Jean-Michel Folon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Março de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jean-Michel Folon
Nascimento 1 de março de 1934
Uccle
Morte 20 de outubro de 2005 (71 anos)
Mônaco
Cidadania Bélgica
Ocupação pintor, artista, litógrafo, escultor, ilustrador, designer de selos postais
Página oficial
http://www.folon-art.com/

Jean-Michel Folon (Uccle, Bélgica, 1 de março de 1934Mônaco, 20 de outubro de 2005) foi um artista belga, ilustrador, pintor e escultor.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudando arquitectura na escola de Saint-Luc, abandona os estudos para em 1955, instalar-se nos arredores de Paris, num pavilhão de jardinagem e durante um período de cinco anos, desenha de manhã à noite. No ano de 1985, vai viver para próximo do Mediterrâneo e desenvolve a sua actividade num grande atelier do porto do Mónaco, rodeado por inúmeros artistas.

"Na luz e na paz que convém ao meu trabalho", afirma. Em 1969, na Galeria Lefebre, em Nova Iorque, ocorre a sua primeira exposição de aguarelas. Em 1970, expõe em Tóquio, em Milão (na Galeria "Il Milione") e participa na XXV Bienal de Veneza.

Mais tarde, em 1973, participou da XXV Bienal de São Paulo, onde lhe foi atribuído o Grande Prémio de Pintura.

Ao longo dos anos, o trabalho de Folon diversifica-se pela aquarela, ilustração de livros, serigrafia, gravura, mosaicos, vitrais, cenários e filmes, que confirmam a heterogeneidade da sua arte. Fez, também, a concepção de diversos anúncios, na sua grande maioria para causas humanitárias.

Em finais da década de 80, começa a esculpir, primeiro em madeira, depois em barro e em gesso, até enveredar pelos bronzes ou pelos mármores; no entanto, não deixa de pintar.

Quase ao virar do século, é criada a "Fundação Folon", no local onde passou a sua infância, perto de Bruxelas, onde é apresentado o essencial da sua obra, tendo sido inaugurada em Outubro de 2000.

Desde essa data, é possível descobrir neste local as obras que o Jean-Michel preservou "para as ver juntas, um dia, num mesmo lugar".

Faleceu em 2005, com 71 anos, vítima de uma leucemia. Em resposta à última pergunta do "questionário de Proust" para a revista Express, "como você gostaria de morrer?", Folon respondeu: “Voando”.

Exposições[editar | editar código-fonte]

  • Museu de Artes Decorativas (Paris).
  • Instituto de Arte Contemporânea (Londres).
  • Museu Picasso d'Antibes.

Principais obras[editar | editar código-fonte]

  • Tapeçaria exposta no centro de congressos do Monaco.
  • Quelqu'un, estátua nos jardins de l'Élysette.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jean-Michel Folon