Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1990

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Grande Prêmio dos Estados Unidos
de Fórmula 1 de 1990
Phoenix Grand Prix Route - 1989, 1990.svg
Segundo GP dos EUA realizado em Phoenix
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 11 de março de 1990
Nome oficial XXVII Iceberg United States Grand Prix[nota 1]
Local Circuito de Rua de Phoenix, Phoenix, Arizona, EUA
Percurso 3.800 km
Total 72 voltas / 273.600 km
Condições do tempo Nublado, ameno
Pole
Piloto
Áustria Gerhard Berger McLaren-Honda
Tempo 1:28.664
Volta mais rápida
Piloto
Áustria Gerhard Berger McLaren-Honda
Tempo 1:31.050 (na volta 34)
Pódio
Primeiro
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Segundo
França Jean Alesi Tyrrell-Ford
Terceiro
Bélgica Thierry Boutsen Williams-Renault

Resultados do Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1 realizado em Phoenix em 11 de março de 1990.[1] Primeira etapa temporada, nele Ayrton Senna, piloto da McLaren-Honda, tornou-se recordista de vitórias brasileiras na categoria.[2][3][nota 2]

Resumo[editar | editar código-fonte]

Mudanças no GP dos EUA[editar | editar código-fonte]

Realizada em junho de 1989, a edição anterior do Grande Prêmio dos Estados Unidos chegou ao fim com apenas seis carros cruzando a linha de chegada[4] e outros exauridos pelo esforço de guiar num circuito de rua sob o forte calor do Deserto de Sonora. Por conta desse entrave a Fórmula 1 antecipou de junho para março a prova no Circuito de Rua de Phoenix abrandando os efeitos do verão no Hemisfério Norte, mas no tocante ao esforço físico nada mudou, pois a pista continua com onze curvas num ângulo de noventa graus e isso resulta num curto, intenso e contínuo ciclo de freadas e aceleração. Pilotos no limite da resistência física e carros à beira do desgaste mecânico são um convite ao erro, sobretudo numa pista onde o recapeamento não eliminou por completo os nódulos asfálticos ou reduziu o desconforto causado ao se atingir um bueiro, por exemplo. Estreante na McLaren o austríaco Gerhard Berger foi sincero: "Você não sabe como isto aqui exige dos carros. A primeira luta é terminar a corrida. Depois a gente pensa em vencer", declarou o novo companheiro de Ayrton Senna no time de Woking.[5] Errar em condições assim é um convite a bater no muro mais próximo e deixar a corrida.

Antes que os treinos começassem o grid da temporada sofreu duas modificações: Emanuele Pirro desfalcou a Dallara por conta de uma hepatite virótica e em razão disso foi convocado o estreante Gianni Morbidelli enquanto na Arrows o piloto Alex Caffi fraturou o ombro numa queda de bicicleta, substituindo-o o alemão Bernd Schneider.[6] No tocante aos construtores o certame de 1990 não terá os carros de Rial e Zakspeed, times da Alemanha Ocidental.[6][7] No sentido inverso a Life, equipe italiana baseada em Formigine, inscreveu-se para a disputa tendo Gary Brabham como seu piloto.[8]

No quesito estreias vale registrar que os tricampeões mundiais Nelson Piquet e Alain Prost chegaram ao paddock ostentando novos macações: o brasileiro assinou com a Benetton para substituir Emanuele Pirro (titular de uma vaga antes pertencente a Johnny Herbert) enquanto o francês Alain Prost passaria a defender as cores da Ferrari no lugar antes ocupado por Gerhard Berger.[9][10]

Participação ameaçada[editar | editar código-fonte]

Desclassificado por cortar a chicane, Ayrton Senna perdeu a vitória conquistada no Grande Prêmio do Japão de 1989 e viu Alain Prost chegar ao tricampeonato mundial. Furioso com o desdobramento do caso, o brasileiro atacou os dirigentes da Federação Internacional de Automobilismo Esportivo (FISA) e da Federação Internacional do Automóvel (FIA) acusando-os de manipular o campeonato. Amigo pessoal de Alain Prost, o cartola Jean-Marie Balestre exigia uma retratação por parte de Senna, que se manteve em silêncio.[11] Sob o ponto de vista do piloto, desculpar-se seria legitimar a injustiça cometida contra ele em Suzuka.[12] Ato contínuo, Balestre cassou a superlicença de Senna, impedindo-o de competir. Frustrado, o piloto cogitou parar de correr, mas foi demovido por McLaren e Honda. Em 17 de fevereiro de 1990 foi publicada uma lista onde Jonathan Palmer surgiu como titular da McLaren junto a Gerhard Berger. A seguir enviaram a Paris um fax atribuído a Ayrton Senna onde este reconhecia que o mundial de 1989 não fora manipulado e a inscrição do brasileiro foi aceita no mesmo dia.[12]

Ausências nativas[editar | editar código-fonte]

Nascido em Phoenix, o norte-americano Eddie Cheever foi o terceiro colocado no Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1989 justificando assim o interesse do público. Porém a falta de um contrato para o ano seguinte levou Cheever a assinar com a Chip Ganassi para disputar a Fórmula Indy e assim não haverá representantes dos Estados Unidos na Fórmula 1 em 1990.[nota 3] O mais próximo que tivemos disso foi a visita de Mario Andretti ao circuito, o qual esteve acompanhado de Michael Andretti, seu filho e companheiro de equipe na Newman/Haas.[13]

A ausência de pilotos nativos no grid interrompe um longo histórico de convivência entre os norte-americanos e a Fórmula 1, a começar pela presença de Harry Schell no Grande Prêmio de Mônaco de 1950.[14] Ato contínuo, a presença das 500 Milhas de Indianápolis no calendário nas primeiras onze temporadas da Fórmula 1 impediu que esta categoria fosse vista apenas como um certame europeu e não um campeonato de alcance mundial. Compareceram ao mítico circuito oval pilotos como Alberto Ascari, Jack Brabham, Jim Clark e Graham Hill, este últimos campeões das 500 Milhas em 1965 e 1966, respectivamente.[15][16]

O primeiro norte-americano campeão de Fórmula 1 foi Phil Hill pela Ferrari em 1961 seguido por Mario Andretti na Lotus em 1978, sendo que em 1969 este último venceu em Indianápolis e meses depois foi campeão da Fórmula Indy.[nota 3] Os Estados Unidos possuem trinta e três vitórias e dois títulos mundiais na Fórmula 1, sendo que a última prova sem representantes do país foi o Grande Prêmio da Itália de 1989, onde Eddie Cheever (piloto com 132 largadas em 143 participações na categoria) não se classificou para o grid.[17][18]

Surpresa nos treinos[editar | editar código-fonte]

Presença rara em Phoenix, a chuva apareceu durante o treino de classificação para a corrida e com a pista molhada tornou-se impossível melhorar os tempos obtidos na sexta-feira, os quais definiram a ordem de largada. Boa notícia para o austríaco Gerhard Berger e sua McLaren que largarão na pole position de um grid excêntrico com Pierluigi Martini (Minardi) e Andrea de Cesaris (Dallara) atrás de si enquanto o francês Jean Alesi (Tyrrell) posicionou-se em quarto lugar adiante de campeões graúdos como Ayrton Senna, Nelson Piquet e Alain Prost.[19] Favorecidos pelo tempo chuvoso incomum, Pierluigi Martini (na melhor posição de largada em toda a história da Minardi), Andrea de Cesaris e Jean Alesi contaram com a excelente adaptação dos pneus Pirelli à pista enquanto Senna teve uma falha elétrica no motor e Prost sofreu com um vazamento de óleo na Ferrari, mesmo problema que afetou seu companheiro de equipe, Nigel Mansell.[20]

O fato mais significativo antes da corrida foi a disposição de Alain Prost em fazer as pazes com a McLaren, equipe onde estreou no Grande Prêmio da Argentina de 1980 e pela qual foi tricampeão mundial ao longo dos anos.[21] Em seu esforço, o atual piloto da Ferrari dirigiu-se aos boxes com o intuito de reconciliação e encontrou reações diversas, pois embora tenha conversado com Ron Dennis, não foi cumprimentado Ayrton Senna, cuja mágoa em relação ao ocorrido no Grande Prêmio do Japão de 1989 falou mais alto. Ao tratar do assunto, Prost foi lacônico: "Eu dei o primeiro passo. Porém..."[22]

Recorde de Ayrton Senna[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte Senna e Alesi marcam os melhores tempos no warm-up, mas na hora da largada o do francês da Tyrrell foi mais impetuoso e saltou à liderança logo nos primeiros metros da prova deixando Berger, De Cesaris e Senna para trás enquanto Martini e Piquet completavam o pelotão da frente. Disposto a manter sua posição, Alesi extraiu o que pôde de seu equipamento e colocou cinco segundos de vantagem entre ele e Berger, até que uma ultrapassagem de Senna sobre De Cesaris e um erro do austríaco, que escapou e saiu da pista na oitava volta, renderam a vice-liderança da prova ao brasileiro da McLaren e o terceiro lugar a Nelson Piquet em sua Benetton.

Tão logo subiu ao segundo lugar, Ayrton Senna estava a oito segundos de Jean Alesi, diferença reduzida para cinco segundos antes da vigésima volta. Questionado a esse respeito o brasileiro afirmou: "Depois que o Berger bateu, o Alesi aumentou o ritmo lá pela volta 25, percebi que ele não pretendia parar tão cedo. Aí resolvi caçá-lo sem saber se conseguiria".[23] Determinado, Senna grudou em Alesi na trigésima volta, mas só conseguiu ultrapassar o rival cinco giros mais tarde. Para a alegria da Tyrrell o francês reverteu o jogo na curva seguinte, mas na volta trinta e seis o brasileiro assumiu a liderança e usou a potência de seu motor Honda quando a Tyrrell emparelhou ao seu lado para "fechar a porta" impedindo um revide de Alesi. Longe dos holofotes, Alain Prost ficou a pé depois de vinte e uma voltas por conta de um vazamento de óleo enquanto Gerhard Berger, que conseguira voltar à pista, chegou a marcar a volta mais rápida do dia no trigésimo quarto giro, mas dez voltas depois teve uma falha na embreagem e parou. Contudo o mais combativo do dia foi Nigel Mansell, que após largar em décimo sétimo chegou ao quinto posto quando seu motor foi pelos ares na volta quarenta e nove quando estava à caça de Nelson Piquet.

Superado pela Williams de Thierry Boutsen, o brasileiro Nelson Piquet caiu para a quarta posição tão logo os freios e a suspensão da Benetton começaram a falhar e sob tais circunstâncias o britânico Nigel Mansell passou a ameaçá-lo, mas o estouro do motor Ferrari deu serenidade ao tricampeão mundial[24] enquanto Ayrton Senna, mesmo chamado pela equipe, não trocou os pneus e manteve-se na pista e cruzou a linha de chegada mais de oito segundos adiante de Jean Alesi com Thierry Boutsen em terceiro enquanto Nelson Piquet, Stefano Modena (Brabham) e Satoru Nakajima (Tyrrell) completaram a zona de pontuação.[3]

Durante a cerimônia de premiação Ayrton Senna celebrava sua vigésima primeira vitória, Jean Alesi festejava o primeiro pódio e Thierry Boutsen comemorava seu melhor início de temporada.[25] A presença de Jean-Marie Balestre (constrangedora, segundo alguns) na solenidade não mereceu comentários por parte de Senna, que preferiu enaltecer o surpreendente rendimento (considerando o desempenho mediano nos testes de inverno) de sua McLaren MP4/5B ao longo da prova, além de comemorar o péssimo domingo ferrarista, pois a equipe de Maranello sucumbiu aos problemas mecânicos e terminou o dia sem pontuar. Ressalte-se que Ayrton Senna tornou-se recordista brasileiro de vitórias na Fórmula 1 a partir deste dia.[3]

Líder do campeonato de pilotos, Ayrton Senna fez da McLaren a primeira colocada entre os construtores tendo Jean Alesi como vice-líder do certame. Neste ponto cabe mencionar a situação da Tyrrell, que desde o Grande Prêmio da Alemanha de 1987 não colocava seus dois bólidos na zona de pontuação. Graças a esse fato o time de Ken Tyrrell sai dos Estados Unidos como a segunda melhor equipe da temporada.

Resultados[editar | editar código-fonte]

Treinos oficiais[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Tempo Q1 Tempo Q2 Diferença
1 28 Áustria Gerhard Berger McLaren-Honda 1:28.664 1:53.486
2 23 Itália Pierluigi Martini Minardi-Ford 1:28.731 2:33.083 +0.067
3 22 Itália Andrea de Cesaris Dallara-Ford 1:29.019 1:57.435 +0.355
4 4 França Jean Alesi Tyrrell-Ford 1:29.408 1:54.738 +0.744
5 27 Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda 1:29.431 1:52.015 +0.767
6 20 Brasil Nelson Piquet Benetton-Ford 1:29.862 1:55.449 +1.198
7 1 França Alain Prost Ferrari 1:29.910 1:56.661 +1.246
8 14 França Olivier Grouillard Osella-Ford 1:29.947 +1.283
9 5 Bélgica Thierry Boutsen Williams-Renault 1:30.059 1:52.771 +1.395
10 8 Itália Stefano Modena Brabham-Judd 1:30.127 +1.463
11 3 Japão Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 1:30.130 +1.466
12 6 Itália Riccardo Patrese Williams-Renault 1:30.213 1:53.530 +1.549
13 25 Itália Nicola Larini Ligier-Ford 1:30.424 +1.760
14 24 Itália Paolo Barilla Minardi-Ford 1:31.194 +2.530
15 29 França Eric Bernard Larrousse-Lamborghini 1:31.226 +2.562
16 33 Brasil Roberto Moreno Eurobrun-Judd 1:31.247 1:51.538 +2.583
17 2 Reino Unido Nigel Mansell Ferrari 1:31.363 1:52.405 +2.699
18 30 Japão Aguri Suzuki Larrousse-Lamborghini 1:31.414 +2.750
19 12 Reino Unido Martin Donnelly Lotus-Lamborghini 1:31.650 1:49.942 +2.986
20 10 Alemanha Ocidental Bernd Schneider Arrows-Ford 1:31.892 +3.228
21 9 Itália Michele Alboreto Arrows-Ford 1:31.948 1:54.499 +3.284
22 19 Itália Alessandro Nannini Benetton-Ford 1:31.984 +3.320
23 7 Suíça Gregor Foitek Brabham-Judd 1:32.398 +3.734
24 11 Reino Unido Derek Warwick Lotus-Lamborghini 1:32.400 2:05.974 +3.736
25 15 Brasil Maurício Gugelmin Leyton House-Judd 1:32.904 +4.240
26 16 Itália Ivan Capelli Leyton House-Judd 1:33.044 +4.380
27 35 Suécia Stefan Johansson Onyx-Ford 1:33.468 +4.804
28 21 Itália Gianni Morbidelli Dallara-Ford 1:34.292 +5.628
29 36 Finlândia J. J. Lehto Onyx-Ford
DSQ 26 França Philippe Alliot Ligier-Ford 1:31.664 [nota 4] +3.000

Classificação da prova[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 27 Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda 72 1:52'32"829 5 9
2 4 França Jean Alesi Tyrrell-Ford 72 + 8"685 4 6
3 5 Bélgica Thierry Boutsen Williams-Renault 72 + 54"080 9 4
4 20 Brasil Nelson Piquet Benetton-Ford 72 + 1'08"358 6 3
5 8 Itália Stefano Modena Brabham-Judd 72 + 1'09"503 10 2
6 3 Japão Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 71 + 1 volta 11 1
7 23 Itália Pierluigi Martini Minardi-Ford 71 + 1 volta 2
8 29 França Eric Bernard Larrousse-Lamborghini 71 + 1 volta 15
9 6 Itália Riccardo Patrese Williams-Renault 71 + 1 volta 12
10 9 Itália Michele Alboreto Arrows-Ford 70 + 2 voltas 21
11 19 Itália Alessandro Nannini Benetton-Ford 70 + 2 voltas 22
12 10 Alemanha Ocidental Bernd Schneider Arrows-Ford 70 + 2 voltas 20
13 33 Brasil Roberto Moreno Eurobrun-Judd 67 + 5 voltas 16
14 15 Brasil Maurício Gugelmin Leyton House-Judd 66 + 6 voltas 25
Ret 24 Itália Paolo Barilla Minardi-Ford 54 Cansaço físico 14
Ret 30 Japão Aguri Suzuki Larrousse-Lamborghini 53 Freios 18
Ret 2 Reino Unido Nigel Mansell Ferrari 49 Motor 17
Ret 28 Áustria Gerhard Berger McLaren-Honda 44 Embreagem 1
Ret 7 Suíça Gregor Foitek Brabham-Judd 39 Acidente 23
Ret 14 França Olivier Grouillard Osella-Ford 39 Colisão 8
Ret 22 Itália Andrea de Cesaris Dallara-Ford 25 Motor 3
Ret 1 França Alain Prost Ferrari 21 Vazamento de óleo 7
Ret 16 Itália Ivan Capelli Leyton House-Judd 20 Pane elétrica 26
Ret 11 Reino Unido Derek Warwick Lotus-Lamborghini 6 Câmbio 24
Ret 25 Itália Nicola Larini Ligier-Ford 4 Regulador 13
Ret 12 Reino Unido Martin Donnelly Lotus-Lamborghini 0 Câmbio 19
DSQ 26 França Philippe Alliot Ligier-Ford [nota 4]
DNQ 35 Suécia Stefan Johansson Onyx-Ford
DNQ 21 Itália Gianni Morbidelli Dallara-Ford
DNQ 36 Finlândia J. J. Lehto Onyx-Ford
DNPQ 17 Itália Gabriele Tarquini AGS-Ford
DNPQ 18 França Yannick Dalmas AGS-Ford
DNPQ 34 Itália Claudio Langes Eurobrun-Judd
DNPQ 39 Austrália Gary Brabham Life
DNPQ 31 Bélgica Bertrand Gachot Coloni-Subaru

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Em 1980 as estatísticas do Grande Prêmio dos Estados Unidos apontavam vinte e três corridas realizadas, mas ao retomarem a prova em 1989 a denominação oficial apontou vinte e seis (e não vinte e quatro) edições da mesma, número que só seria alcançado caso incluíssem as duas edições do Grande Prêmio de Las Vegas, algo tecnicamente impossível, pois este é formalmente chamado de "Grande Prêmio Caesars Palace".
  2. Voltas na liderança: Jean Alesi, 34 voltas (1-34); Ayrton Senna, 38 voltas (35-72).
  3. a b No Brasil o conceito de "Fórmula Indy" engloba monopostos de três categorias distintas: USAC Championship Car, Champ Car e Indy Racing League.
  4. a b Durante os treinos de sexta-feira os mecânicos da Ligier prestaram assistência ao carro de Philippe Alliot na área externa ao pit lane e por esta irregularidade a organização do Grande Prêmio dos EUA impediu sua participação na corrida.

Referências

  1. «1990 USA Grand Prix - race result». Consultado em 21 de agosto de 2018 
  2. Fred Sabino (11 de março de 2020). «Ayrton Senna e Jean Alesi tiveram disputa espetacular pela vitória em Phoenix, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de março de 2020 
  3. a b c Cláudio Arreguy (12 de março de 1990). «Senna é o brasileiro que mais venceu na F 1. Caderno de Esportes – Capa». Jornal do Brasil. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  4. Fred Sabino (4 de junho de 2019). «No inferno de Phoenix, Alain Prost arrancou para o título de 1989 após quebra de Ayrton Senna». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de março de 2020 
  5. Manoel Francisco Brito (11 de março de 1990). «Pista de Phoenix é desafio aos pilotos. Primeiro Caderno, Esportes – p. 37». Jornal do Brasil. Consultado em 11 de março de 2020 
  6. a b «United States GP, 1990 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 11 de março de 2020 
  7. Fred Sabino (3 de maio de 2019). «Zakspeed pintou como equipe promissora mas nunca vingou e só marcou dois pontos na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de março de 2020 
  8. Fred Sabino (21 de fevereiro de 2020). «Pior carro da história? Life com motor W12 não se pré-classificou para nenhuma prova em 1990». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de março de 2020 
  9. Milton Coelho da Graça (5 de setembro de 1989). «Piquet é o novo piloto da Benetton. Matutina, Esportes – p. 23». O Globo. Consultado em 14 de março de 2020 
  10. Redação (7 de setembro de 1989). «Ferrari confirma contratação de Prost. Matutina, Esportes – p. 30». O Globo. Consultado em 14 de março de 2020 
  11. Fred Sabino (22 de outubro de 2019). «Senna x Prost: auge da guerra teve acidente entre rivais em corrida épica no Japão há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de março de 2020 
  12. a b Fred Sabino (25 de janeiro de 2020). «Há 30 anos, Senna teve ameaçada participação no campeonato após discussões públicas com Balestre». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de março de 2020 
  13. Redação (10 de março de 1990). «F1 pode ter Michael Andretti. Primeiro Caderno, Automobilismo – p. 21». Jornal do Brasil. Consultado em 14 de março de 2020 
  14. «Harry Schell (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 16 de março de 2020 
  15. «Race Report das 500 Milhas de Indianápolis de 1965». Consultado em 16 de março de 2020 
  16. «Race Report das 500 Milhas de Indianápolis de 1966». Consultado em 16 de março de 2020 
  17. «1989 Italian Grand Prix - race result». Consultado em 17 de março de 2020 
  18. «Italian GP, 1989 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 17 de março de 2020 
  19. Manoel Francisco Brito (11 de março de 1990). «Berger é "pole" e Senna sai na terceira fila. Primeiro Caderno, Esportes – p. 37». Jornal do Brasil. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  20. Fred Sabino (10 de março de 2020). «Você sabia? Pequenina Minardi já conseguiu lugar na primeira fila na Fórmula 1, em 1990». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de março de 2020 
  21. Fred Sabino (24 de fevereiro de 2020). «Alain Prost faz 65 anos; relembre dez atuações marcantes do rival de Ayrton Senna e Nelson Piquet». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de março de 2020 
  22. Redação (12 de março de 1990). «Senna recusa aperto de mão de Prost. Esportes – p. D-1». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de março de 2020 
  23. Manoel Francisco Brito (12 de março de 1990). «Uma vitória que pegou de surpresa o próprio piloto. Caderno de Esportes – Capa». Jornal do Brasil. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  24. Manoel Francisco Brito (12 de março de 1990). «Piquet, com problemas no freio, fica feliz. Esportes – p. 03». Jornal do Brasil. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  25. Mário Andrada e Silva (12 de março de 1990). «Senna duela com Alesi e ganha o 1º GP do ano em Phoenix; Piquet é 4º. Esportes – p. D-1». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de março de 2020 
  26. a b «1990 United States GP – championships (em inglês) no Chicane F1». Consultado em 21 de novembro de 2020 

Precedido por
Grande Prêmio da Austrália de 1989
Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1990
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1990
Precedido por
Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1989
Grande Prêmio dos Estados Unidos
25ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1991