João Henrique Ulrich, Jr.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guilherme José Enes Ulrich)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde abril de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
João Henrique Ulrich, Jr.
Nascimento 22 de novembro de 1850
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Morte 24 de janeiro de 1895 (44 anos)
Lisboa
Cidadania Brasil
Progenitores Pai:João Henrique Ulrich
Filho(s) João Henrique Enes Ulrich, Rui Enes Ulrich, Fernando Enes Ulrich
Ocupação escritor
Prêmios Cavaleiros da Ordem Militar de Cristo

João Henrique Ulrich, Jr. CvC (Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 1851[1]Lisboa, 19 de Janeiro[2] de 1895) foi um empresário comercial, académico e escritor português, que sucedeu a seu pai nos negócios e teve certa fama literária.[3]

Família[editar | editar código-fonte]

Filho de João Henrique Ulrich e de sua mulher Maria Luísa Marques de Sá.[4][5][6]

João Henrique Ulrich, Jr. provinha duma família ligada ao comércio bancário e à arquitectura, os Ulrich, família do Norte de Hamburgo, que se tinham estabelecido em Portugal em meados do século XVIII. Após o terramoto de 1755, a família cooperou activamente na reconstrução de Lisboa, a convite do Marquês de Pombal, prosseguindo os seus negócios no ramo financeiro.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vindo para Lisboa, seguiu o curso do Liceu Nacional, e depois o curso preparatório dos Oficiais de Artilharia na Escola Politécnica, que não pôde concluir por ter adoecido gravemente; contudo nesta escola obteve o prémio na cadeira de química mineral, e distinção nas de álgebra transcendente, geometria analítica, química analítica, etc, com o que provou a sua assídua aplicação. Percorreu em seguida, para complemento da sua instrução, os principais países da Europa, e visitou o Brasil. Estando casualmente no Funchal, de passagem durante esta viagem, escreveu e publicou: Duas palavras aos leitores das «Farpas», de Dezembro de 1872.[8], em Dezembro de 1872 publicou o livro "Duas palavras aos leitores das «Farpas»"[9]

Em 1882 recebeu a nomeação de Vice-Cônsul do Brasil,[10] e a imprensa lisbonense, mencionando o Despacho do Governo Imperial, elogiou as qualidades e o mérito do agraciado, que passado algum tempo solicitou, e lhe foi concedida, a exoneração de tais funções. Estabelecendo a sua residência em Portugal, Pátria de seu pai, dedicou-se então ao comércio, sem descurar, porém, os estudos literários e científicos, para que tinha decidida vocação. Foi Director da Companhia de Minas de Santa Eufémia, Secretário, e depois Director-Tesoureiro da Sociedade de Geografia de Lisboa, de que fora um dos Fundadores, Director da Companhia Nacional dos Tabacos,[10] Secretário das Casas de Asilo da Infância Desvalida e Vice-Governador da Companhia Geral do Crédito Predial Português,[6][10][11][12], cargo que exercia quando faleceu. A pedido do editor António Maria Pereira, traduziu para Português o Tratado do Jogo do Bilhar, o qual se publicou com as suas iniciais. Colaborou na Revista de Portugal e Brasil. Para o Dicionário Popular, dirigido por Pinheiro Chagas, também escreveu alguns artigos.[13]

Foi Fidalgo Cavaleiro da Casa Real, Cavaleiro da Real Ordem Militar de Nosso Senhor Jesus Cristo e Ilustríssimo Senhor Comendador da Real Ordem de Isabel a Católica de Espanha.[4][5]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou em 1879 com Maria Cristina de Orta Enes (Lisboa, 28 de Fevereiro de 1856 - 17[2] de Setembro de 1884), filha de Guilherme José Enes e de sua mulher Joana da Cruz de Orta, filha do 1.º Visconde de Orta,[5][6][11][14][15] da qual teve três filhos e uma filha:

  • João Henrique Enes Ulrich (Lisboa, 2 de Março de 1880 - Lisboa, 17 de Julho de 1956), que em Monarquia seria Representante do Título de Visconde de Orta
  • Guilherme José Enes Ulrich (Lisboa, 12 de Março de 1880/1 - Lisboa, 22/28 de Agosto de 1909?), Cruz de 1.ª Classe da Ordem do Mérito Militar de Espanha como Alferes de Infantaria (Ordem do Exército, 1907, 2.ª Série, n.º 14, p. 248),[16] casado com Maria Ângela do Casal Ribeiro (? - 22 de Novembro de 1909), sem geração
  • Maria Luísa Enes Ulrich (Lisboa, 25 de Fevereiro de 1882 - Lisboa, 20 de Outubro de 1952), casada em Lisboa a 29 de Outubro de 1902 com Simão de Gusmão Correia Arouca (Lisboa, 2 de Abril de 1875 - 20 de Abril de 1936), Dr., filho de Frederico de Gusmão Correia Arouca e de sua mulher Adelaide Clementina Méra Daddi, do qual teve quatro filhos e duas filhas
  • Rui Enes Ulrich (Lisboa, 20 de Abril de 1883 - Lisboa, 20 de Junho de 1966)
  • Fernando Enes Ulrich (Lisboa, Mártires, 29 de Agosto de 1884 - Lisboa, 1 de Agosto de 1950)

Referências

  1. "Genealogia Hebraica", José Maria Raposo de Sousa Abecassis, Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1990, Volume II Beniso - Fresco, Buzaglo, p. 480 indica como ano do nascimento 1850.
  2. a b "Genealogia Hebraica", José Maria Raposo de Sousa Abecassis, Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1990, Volume II Beniso - Fresco, Buzaglo, p. 480 indica como dia do falecimento 24.
  3. Maria Filomena Mónica (coordenadora) (Lisboa, 2006). Dicionário Biográfico Parlamentar (1834-1910). [S.l.]: Assembleia da República (ISBN 972-671-167-3). pp. Vol. III. 929  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  4. a b "Raízes e Memórias", Associação Portuguesa de Genealogia, Lisboa, N.º 10, p. 179
  5. a b c "Costados", D. Gonçalo de Mesquita da Silveira de Vasconcelos e Sousa, Livraria Esquina, 1.ª Edição, Porto, 1997, N.º 37
  6. a b c "Livro de Família", Filipe de Lima Mayer, Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1969, Volume I, p. 61
  7. «Título ainda não informado (favor adicionar)». economico.sapo.pt 
  8. «Manual do jogo do bilhar : contendo a theoria do bilhar as regras e principios geraes, bem como as suas diversas applicações, etc. etc. / por Désiré Lemaire ; pref. de Jules Rostaing ; versão portuguesa de J. H. U. J.». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 21 de março de 2013 
  9. «Duas palavras aos leitores das farpas de dezembro de 1872 por um brazileiro». Google books. Consultado em 20 de março de 2013 
  10. a b c Maria Filomena Mónica (coordenadora) (Lisboa, 2006). Dicionário Biográfico Parlamentar (1834-1910). [S.l.]: Assembleia da República (ISBN 972-671-167-3). pp. Vol. III. 930  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  11. a b "Genealogia Hebraica", José Maria Raposo de Sousa Abecassis, Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1990, Volume II Beniso - Fresco, Buzaglo, p. 480
  12. «Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa, Volume 4,Parte 1». Google books. Consultado em 20 de março de 2013 
  13. «Ulrich (João Henrique)». Portugal - Dicionário Histórico. Consultado em 20 de março de 2013 
  14. "Raízes e Memórias", Associação Portuguesa de Genealogia, Lisboa, N.º 10, pp. 179, 180, 188 e 189
  15. "Anuário da Nobreza de Portugal - 1985", Manuel de Melo Correia, António Luís Cansado de Carvalho de Matos e Silva, António da Costa de Albuquerque de Sousa Lara, 2.º Conde de Guedes, Edição do Instituto Português de Heráldica, 1.ª Edição, Lisboa, 1985, Tomo II, pp. 1005 e 1006
  16. "Mercês Honoríficas do Século XX (1900-1910)", Jorge Eduardo de Abreu Pamplona Forjaz, Guarda-Mor, 1.ª Edição, Lisboa, 2012, p. 179

Ligações externas[editar | editar código-fonte]