José de Souza Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José de Souza Pinto, SDV
Presbítero da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Congregação Missionários do Verbo Divino
Diocese Arquidiocese de Salvador
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 6 de maio de 1973
Dados pessoais
Nascimento 23 de março de 1947
Morte Salvador, BA
4 de abril de 2019 (72 anos)
Nacionalidade brasileiro
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

José de Souza Pinto, SDV ([onde?], 23 de março de 1947Salvador, 4 de abril de 2019) foi um padre da Igreja Católica da cidade de Salvador, capital da Bahia, que ficou conhecido por sua postura crítica aos paradigmas da igreja, causando não só espanto e grande escândalo mas também admiração popular de setores progressistas da igreja. Em uma cidade marcada pelo sincretismo religioso, onde o Catolicismo é mesclado há séculos com a Umbanda e o Candomblé, Padre Pinto ousou ir além da praxe católica baiana, marcada pelo ocultamento do africano, que, embora presente no íntimo dos fiéis, se revela apenas episodicamente - como nas festas que incluem lavagem da escada do Senhor do Bonfim, (referência a Xangô), onde tradições africanas são preponderantes. Padre Pinto expôs a maneira como grande parte dos fiéis já interpretam o culto católico na cidade, e, como sói acontecer em toda a história do Catolicismo com clérigos impetuosos e inovadores, sofreu ferrenha repressão por parte da rígida hierarquia da Igreja - ainda que contando com amplo apoio e simpatia popular. Acabou por ser afastado da Paróquia da Lapinha em Salvador pelo clero baiano.

Membro da Congregação das Divinas Vocações, que reúne padres com talentos artísticos, artista plástico e bailarino, o Padre José Pinto confecciona seus próprios paramentos e vestes. Revelou-se para o país na Festa de Reis de 2006 (06 de janeiro), quando celebrou a missa com trajes característicos de Oxum, deusa das águas doces no Candomblé. Na mesma celebração, apresentou passos de dança também relacionados à religião Candomblé, Umbanda, bem como a dos povos indígenas do Brasil.

Padre Pinto, depois do episódio, participou de diversos programas de televisão, nas quais expôs críticas mordazes a Igreja Católica. Defendeu o fim do celibato, dentre outras mudanças que julga necessárias no rito católico. Em 21 de maio de 2006, após ampla repressão por parte da Igreja, revelou sua intenção de tornar-se pai de santo.

Produziu uma série de quadros sobre a Guerra de Canudos, em homenagem a Antônio Conselheiro, que foi doado ao Instituto Popular Memorial de Canudos, em Canudos, onde encontra-se em exposição permanente. Além disso, expôs quadros na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia.

Em 2012, foi noticiado que Padre Pinto havia se reconciliado com o clero baiano. Voltando a atuar como padre, agora na Igreja de São Caetano, bairro de Salvador, leva uma vida tranquila, evitando chamar a atenção da mídia.[1]

Morreu no dia 4 de abril de 2019 aos 72 anos. Ele havia sofrido um Acidente vascular cerebral em novembro do ano passado.[2]

Referências

  1. Gilvan Nascimento, Correio 24 Horas. «Padre Pinto e a vida reservada em São Caetano». Consultado em 22 de abril de 2012 
  2. Pivô de polêmicas, Padre Pinto morre em Salvador aos 72 anos
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: José de Souza Pinto