Juremir Machado da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Juremir Machado da Silva
(foto: Rodrigo Canela/CPFL Cultura, 2009)
Nome completo Juremir Machado da Silva
Nascimento 29 de janeiro de 1962 (57 anos)
Santana do Livramento (RS)
Residência Porto Alegre (RS)
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor, tradutor, jornalista e professor universitário,
Principais trabalhos Solo

Juremir Machado da Silva (Santana do Livramento, 29 de janeiro de 1962) é um escritor, tradutor, jornalista, radialista e professor universitário brasileiro.

Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juremir Machado da Silva nasceu em 1962, em Santana do Livramento, Rio Grande do Sul. Formado em jornalismo e em história pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) (1985), é doutor em Sociologia pela Universidade de Paris V: René Descartes sob a orientação de Michel Maffesoli.[2] Em Paris, de 1993 a 1995, foi colunista e correspondente do jornal Zero Hora. Em 1998, fez pós-doutorado na França orientado por Edgar Morin, Jean Baudrillard e Michel Maffesoli. Atualmente, é professor do curso de Jornalismo da Faculdade de Comunicação Social da PUCRS, onde foi coordenador do programa de pós-graduação em Comunicação de 2003 a 2014. Assina uma coluna diária, coordena o Caderno de Sábado e mantém um blog no jornal Correio do Povo de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, além de apresentar o programa Esfera Pública na Rádio Guaíba e de participar diariamente dos programas Bom Dia, Ganhando o Jogo e Guaíba Revista. Integra o conselho editorial das revistas acadêmicas estrangeiras Sociétés, Hermès e Esprit Critique. Foi vice-presidente da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação (Compós) e representante da área da Comunicação no CNPq.

Bibliografia parcial[editar | editar código-fonte]

  • A Miséria do cotidiano. (Sociologia) Artes & Ofícios, Porto Alegre, (1991).
  • A Noite dos cabarés. (Reportagem) Mercado Aberto, Porto Alegre, (1991); Segunda edição, Editora Pradense, (2013).
  • Muito além da liberdade: ensaio sobre a pós-modernidade. (Ensaio) Artes & Ofícios, Porto Alegre, (1991).
  • O Pensamento do fim do século. (Entrevistas com artistas e intelectuais) L&PM, Porto Alegre, (1993).
  • A Prisioneira do Castelinho do Alto da Bronze. (Romance-reportagem) Artes & Ofícios, Porto Alegre, (1993).
  • Cai a noite sobre palomas (Romance) Sulina, Porto Alegre, (1995).
  • Anjos da perdição: futuro e presente na cultura. (Sociologia) Sulina, Porto Alegre, (1996).
  • Viagem ao extremo sul da solidão. (Romance) Sulina, Porto Alegre, (1997).
  • Visões de uma certa Europa. (Entrevistas com intelectuais) Edipucrs, Porto Alegre, (1998).
  • Fronteiras (Romance) Sulina, Porto Alegre, (1999).
  • Le Brésil, pays du présent. Desclée de Brouwer, Paris, (1999).
  • A Miséria do jornalismo brasileiro. (Sociologia - Jornalismo) Vozes, Petrópolis-RJ, (2000).
  • As Tecnologias do imaginário. (Ensaio) Sulina, Porto Alegre, (2002).
  • Ela nem me disse adeus. (Novela) Sulina, Porto Alegre, (2003).
  • Adios, baby. (Novela) Sulina, Porto Alegre, (2003).
  • Nau frágil. (Novela) Sulina, Porto Alegre, (2003).
  • Getúlio. (Romance histórico) Record, Rio de Janeiro, (2004).
  • Para homens na crise dos 40 e mulheres interessadas em compreendê-los. (Crônica) Sulina, Porto Alegre, (2005).
  • Mal dito. (Aforismos) Bipolar, Porto Alegre, (2005).
  • Aprender a (vi)ver. (Crônica) Record, Rio de Janeiro, (2006).
  • Antes do Túnel - uma História Pessoal do Bom Fim. (Ensaio - memória) Editora da Cidade, Porto Alegre, (2007).
  • Solo (Romance) Record, Rio de Janeiro, (2008).
  • Les technologies de l’imaginaire La Table Ronde, Paris, (2008).
  • O que pesquisar quer dizer: como fazer textos acadêmicos sem medo da ABNT e da Capes. (Ensaio) Sulina, Porto Alegre, (2010).
  • História regional da infâmia: o destino dos negros farrapos e outras iniquidades brasileiras, ou como se produzem os imaginários. L&PM, Porto Alegre, (2010).
  • 1930: Águas da revolução. (Romance histórico) Record, Rio de Janeiro, (2010).
  • Trilogia de Palomas - Cai a noite sobre Palomas, Viagem ao extremo sul da solidão e Fronteiras. (Romance) Sulina-Correio do Povo, Porto Alegre, (2011).
  • Vozes da Legalidade - Política e imaginário na Era do Rádio. (Ensaio) Sulina, Porto Alegre, (2001).
  • Um Escritor no fim do mundo: viagem com Michel Houellebecq à Patagônia. (Ensaio) Record, Rio de Janeiro, (2011).
  • A Sociedade midiocre - Passagem ao hiperespetacular: o fim do direito autoral, do livro e da escrita. (Ensaio - Sociologia) Sulina, Porto Alegre, (2012).
  • A Orquídea e o serial-killer. (Crônica) L&PM, Porto Alegre, (2012).
  • Jango: A Vida e A Morte No Exílio. (como foram construídos, com ajuda da mídia, o imaginário favorável ao golpe e as narrativas sobre as suspeitas de assassinato do presidente deposto em 1964) (Ensaio) L&PM, Porto Alegre, (2013).
  • 1964 - Golpe midiático-civil-militar. (Ensaio) Sulina, Porto Alegre, (2014).
  • Avec Michel Houellebecq en Patagonie. CNRS, Paris, (2011). (En poche), (2014).
  • Correio do Povo, a primeira semana de um jornal centenário (Ensaio) Sulina, Porto Alegre, (2015).
  • Corruptos de estimação e outros textos sobre o golpe hiper-real (Crônicas) Sulina, Porto Alegre, (2016).
  • Diferença e Descobrimento. O que é o imaginário? (Ensaio) Sulina, Porto Alegre, (2017).
  • Raízes do Conservadorismo Brasileiro: a abolição na imprensa e no imaginário social (Ensaio) Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, (2017).

Traduções[editar | editar código-fonte]

Prêmio[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Açorianos de tradução, Porto Alegre, SMC, 1999, por O Método 4.
  • Prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação, intelectual emergente, atribuído pela Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos em Comunicação), 2001.
  • Prêmio Press, colunista do ano, Porto Alegre, 2004.
  • Prêmio Açorianos de crônica, Porto Alegre, SMC, 2006, por Para homens na crise dos 40 e mulheres interessadas em compreendê-los.
  • Prêmio Joaquim Felizardo, de mídia imprensa, Porto Alegre, SMC, 2007.
  • Prêmio ARI (Associação Rio-grandense de Imprensa) de Jornalismo, 2007 (2º lugar em reportagem cultural).
  • Prêmio ARI (Associação Rio-grandense de Imprensa) de Jornalismo, 2008 (2º lugar em reportagem cultural).
  • Chevalier de l’Ordre des Palmes Académiques. Atribuído pelo governo francês, 2008.
  • Cidadão honorário da Câmara Vereadores de Porto Alegre, 2008.
  • Prêmio Brasília de Literatura, por Jango, a vida e a morte no exílio, categoria reportagem, atribuído pela Bienal do Livro de Brasília, 2014.
  • Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) (2017) - melhor livro de Ensaio/Teoria e/ou Crítica Literária/ Reportagem - Raízes do Conservadorismo Brasileiro: a abolição na imprensa e no imaginário social.

Referências

  1. «Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social - Equipe». Consultado em 27 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  2. Gabbay, Marcello (fevereiro de 2014). «Entrevista com Juremir Machado da Silva». Revista ECO-Pós. 16 (2): 177-190. ISSN 2175-8689