Onyx Grand Prix

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Reino Unido Onyx
Nome completo Onyx Grand Prix
Sede Westergate House, Reino Unido
Fundador(es) Mike Earle
Greg Field
Pessoal notável Jo Chamberlain
Paul Shakespeare
Jean-Pierre Van Vossem
Martin Dickson
Peter Rheinhardt
Alan Jenkins
Peter Monteverdi
Pilotos Suécia Stefan Johansson
Bélgica/França/Luxemburgo Bertrand Gachot
Finlândia JJ Lehto
Suíça Gregor Foitek
Chassis Onyx ORE-1
Onyx ORE-1 (B)
Onyx ORE-2
Motor Ford
Pneus Goodyear
Combustível Mobil
Histórico na Fórmula 1
Estreia Brasil GP do Brasil, 1989 (não-classificado)
Último GP Hungria GP da Hungria, 1990 (não-classificado)
Grandes Prêmios 26 (17 largadas)
Campeã de construtores 0 (10° lugar em 1989)
Campeã de pilotos 0 (10° lugar em 1989, com Stefan Johansson)
Vitórias 0 (3° lugar no GP de Portugal de 1989, com Stefan Johansson)
Pole Position 0
Voltas rápidas 0
Pontos 6
Posição no último campeonato
(1990)
13º (0 pontos)

Onyx Grand Prix foi uma equipe de Fórmula 1 britânica fundada por Mike Earle e Greg Field. Disputou as temporadas de 1989 e 1990.

Início[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1978, a Onyx deu seus primeiros passos no automobilismo disputando a Fórmula 2. Com o apoio da March, pleiteou uma vaga na F-1 diversas vezes, não tendo êxito nenhuma vez. A morte de Riccardo Palletti (um dos prováveis pilotos da equipe caso fosse inscrita) no GP do Canadá de 1982 mexeu com Field, que vendeu sua parte a Jo Chamberlain. Com o final das atividades da F-2, migrou para a recém-criada Fórmula 3000, onde correu até 1988, tendo como ponto alto o título na temporada de 1987, com Stefano Modena.

Na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Em 1989, Earle e Chamberlain, ao lado do empresário belga Jean-Pierre Van Rossem, decidem embarcar "na onda" da F-1 e inscrevem a Onyx para a temporada deste ano, e o carro tinha uma pintura incomum: azul-claro com tons de rosa e branco. Os primeiros pilotos da equipe foram o experiente sueco Stefan Johansson e o luxemburguês-belga Bertrand Gachot. Enquanto o sueco se classificou para 8 corridas, Gachot sofria com não-classificações (foram 6 não-passagens pela pré-classificação de sexta-feira e uma não-classificação para o GP da Alemanha, tendo disputado 5 corridas, e completado apenas duas, sempre fora dos pontos (melhor resultado foi um 12° lugar no GP da Grã-Bretanha). Depois disso, acaba demitido da equipe para dar lugar ao finlandês JJ Lehto, que no GP de Portugal. Nesta mesma corrida, Johansson conquistou o único pódio da equipe e o último da carreira. As confusões com Gachot foram o estopim para a demissão de Greg Field, e Van Vossen, que já não tinha boas relações com Chamberlain e Earle, foi obrigado a vender sua parte na escuderia para o engenheiro Alan Jenkins - ele exigiu que a Onyx usasse motores Porsche a partir de 1991, mas a fábrica alemã optou em equipar os carros da Footwork.

Após passar por um breve período nas mãos do grupo japonês Middlebridge, a equipe foi vendida ao milionário suíço Peter Monteverdi.

1990: crise e final das atividades da Onyx[editar | editar código-fonte]

Para 1990, a Onyx manteve a dupla Johansson-Lehto. Earle chegou a voltar a trabalhar na equipe, mas Monteverdi decidiria reduzir custos e promoveu a demissão de boa parte dos funcionários.

Após duas não-classificações, o sueco é dispensado e, para seu lugar, é contratado o suíço Gregor Foitek, célebre por ter causado um acidente na F-3000 que quase encerrou a carreira do inglês Johnny Herbert em Brands Hatch. Lehto permaneceu no time, que manteve o azul, agora com um tom escurecido, mas trocou o rosa e o branco do carro da temporada passada por um layout verde-maçã. Peter Monteverdi renomeou a equipe com seu sobrenome (Monteverdi/Onyx) e pretendia mudar a sede para a Suíça, mas, a pedido de Johansson, declina da ideia. Foitek e Lehto alternam entre não-classificações e largadas, mas não somam nenhum ponto, embora o suíço tenha chegado perto de pontuar em Mônaco, quando estava em 6° lugar, porém bateu na Larrousse do francês Éric Bernard em uma disputa de posição e terminou classificado em sétimo lugar.

Em julho, a Onyx finalmente transfere sua sede para a Suíça, porém, após não se classificar para o GP da Hungria, acabou falindo.

Um carro vermelho e branco foi testado por J.J. Lehto para a temporada de 1991, mas o encerramento das atividades da Onyx invibializou tais planos.

Classificação Completa da Onyx[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Oficial Chassis Pneus Motor Óleo Pilotos Test Drivers Classificação
1990 Moneytron Onyx Formula One
Monteverdi Onyx Formula One
ORE-1
ORE-1B
ORE-2
G Ford Cosworth DFR V8 Mobil Suécia Stefan Johansson
Finlândia J.J.Lehto
Suíça Gregor Foitek
NC (13º)
0 ponto
1989 Moneytron Onyx Formula One ORE-1 G Ford Cosworth DFR V8 Mobil Suécia Stefan Johansson
Bélgica/França/LuxemburgoBertrand Gachot
Finlândia J.J. Lehto
11° lugar
6 pontos

Resultados Completos da Onyx na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

(Legenda)

Ano Chassis Motor Pneus Pilotos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Pontos Posição
1990 ORE-1
ORE-1B
ORE-2
Ford Cosworth DFR V8 G EUA BRA SMR MON CAN MEX FRA GBR ALE HUN BEL ITA POR ESP JAP AUS 0 NC
(13º)
Stefan Johansson NQ NQ
Gregor Foitek Ret 7 Ret 15 NQ NQ Ret NQ
JJ Lehto NQ NQ 12 Ret Ret Ret NQ NQ NC NQ
1989 ORE-1 Ford Cosworth DFR V8 G BRA SMR MON MEX EUA CAN FRA GBR ALE HUN BEL ITA POR ESP JAP AUS 6 10º
Stefan Johansson NPQ NPQ NPQ Ret Ret DSQ 5 NPQ Ret Ret 8 NPQ 3 NPQ NPQ NPQ
Bertrand Gachot NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 13 12 NQ Ret Ret Ret
JJ Lehto NPQ Ret NPQ Ret

Pilotos da Onyx[editar | editar código-fonte]

  • Stefan Johansson - O experiente piloto sueco foi responsável pelo único pódio da Onyx, um terceiro lugar no GP de Portugal em 1989, sendo seu último pódio na categoria. Deixou a equipe após não se classificar para os GP's dos EUA e do Brasil, em 1990.
  • Jyrki Järvilehto (J.J. Lehto) - Disputou sete corridas pela Onyx entre 1989 e 1990, não pontuando em nenhuma. Testou o carro que seria usado em 1991, mas a Onyx acabou fechando as portas, deixando-o sem carro para a temporada (seria contratado pela Scuderia Italia pouco depois).
  • Bertrand Gachot - O luxemburguês-belga teve uma passagem conturbada pela Onyx, amargando seis não-classificações consecutivas. Perdeu seu emprego na equipe após o GP da Itália, quando criticou a falta de testes no time.
  • Gregor Foitek - Tornou-se mais conhecido ao se envolver num acidente que prejudicou a carreira de Johnny Herbert, quando corriam ainda pela F-3000. Foitek disputou cinco provas em 1990 (abandonando em duas), não pontuando nenhuma vez. Esteve prestes a marcar seu primeiro ponto na F-1 no GP de Mônaco, mas um toque do francês Éric Bernard, da Larrousse, o tirou da zona de pontuação (mesmo abandonando, Foitek foi classificado em sétimo lugar).
Ícone de esboço Este artigo sobre Fórmula 1 é um esboço relacionado ao projeto sobre Fórmula 1. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.