de ouro[editar | editar código-fonte]

Entre 1984 e 1993 ocorreram os tempos de ouro McLaren pelos ótimos resultados obtidos. Porém, durante 1994-1997 a equipe não rendeu o esperado, somente voltando a ser competitiva ao seu verdadeiro nível em 1998, vencendo também o campeonato de 1999.

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Ron Dennis, ex-chefe de equipe da McLaren.

No período de domínio da Ferrari, de 2000 a 2004, a equipe inglesa foi a que chegou mais perto de superar a rival, com a excelente performance de Kimi Raikkonen, chegando muito próximo do título mundial em 2003.

O modelo MP4/21 teve alguns problemas em 2006, acabando a temporada em terceiro lugar com 110 pontos.

Em 2007, a escudeira se viu envolvida num caso de espionagem industrial envolvendo Mike Coughlan (projetista chefe da McLaren, afastado) e Nigel Stepney (ex-chefe dos mecânicos da Ferrari). Devido às evidências, a McLaren foi punida com a perda de todos os pontos conquistados no Mundial de Construtores de 2007, o que resultou na perda do título de construtores e uma multa de $100 milhões de dólares. Os pilotos, porém, não sofreram nenhuma punição.

Em 2008, Lewis Hamilton foi campeão da temporada com o modelo MP4-23, e a equipe ficou em segundo lugar no Campeonato de Construtores.

Em 16 de novembro de 2009, a montadora alemã Mercedes-Benz anunciou a venda da sua parte da equipe e a compra da Brawn GP, passando a ter sua própria equipe a partir de 2010: a Mercedes GP.[8][9] Apesar da venda das ações que detinha da McLaren, a Mercedes vai continuar fornecendo motores para a escuderia por mais seis anos.[10]

A era Honda (2015-2017)[editar | editar código-fonte]

Em 16 de maio de 2013 a McLaren confirmou oficialmente a reedição da parceria com a japonesa Honda, marcando o retorno da montadora à formula 1, ausente desde 2009, quando vendeu sua equipe à Ross Brawn, que prosseguiu o projeto sob o nome Brawn GP. A escuderia inglesa passou a usar os motores Honda a partir da temporada 2015 na esperança de retomar o sucesso que a parceria rendeu entre 1988 e 1992, período em que acumularam 44 vitórias, 91 pódios e 53 poles na categoria.[11]

A temporada 2015 porém começou com dificuldades para a equipe, tendo enfrentado diversos problemas na implantação dos motores japoneses no novo modelo MP4-30.

A era Renault (2018-presente)[editar | editar código-fonte]

Após três anos de parceria, e um longo histórico de falhas e abandonos, e nenhuma evolução na confiabilidade dos motores Honda, a McLaren recorre a Renault para lhe fornecer motores para a temporada 2018, a fim de uma montadora mais experiente, e realmente capaz de levar a McLaren de volta ao topo.[12][13]

A McLaren de Johnny Rutherford

500 Milhas de Indianápolis (1970-1979, 2017, 2019)[editar | editar código-fonte]

A McLaren que Peter Revson competiu nas 500 Milhas

A McLaren na primeira vez desde que compete como equipe decide investir nas 500 Milhas de Indianápolis pela competição conhecida como USAC, em 1970,[14] a chegada da McLaren nessa corrida foi incentivada pela Goodyear, pois esta não queria que a rival Firestone tivesse influência nas corridas da competição norte-americana.

Durante tal tempo a equipe inglesa conseguiu vencer em 1974 e 1976, em 1977 em diante a equipe não conseguiu resultados bons, e no fim de 1979 a McLaren termina o seus serviços na corrida.

Em 2017, o espanhol Fernando Alonso decide não participar do GP de Mônaco para competir na corrida,[15] a McLaren então, contrata a Andretti, a fim de que o piloto espanhol corresse, porém apesar que Fernando liderasse a corrida por algumas voltas o motor falha e ele abandona a corrida.

A McLaren confirma sua participação como equipe independente nas 500 Milhas de Indianápolis de 2019, porém falha na classificação, por tanto não pôde disputar as 500 milhas.[16]

Motores[editar | editar código-fonte]

Durante os anos a McLaren apresentou motores diferentes.

Usou motores Ford, Alfa Romeo, e permaneceu por toda a década de 1970 e início de 80 com motores Ford.

Em 1984 muda para motores TAG.

Em 1988 troca os motores TAG pelo motor Honda Turbo V6. Ano que coincide com a chegada de Ayrton Senna.

Em 1989 usa os motores 3,5 L Honda V10.

Em 1991 passa a adotar os motores 3,5 L Honda V12

Em 1993 usa 3,5 L Ford V8.

Em 1994 usa motores 3,5 L Peugeot V10.

Em 1995 passa a usar motores 3,0 L Mercedes V10. Permanecendo até 2014 com os motores Mercedes-Benz.

Em 2006 os motores sofreram mudanças passando a usar todas as equipas motores 2,4 L V8, que no caso da McLaren foi produzido pela Mercedes-Benz.

Em 2015 reeditou a parceria com a japonesa Honda, com fornecimento de motores 1,6 L V6 Turbo que foram adotados a partir de 2014.

Em 2018 depois de 3 anos de fracasso a McLaren rescindiu com a Honda e assinou um contrato de 3 anos a Renault até 2020.

Pilotos[editar | editar código-fonte]

† Pontos contados sem os pontos conquistados no GP da Hungria.

‡ Desclassificada por espionagem.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Títulos Mundiais de Pilotos[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Pilotos Temporadas
3 França Alain Prost 1985, 1986, 1989
3 Brasil Ayrton Senna 1988, 1990, 1991
2 Finlândia Mika Häkkinen 1998, 1999
1 Brasil Emerson Fittipaldi 1974
Reino Unido James Hunt 1976
Áustria Niki Lauda 1984
Reino Unido Lewis Hamilton 2008

Títulos Mundiais de Construtores[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Pilotos Temporadas
4 França Alain Prost 1984, 1985, 1988, 1989
4 Brasil Ayrton Senna 1988, 1989, 1990, 1991
2 Áustria Niki Lauda 1984, 1985
Áustria Gerhard Berger 1990, 1991
1 Finlândia Mika Häkkinen 1998
Escócia David Coulthard 1998
Brasil Emerson Fittipaldi 1974
Nova Zelândia Denny Hulme 1974
Reino Unido Mike Hailwood 1974

Resultados da equipe na temporada de 2018[editar | editar código-fonte]

Pos Piloto Nu. AUS
Austrália
BHR
Bahrein
CHN
China
AZE
Azerbaijão
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
FRA
França
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
RUS
Rússia
JAP
Japão
EUA
Estados Unidos
MEX
México
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
Pts Pts da Equipe Pos da Equipe
16 Bélgica Stoffel Vandoorne 2 9 8 13 9 Ret 14 16 12 15 11 13 Ret 15 12 12 16 15 11 8 15 14 12 62
11 Espanha Fernando Alonso 14 5 7 7 7 8 Ret Ret 16 8 8 16 8 Ret Ret 7 14 14 Ret Ret 17 11 50

Negrito = Pole Position.

Itálico = Volta Mais Rápida

Ret = Não completou a prova.

- = Classificado pois completou 90% ou mais da prova.

½ = Foram dados a metade dos pontos. A corrida foi interrompida pelo mau tempo.

Desc = Desclassificado da prova.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. ↑1 Em 11 de julho de 2006 Juan Pablo Montoya deixou a McLaren para correr na NASCAR nos EUA. Isso só iria acontecer em 2007. Pedro de la Rosa (que era o terceiro piloto da McLaren) fez os testes para correr a partir do GP da França.[18]
  1. ↑2 Durante a temporada de 2014, a ASOS foi patrocinadora da McLaren.[19][20]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre McLaren

Referências

  1. «Lando Norris to drive for McLaren in 2019». McLaren. Consultado em 3 de setembro de 2018 
  2. «Carlos Sainz to race for McLaren from 2019». mclaren.com. McLaren Formula One Team. 16 de agosto de 2018. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  3. «Sergio Sette Camara Joins McLaren Young Driver Programme». McLaren. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  4. «MCL34: The work starts here». McLaren F1 Team (em inglês). McLaren. 11 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2018 
  5. «McLaren Racing and Renault Sport Racing confirm partnership». McLaren Honda. 15 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2017 
  6. Noble, Jonathan (20 de fevereiro de 2018). «McLaren Formula 1 team changes fuel supplier to Petrobras». autosport.com. Motorsport Network. Consultado em 3 de março de 2018 
  7. a b c d e «McLaren». STATS F1. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  8. «Mercedes anuncia: sai da McLaren e compra Brawn». Arquivado do original em 19 de novembro de 2009 
  9. «Mercedes compra Brawn GP e vende a sua parte da McLaren». UOL Esporte. Consultado em 12 de abril de 2019 
  10. «Mercedes vende sua parte na McLaren e compra equipe Brawn GP Folha Online.» 🔗 
  11. «McLaren anuncia volta de parceria histórica com a Honda» 
  12. «McLaren volta a sofrer problemas nos testes da F1» 
  13. «Barcelona, dia 1 - Nasr lidera manhã; Lewis passa mal; Mclaren abandona» 
  14. Nye, Doug. (1988). McLaren : the Grand Prix, CanAm, and Indy cars 2nd ed ed. Richmond, Surrey: Hazleton Pub. ISBN 0905138546. OCLC 18207616 
  15. Noble, Edd Straw and Jonathan. «Fernando Alonso to race in 2017 Indianapolis 500». Autosport.com (em inglês). Consultado em 11 de abril de 2019 
  16. «Alonso says he will 'definitely' return to the Indy 500». www.motorsport.com (em inglês). Consultado em 11 de abril de 2019 
  17. Portal F1 (13 de setembro de 2007). «McLaren excluída do Campeonato de Construtores 2007.». Consultado em 29 de junho de 2011 
  18. [1]
  19. «ASOS join McLaren sponsors for Australian GP». autoracesponser.co.uk. 29 de setembro de 2016. Consultado em 7 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 29 de setembro de 2016 
  20. «The History of ASOS». thefactshop.com. 29 de setembro de 2016. Consultado em 7 de fevereiro de 2019