Lamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filme com Paulo Betti. Para o guerrilheiro, veja Carlos Lamarca.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lamarca
 Brasil
1994 •  cor •  130 min 
Direção Sérgio Rezende
Roteiro Alfredo Oroz
Sérgio Rezende
Elenco Paulo Betti
Carla Camurati
Roberto Bomtempo
Deborah Evelyn
Género drama biográfico
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Lamarca é um filme brasileiro de 1994, dirigido por Sérgio Rezende e baseado em livro de Emiliano José e Miranda Oldack, de título Lamarca, o capitão da guerrilha, uma biografia do militar e guerrilheiro Carlos Lamarca.[1]

A trilha sonora é de David Tygel.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A história começa em dezembro de 1970, quando o ex-capitão do exército brasileiro e grande atirador Carlos Lamarca e seu grupo político rebelde negociam com a Ditadura Militar a soltura de presos políticos em troca da vida do sequestrado embaixador da Suíça, mantido por eles em cativeiro. Trinta presos são soltos e a repressão aumenta a perseguição aos guerrilheiros, comandada por um general do Exército e o delegado civil Flores (referência ao delegado da vida real Fleury), que se apresenta como o matador de Marighella e outros "subversivos" e não hesita em torturar seus prisioneiros para obter informações.

Os dirigentes do grupo de Lamarca querem que ele saia do Brasil, mas ele não aceita. Lamarca vai então para a Bahia, acompanhado da amante e também militante Clara, para se encontrar com os aliados da guerrilha Zequinha e seus irmãos. Eles o escondem em um sítio no interior do estado. Enquanto espera para se encontrar com os demais guerrilheiros para organizarem um levante rural, Lamarca lembra de momentos do seu passado, da experiência marcante de quando serviu como soldado da ONU no Canal de Suez que o fez se revoltar contra os capitalistas, da sua mulher e filhos que enviara para Cuba e do campo de treinamento de guerrilheiros que criara no Vale do Ribeira em São Paulo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

Troféu APCA 1995 (Associação Paulista de Críticos de Arte, Brasil)

  • Venceu na categoria de melhor ator (Paulo Betti).

Margarida de Prata 1994 (Brasil)

  • O filme recebeu Menção Honrosa.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Sem citar os nomes verdadeiros, o roteiro alude as personalidades da época da repressão militar pela sonoridade dos nomes; assim, o delegado Sérgio Paranhos Fleury se transformou em "Flores", e Iara Iavelberg, em "Clara".
  • Nelson Dantas,que fez o pai de Lamarca e Paulo Betti que fez o próprio Lamarca no filme,fizeram uma participação no filme Zuzu Angel. Lamarca apareceu num assalto a banco junto com Stuart Edgar Angel Jones,interpretado por Daniel de Oliveira. O pai de Lamarca aparece com Zuzu quando ela o visita. Ambos os personagens não tem falas no filme.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lamarca, acesso em 30 de julho de 2016.
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.