Isabela Figueiredo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Isabela Figueiredo
Nascimento 1 de janeiro de 1963 (59 anos)
Lourenço Marques,
Moçambique
Nacionalidade portuguesa
Ocupação Jornalista, professora e escritora
Principais trabalhos A Gorda
Prémios Prémio da Mostra Portuguesa de Artes e Ideias (1988)

Prémio Monstro do Ano, Melhor Livro, Angelus Novus (2010)
Prémio Urbano Tavares Rodrigues (2017)

Isabela Figueiredo (Lourenço Marques, 1 de janeiro de 1963), é uma jornalista, professora e escritora portuguesa.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Isabela Figueiredo nasceu em Lourenço Marques, Moçambique, e veio para Portugal em 1975 na condição de retornada. [2] Foi viver com a avó, ficando separada dos seus pais, que ficaram em Moçambique, durante 10 anos. O seu pai era eletricista.[3]

Figueiredo é licenciada em Línguas e Literaturas Lusófonas pela Universidade Nova de Lisboa e possui uma especialização em Estudos de Gênero pela Universidade Aberta de Lisboa. Publicou seus primeiros textos em 1983 no DN Jovem, suplemento já extinto do Diário de Notícias.[4]

Em 1988 ganhou seu primeiro prémio na Mostra Portuguesa de Artes e Ideias com a obra publicada sob o nome de Isabel Almeida Santos: Conto é Como Quem Diz . A autora trabalhou como jornalista no Diário de Notícias entre 1989 e 1994 e também como professora de Ensino Médio na Margem Sul de Lisboa entre 1985 e 2014.[5]

Em 2009, publicou a obra autobiográfica Caderno de Memórias Coloniais a qual foi eleita em 2010 como uma das obras mais relevantes da década pela escritora Maria da Conceição Caleiro e pelo ensaísta Gustavo Rubim no especial publicado pela revista de cultura Ípsilon (suplemento de artes do jornal Público).[6][7]

Ainda em 2010, recebeu o prémio de melhor livro do ano com Caderno de Memórias Coloniais. Seu romance A Gorda (2016) foi considerado um dos dez melhores livros de 2016 pela revista online Espalha-Factos e venceu o Prémio Literário Urbano Tavares Rodrigues de 2017.[8][9]

Obras[editar | editar código-fonte]

É autora de: [2][10]

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • 1988 - Prémio da Mostra Portuguesa de Artes e Ideias [2]
  • 2010 - Prémio Monstro do Ano para Melhor Livro, pela Angelus Novus [12][13]
  • 2017 - Prémio Literário Urbano Tavares Rodrigues [14][15]
  • 2021 - Foi nomeada para o Prémio Femina Estrangeiro [16]

Traduções[editar | editar código-fonte]

  • Estados Unidos
    • “Notebook of Colonial Memories” - [Caderno de memórias coloniais]
      Editora: University of Massachusetts Dartmouth, 2015; Tradução: Anna M. Klobucka e Phillip Rothwell[17]

Referências

  1. Gould, Isabel Ferreira. “A Daughter’s Unsettling Auto/Biography of Colonialism and Uprooting: A Conversation with Isabela Figueiredo.” ellipsis 8 (2010):133-45. Web.
  2. a b c «Isabela Figueiredo». Wook. Consultado em 19 de março de 2018 
  3. Revista Sábado (31 de Janeiro de 2019). O impacto que os retornados tiveram no País.
  4. «Figueiredo, Isabela. Afterword. Notebook of Colonial Memories. Translated by Anna Klobucka and Phillip Rothwell, University of Massachusetts Dartmouth, 2015.» (PDF). 2015. Consultado em 18 de dezembro de 2018 
  5. «Entrevista com Isabela Figueiredo». Diário de Notícias. 17 de agosto de 2018. Consultado em 18 de dezembro de 2018 
  6. Gould, Isabel Ferreira. “A Daughter’s Unsettling Auto/Biography of Colonialism and Uprooting: A Conversation with Isabela Figueiredo.” ellipsis 8 (2010): 133-45. Web. https://www.academia.edu/37402065/A_Daughters_Unsettling_Auto_Biography_of_Colonialism_and_Uprooting_A_Conversation_with_Isabela_Figueiredo
  7. «Livros da década». Ípsilon - Suplemento de artes do jornal Público. 6 de Janeiro de 2010. Consultado em 18 de dezembro de 2018 
  8. «Isabela Figueiredo vence Prémio Literário Urbano Tavares Rodrigues com "A Gorda"». Diário de Notícias. 04 de outubro de 2017. Consultado em 18 de dezembro de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. «LIVROS: OS DEZ MELHORES DE 2016». Espalha Factos. 22 de dezembro de 2016. Consultado em 18 de dezembro de 2018 
  10. «Catálogo da Biblioteca Nacional de Portugal - Obras de Isabela Figueiredo». catalogo.bnportugal.pt. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  11. a b c «O triunfo de 'A Gorda', de Isabela Figueiredo». Comunidade Cultura e Arte. 26 de julho de 2017. Consultado em 19 de março de 2018. Cópia arquivada em 19 de março de 2018 
  12. «Ganhooou! Isabela é «Monstro do Ano»!». Angelus Novus. 5 de março de 2010. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  13. «Ganhooou! Isabela é «Monstro do Ano»!». Angelus Novus. Março de 2010. Consultado em Dezembro de 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  14. «Isabela Figueiredo vence Prémio Literário Urbano Tavares Rodrigues com "A Gorda"». Agência Lusa. 4 de outubro de 2017. Consultado em 20 de março de 2018. Cópia arquivada em 20 de março de 2018 
  15. «Isabela Figueiredo vence Prémio Literário Urbano Tavares Rodrigues com ″A Gorda″». www.dn.pt. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  16. «Isabela Figueiredo nomeada para Prémio Femina Estrangeiro». Notícias ao Minuto. 13 de setembro de 2021. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  17. «Figueiredo, Isabela. Notebook of Colonial Memories. Translated by Anna Klobucka and Phillip Rothwell, University of Massachusetts Dartmouth, 2015.» (PDF). University of Massachusetts Dartmouth. Consultado em December 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.