Johan Ludvig Runeberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Johan Ludvig Runeberg
Johan Ludvig Runeberg (1804-1877)
Nascimento 5 de fevereiro de 1804
Jakobstad, Reino da Suécia
Morte 6 de maio de 1877 (73 anos)
Porvoo, Grão-Ducado da Finlândia, Império Russo
Nacionalidade Finlândia Finlandês
Ocupação Poeta
Principais trabalhos As Lendas do Alferes Ståhl
Assinatura
Johan Ludvig Runeberg autograf.png

Johan Ludvig Runeberg (Jakobstad 5 de fevereiro de 1804 - Porvoo, 6 de maio de 1877) foi um poeta finlandês de expressão sueca, considerado o poeta nacional da Finlândia.[1][2]

Os seus textos combinam elementos de poesia da antiguidade, do romantismo e do realismo. Estudou primeiro em Vaasa e em Oulu, tendo concluido seus estudos na Academia de Åbo (Turku em finlandês) onde conheceu Johan Vilhelm Snellman e Zacharias Topelius.

A sua obra épica é considerada a mais grandiosa, excluindo os poemas épicos Kalevala. O seu primeiro poema "Nossa Terra" ("Vårt land" em sueco, "Maamme" em finlandês), tornou-se o hino nacional da Finlândia.
Entre suas obras cabe destacar sobre tudo As Lendas do Alferes Ståhl ( Fänrik Ståhls Sägnerem sueco e Vänrikki Stoolin tarinat em finlandês) escrito entre os anos de 1848 e 1860, na qual o poeta descreve, em forma de 35 canções épicas os acontecimentos da Guerra da Finlândia (1808-1809) em que Finlândia, até então parte do reino da Suécia, passou a formar parte do Império Russo como grão-ducado autónomo. No poema é elogiado o povo simples, que sofreu e lutou, e não a classe superior, que se adaptou ao czar russo.[3]

É um dos poetas nacionais finlandeses com o maior número de textos utilizados em obras musicais. Seu mais significativo divulgador no âmbito musical foi o compositor Jean Sibelius, que compôs mais de 90 canções com os textos de Runeberg, entre elas 5 com versos em língua finlandesa.

O dia 5 de fevereiro, dia de seu aniversário, é para a população de língua finlandesa e desde a década de 1920 o dia nacional de hastear a bandeira. Todavia, foi desde sempre mais vinculado à cultura dos suecófonos da Finlândia que o homenageavam já desde a independência da Finlândia, tendo sendo ainda em vida, a partir no dia do seu aniversário de 50 anos, em 1854, homenageado pela juventude de Porvoo que se juntava em frente à sua casa para lhe cantar os parabéns.

Referências

  1. Ernby, Birgitta; Martin Gellerstam, Sven-Göran Malmgren, Per Axelsson, Thomas Fehrm (2001). «Johan Ludwig Runeberg». Norstedts första svenska ordbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts ordbok. p. 526. 793 páginas. ISBN 91-7227-186-8 
  2. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg (2007). «Johan Ludvig Runeberg». Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag. p. 833. 1143 páginas. ISBN 91-0-011462-6 
  3. Magnusson, Thomas; et al. (2004). «Fänrik Ståls sägner». Vad varje svensk bör veta (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag e Publisher Produktion AB. p. 339. 654 páginas. ISBN 91-0-010680-1 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Finlândia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.