Hürriyet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o jornal em inglês, veja Hürriyet Daily News and Economic Review.
Hürriyet
Periodicidade diário
Formato standard
Sede  Turquia, Istambul
Preço 0,5 liras turcas (abril de 2009)[1]
Slogan Türkiye Türklerindir
("a Turquia pertence aos turcos")
Fundação 1 de maio de 1948 (71 anos)
Fundador(es) Sedat Simavi
Orientação política nacionalista,
Idioma turco
Circulação 496 000 (abril de 2009)[1]
Página oficial www.hurriyet.com.tr
Sede do Hürriyet em Istambul

O Hürriyet ("Liberdade" em turco) é um jornal diário turco de grande circulação, fundado em 1 de maio de 1948 por Sedat Simavi. O jornal tem delegações e edições regionais em Istambul, Ancara, Esmirna, Adana, Antália e Trebizonda, além de também ter uma edição em Frankfurt, Alemanha.[nt 1]

O jornal faz parte da Doğan Yayın Holding, a holding para os media da Grupo Doğan, um grupo financeiro, industrial e de media turco. A Doğan Yayın conta com 52 delegações e 600 jornalistas na Turquia e no estrangeiro, que trabalham para os jornais e canais de televisão do grupo através da sua filiação na Doğan News Agency.[2] Em abril de 2009 a circulação média diária era de 496 000 exemplares, o terceiro maior valor entre os jornais turcos.[1]

O Hürriyet foi fundado em 1 de maio de 1948 com uma equipa de 48 jornalistas. Na primeira semana vendeu 50 000 exemplares.[3] Foi a 59ª e última publicação fundada por Sedat Simavi. Um dos seus fundadores foi Gökşin Sipahioğlu, que depois fundaria a agência fotográfica francesa Sipa Press.

Linha editorial[editar | editar código-fonte]

O Hürriyet tem fortes inclinações nacionalistas, tendo sido acusado de ter publicado artigos que provocaram os pogroms anti-gregos de Istambul em 1955, que levaram à fuga de uma parte considerável da população grega que ainda restava na cidade. O jornal foi também acusado de lançar campanhas difamatórias contra intelectuais e artistas turcos, como por exemplo contra o jornalista turco-arménio Hrant Dink, que resultou no julgamento deste por "insultos à turquicidade", com base no artigo 301º do Código Penal turco. O lema do jornal, que figura no cabeçalho é «Türkiye Türklerindir» ("a Turquia pertence aos turcos"), é da autoria de Mehmed Talat, um dos líderes otomanos durante a Primeira Guerra Mundial e um dos principais responsáveis do genocídio arménio.[4]

Polémica da multa de 2009[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2009, o Grupo Doğan, proprietário do Hürriyet, foi condenado a pagar uma multa de 826,2&milhões de liras turcas (c. 387 milhões de euros) por evasão fiscal. Essa multa levou a Bolsa de Valores da Turquia a suspender as ações do grupo.[5][6] Antecipando essa ocorrência, a Fitch tinha baixado o rating do Hürriyet para BB-.[7][8]

Os executivos do grupo Doğan expressaram a opinião que a multa era motivada por fins políticos intimidatórios, devido ao Hürriyet ter ligado o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdoğan e o seu partido, o AKP, a um escândalo relacionado com caridade na Alemanha. Em março de 2009, Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, expressou publicamente a suas preocupações acerca da multa, declarando que ela ameaçava o "pluralismo e liberdade de imprensa".[9]

Em setembro de 2009, o Grupo Doğan foi novamente multado no valor recorde de 2 500 mihões de dólares (c. 1 700 milhões de euros), relativos a irregularidades fiscais passadas. Esta multa provocou mais reações públicas da Comissão Europeia,[9] bem como da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e suscitou a comparação do caso com as multas aplicadas pelo então presidente russo Vladimir Putin para levar à falência a companhia petrolífera Yukos por alegadas razões políticas. Numa entrevista, Erdoğan negou esta acusação, classificando-a de "muito feia" e desrespeitosa tanta para ele como para Putin.[10][11]

Notas

  1. A maior parte do texto foi inicialmente baseado no artigo «Hürriyet» na Wikipédia em inglês (acessado nesta versão).

Referências

  1. a b c «Gazete tirajları, günlük gazetelerin satış rakamları». www.xgazete.com (em turco). 2009. Consultado em 5 de julho de 2011. Cópia arquivada em 5 de julho de 2011 
  2. «Throughout 60 years... Hürrİyet from past to present». www.hurriyetkurumsal.com (em inglês). Hürriyet Corporate. Consultado em 5 de julho de 2011. Arquivado do original em 11 de março de 2009 
  3. «Hürrİyet'İn Kİlometre Taşlari». www.hurriyetkurumsal.com (em turco). Hürriyet Corporate. Consultado em 5 de julho de 2011. Arquivado do original em 23 de março de 2008 
  4. Cengız, Orhan Kemal (21 de julho de 2010). «Our sophisticated fascists». Today's Zaman (em inglês). Feza Gazetecilik. Consultado em 5 de julho de 2011 
  5. Baysal, Ercan (20 de fevereiro de 2009). «Prosecutors set to file tax evasion lawsuit against Doğan Yayın». Today's Zaman (em inglês). Feza Gazetecilik. Consultado em 5 de julho de 2011 
  6. «Turkish index suspends Dogan group, Petrol Ofisi shares». uk.reuters.com (em inglês). Reuters. 18 de março de 2009. Consultado em 5 de julho de 2011 
  7. «Fitch Downgrades Turkey's Hurriyet to 'BB-'; Outlook Negative». reports.fitchratings.com (em inglês). Fitch Ratings. 23 de dezembro de 2008. Consultado em 5 de julho de 2011. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2010 
  8. «Dogan Yayin Holding remains on watch negative» (PDF). www.dmg.com.tr (em inglês). Doğan Yayın Holding. 24 de agosto de 2009. Consultado em 5 de julho de 2011. Arquivado do original (pdf) em 22 de julho de 2011 
  9. a b Sezer, Seda; Holland, Ben (8 de setembro de 2009). «Dogan Hit by $2.5 Billion Tax Fine in Erdogan Feud (Update3)». www.bloomberg.com (em inglês). Bloomberg. Consultado em 5 de julho de 2011 
  10. Holland, Ben; Kayakiran, Firat (23 de junho de 2009). «Feud Shaking Turkey Pits Erdogan Against Dogan Newspaper Baron». www.bloomberg.com (em inglês). Bloomberg. Consultado em 5 de julho de 2011 
  11. Champion, Marc (5 de outubro de 2009). «Turkish Premier Defends Media Tax Battle». online.wsj.com (em inglês). The Wall Street Journal. Consultado em 5 de julho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre a Turquia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.