Jaime, Duque de Segóvia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jaime
Infante da Espanha
Duque de Segóvia
Pretendente Legitimista ao Trono Francês
Período 28 de fevereiro de 1941
a 20 de março de 1945
Antecessor Afonso II
Sucessor Afonso III
 
Nascimento 23 de junho de 1908
  Palacio Real de La Granja de San Ildefonso, Santo Ildefonso, Espanha
Morte 20 de março de 1975 (66 anos)
  Hospital Cantonal, São Galo, Suíça
Sepultado em Panteão dos Infantes, Mosteiro do Escorial, El Escorial, Espanha
Nome completo  
Jaime Leopoldo Isabelino Henrique Alexandre Alberto Afonso Vitor Acacio Pedro Paulo Maria
Esposas Emmanuelle de Dampierre (1935–1947)
Charlotte Tiedemann (1949–1975)
Descendência Afonso, Duque de Anjou
Gonçalo, Duque da Aquitânia
Casa Bourbon
Pai Afonso XIII da Espanha
Mãe Vitória Eugénia de Battenberg
Religião Catolicismo

Jaime de Bourbon (Santo Ildefonso, 23 de junho de 1908São Galo, 20 de março de 1975) foi um Infante da Espanha, o segundo filho do rei Afonso XIII da Espanha e de sua esposa, a princesa Vitória Eugénia de Battenberg.[1][2]

Quando seu irmão Afonso renunciou a seus direitos dinásticos para se casar morganaticamente, seu pai também pediu a Jaime fizesse o mesmo; Ele aceitou o pedido de seu pai e renunciou em 23 de junho de 1933. Afonso XIII o considerou incapaz para ocupar o trono caso a monarquia fosse restaurada na Espanha, por ser surdo. Desde então, ele usou o título de Duque de Segóvia. Em 1941, os legitimista franceses consideraram Jaime o Chefe da Casa Real da França e um pretendente ao trono francês. Ele era conhecido por seus partidários como Henrique VI da França e Navarra.

Em 6 de dezembro de 1949, Jaime tentou a invalidação de sua renúncia aos direitos sucessórios ao trono da Espanha, opondo-se a que seu irmão João fosse considerado Chefe da Casa Real. Em 19 de julho de 1969, Jaime renunciou definitivamente a continuar reivindicando seus possíveis direitos dinásticos, quando o príncipe Juan Carlos foi designado sucessor pelo ditador Francisco Franco, quando seu filho Afonso solicitou esse gesto. Mas, alguns anos depois, ele tentou fazer com que o ditador nomeasse seu filho como seu sucessor e removesse Juan Carlos da sucessão do chefe de Estado.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jaime Leopoldo nasceu no Palácio Real da Granja de São Ildefonso, em Segóvia. Por ser surdo-mudo, resultado de uma operação na infância, ele renunciou aos seus direitos ao trono espanhol para si próprio e aos seus descendentes a 23 de junho de 1933.[1] Tornou-se então Duque de Segóvia. Em 1941, ele se proclamou o legítimo herdeiro ao trono francês e chefe da Casa de Bourbon, e era denominado como o Duque de Anjou. Ele era reconhecido pelos legitimistas como Henrique VI de França (desde 1957, ele assinou todos os documentos como Jacques Henri).

Em 6 de dezembro de 1949, Jaime desistiu de sua renúncia ao trono de Espanha.[1] Em 3 de maio de 1964, ele assumiu o título de Duque de Madrid como chefe da sucessão carlista ao trono espanhol (reconhecido como rei Jaime IV de Espanha por um grupo bastante significativo de Carlistas). Em 19 de julho de 1969, Jaime renunciou definitivamente ao trono espanhol em favor do seu sobrinho, o rei João Carlos de Espanha, por petição de seu filho Afonso, Duque de Anjou e Cádis.

Jaime, morreu em São Galo, na Suíça, no Hospital Cantonal em 20 de março de 1975. Ele está sepultado no Real Mosteiro de San Lorenzo de El Escorial.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Jaime casou em Roma, no dia 4 de março de 1935 com Victoire Jeanne Joséphine Pierre Marie Emmanuelle de Dampierre (1913-2012), uma nobre, filha do nobre francês Roger de Dampierre, 2.º Duque de San Lorenzo e Visconde de Dampierre, Nobre de Viterbo e da princesa italiana Vittoria Ruspoli filha de Emanuele Ruspoli, 1.º Príncipe di Poggio Suasa, e sua terceira esposa, inglesa americana Josephine Mary Curtis.[1] Don Jaime e Donna Emanuela tiveram dois filhos, em homenagem aos irmãos hemofílicos de Jaime, Alfonso e Gonzalo: Tiveram dois filhos:

Jaime e Emmanuelle de Dampierre Ruspoli divorciaram-se em 1947, em Bucareste (reconhecido pelo tribunal italiano, em 1949, mas nunca reconhecido em Espanha) e, em 3 de agosto de 1949, em Innsbruck, Jaime casou com a cantora divorciada Charlotte Luise Auguste Tiedemann. No entanto, aos olhos da Igreja Católica Romana e dos legitimistas franceses, Emmanuelle de Dampierre foi sempre a sua esposa.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «ROYALTY: A Wonderful Woman». Time. 2 de janeiro de 1950. Consultado em 2 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 31 de janeiro de 2011 
  2. Knowles, Daniel (2019). HMS Hood: Pride of the Royal Navy (em inglês). Croydon: Fonthill Media. p. 180 
  3. «ABC MADRID 08-12-1925 página 7 - Archivo ABC». abc. 6 de agosto de 2019. Consultado em 11 de janeiro de 2023 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Zavala, José M. Don Jaime, el trágico Borbón: la maldición del hijo sordomudo de Alfonso XIII. Madrid: La Esfera de los Libros, 2006. ISBN 8497345657.
  • Aranguren, Begoña. Emanuela de Dampierre: memorias, esposa y madre de los Borbones que pudieron reinar en España. Madrid: Esfera de los Libros, 2003. ISBN 8497341414.

Precedido por
Afonso II
Grand Royal Coat of Arms of France.svg
Rei Titular da França
Legitimista

19411975
Sucedido por
Afonso III