Língua ignota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Uma lingua ignota (do latim "idioma desconhecido") foi descrita pela abadessa de Rupertsberg, Santa Hildegarda de Bingen, OSB, no século XII, que aparentemente usou para fins místicos. Para escrevê-la, ela usou um alfabeto de 23 letras denominadas litterae ignotae.[1]

Depois disso, centenas de tentativas têm sido feitas para criar novas línguas, como, por exemplo, o volapük, o ido, o novial, o occidental, o ling, o esperanto e a interlingua.

Referências

  1. Bingensis, Hildegardis (circa 1175-1190). Riesencodex. [S.l.: s.n.] pp. 934, 464v. Consultado em 26 de agosto de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)