Interlíngua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Abril de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Interlingua
Criado por: Alexander Gode 1951
Emprego e uso: Linguagem auxiliar internacional
Total de falantes:
Categoria (propósito): Língua artificial
 Linguagem auxiliar internacional
  Interlingua
Categoria (fontes): Línguas românicas e germânicas
língua russa
Estatuto oficial
Língua oficial de: Nenhum país, mas é usado como língua oficial por algumas organizações.
Regulado por: Union Mundial pro Interlingua
Códigos de língua
ISO 639-1: ia
ISO 639-2: ina
ISO 639-3: ina

A interlíngua é uma língua auxiliar internacional baseada na existência de um vasto vocabulário comum compartilhado por línguas de grande difusão mundial. São palavras como abreviação, abdicação, abdução, abjuração, abolição, abominação, aborígene, absoluto, absorção, abstenção, abstração, acácia, etc.

Essas palavras geralmente são greco-romanas em sua origem, mas há palavras internacionais de outras origens: iglu, quimono, vodca, jaguar, vis-à-vis, software, etc.

A interlíngua veio a público em 1951 pela International Auxiliary Language Association, após mais de duas décadas de estudos linguísticos, com a publicação das suas duas obras básicas que são: Interlingua–English Dictionary, com 27.000 palavras, e Interlingua Grammar.

História[editar | editar código-fonte]

Após a Primeira Guerra Mundial teve um crescente interesse na ideia de uma língua auxiliar internacional. Muitos linguistas, intérpretes e pesquisadores interessados ​em desenvolver uma linguagem óptima auxiliar. Com seu apoio a International Auxiliary Language Association (IALA) foi formada em 1924 com financiamento de Alice Vanderbilt Morris para resolver este problema. Finalmente, depois de não conseguir obter compromissos existentes de línguas auxiliares, IALA decidiu criar sua própria língua ajuda a utilizar princípios científicos. A ideia era inventar uma língua auxiliar, mas para desenhar o seu vocabulário internacional de palavras comuns entre as principais línguas europeias e padronizar isso. Como afirmou: "Não é necessário inventar um assistente linguístico. O que é necessário é apenas removê-lo."

Desenvolvimento de pesquisa começou em 1936 em Liverpool, Inglaterra, mas com a ameaça de guerra, mudou sua operação de pesquisa IALA para Nova Iorque em 1939 sob a direcção de E. Clark Stillman[1] .

Naquele ano, montou uma equipe de linguistas para executar a tarefa. Em 1934, E. Clark Stillman e Alexander Gode seu assistente Dr. terminar um "Padronização interlinguística" manual que descreve o seu conceito de como extrair as palavras dos idiomas que acreditavam que continha a maior concentração de palavras de internação: Inglês, Francês, Italiano e Espanhol / Português (os dois últimos são agrupados em um único idioma).

O trabalho continuou durante a Segunda Guerra Mundial, mas Stillman saiu da IALA em 1943 para servir o governo dos Estados Unidos. Gode ​​se tornou o director de pesquisa. Em 1945, um general da IALA relatório revelou que a equipe produziu um vocabulário de mais de 20.000 palavras internacionais.

A investigação e pesquisa foram investigadas várias variantes de língua auxiliar internacional usando o vocabulário internacional. Estas variantes foram[1] :

  • variante naturalista, totalmente protótipo.
  • uma variante com um mínimo de regulação e delineando.
  • uma variante com regularização intermédia.

Em 1946 um famoso linguista francês André Martinet foi contratado como diretor de pesquisa para produzir um dicionário e uma forma final para o idioma auxiliar. Martinet realizou uma pesquisa sobre como a língua auxiliar, e os resultados indicaram que uma linguagem entre a variante totalmente naturalista e minimamente regularizada variante seria favorecida por mais pessoas. No final de 1948 Alexander Gode assumiu a responsabilidade final para produzir um dicionário da língua quando Martinet assistente retornou à Universidade de Columbia. Alice V. Morris, que era o director financeiro IALA, morreu em Agosto de 1950, quando a forma final do dicionário estava se preparando para imprimir.

A gramática eo vocabulário [Interlingua foram publicados em 1951.

Gode​​, publicou o produto final (financiar ele mesmo), o Diccionario Interlingua-Inglês em 1951, com 27.000 palavras, cuja forma é intermediária entre as formas variantes do protótipo e puramente a variante com ajuste mínimo.

Alexander Gode foi um dos principais promotores deste esforço. Publicou um resumo da gramática, um dicionário unidireccional (Interlíngua para Inglês), e um livro introdutório com o título do Interlingua a Prime Vista.

Alexander Gode e Hugh Blair, que foi o assistente pessoal Alice Morris em sua própria pesquisa sobre línguas auxiliares, publicado simultaneamente Interlíngua Gramática de dar forma concreta à língua internacional.

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Uma palavra é adotada em interlíngua desde que ela seja comum a pelo menos 3 das 4 línguas nacionais escolhidas como fonte: português/espanhol (tratados como um só), italiano, francês e inglês; alemão e russo podem vir a ser considerados.

A forma da palavra é a forma do protótipo, isto é, a forma que deu origem às diferentes formas das línguas nacionais. Assim, embora a palavra portuguesa olho possa ser bastante diferente do espanhol ojo, do italiano occhio e do francês oeil, todas se originaram de uma forma latina anterior oculus, que sobrevive na composição de palavras internacionais como oculista, ocular, etc. Portanto, olho em interlíngua é oculo (acentuado no primeiro "o"). A interlíngua trabalha muito bem o uso do grego e do latim antigo, amplamente difundidos nas línguas ocidentais.

Gramática[editar | editar código-fonte]

Eis uns poucos pontos que diferem entre a interlíngua e o português. Poucos, mas que fazem um diferença enorme no tempo de aprendizado da língua.

Os verbos não têm conjugação por pessoa (io ama, tu ama, ille ama, nos ama, vos ama, illes ama). Os verbos assumem apenas 7 formas diferentes: infinitivo (amar), presente/imperativo (ama), passado (amava), futuro (amara, acentuado no último "a"), condicional (amarea, acentuado no "e"), particípio passado (amate), particípio presente (amante). Assim, verbos "difíceis" em português, como vir, ficam muito mais fáceis de aprender (apenas venir, veni, veniva, venira, venirea, venita, veniente).

Os adjetivos também não se alteram, não importando se o substantivo que ele qualifica está no singular ou no plural (grande casa; grande casas), nem se ele é masculino, feminino ou neutro (sem sexo) (Petro es belle, Maria es belle, le casa es belle).

Exemplo[editar | editar código-fonte]

Tente entender esta frase por conta própria antes de ler a tradução em português abaixo.

Le 900 milliones de personas qui parla portugese, francese, espaniol, italiano, romaniano, etc. e mesmo le parlatores de anglese comprende un texto technic in interlingua sin studio previe. Illo tamben es relativemente intelligibile a eruditos parlatores de linguas germanic (germano, per exemplo) e slave (como le russo).
As 900 milhões de pessoas que falam português, francês, espanhol, italiano, romeno, etc. e até mesmo os falantes de inglês compreendem um texto técnico em Interlíngua sem estudo prévio. Ela também é relativamente inteligível a eruditos falantes de línguas germânicas (alemão, por exemplo) e eslavas (como o russo).

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b F. P. Gopsill. International languages: a matter for Interlingua. [S.l.: s.n.]. ISBN 0-9511695-6-4

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete Interlíngua.