Mauá - O Imperador e o Rei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mauá — O Imperador e o Rei
 Brasil
1999 •  cor •  135 min 
Direção Sérgio Rezende
Roteiro Joaquim Vaz de Carvalho
Paulo Halm
Sérgio Rezende
Elenco Paulo Betti
Malu Mader
Hugo Carvana
Cláudio Corrêa e Castro
Género drama
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Mauá - O Imperador e o Rei é um filme brasileiro de 1999 com direção de Sérgio Rezende, e elenco integrado por Paulo Betti, Malu Mader, Hugo Carvana e Cláudio Corrêa e Castro entre outros.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme mostra a infância, o enriquecimento e a falência de Irineu Evangelista de Sousa (1813–1889), o empreendedor gaúcho mais conhecido como barão de Mauá, considerado o primeiro grande empresário brasileiro, responsável por uma série de iniciativas modernizadoras para economia nacional, ao longo do século XlX.

A combinação das suas ideias, juntamente com o agravamento da instabilidade política da região platina, tornou-o alvo das intrigas dos Conservadores. As suas instalações passaram a ser alvo de sabotagens criminosas e os seus negócios foram abalados pela legislação que reduziu as taxas de importação sobre as importações de máquinas, ferramentas e ferragens (tarifa Silva Ferraz, 1860). Com a falência do Banco Mauá (1875), pediu moratória por três anos, sendo obrigado a vender a maioria de suas empresas a capitalistas estrangeiros e ainda os seus bens pessoais para liquidar as dívidas.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Recebeu uma indicação no Grande Prêmio Cinema Brasil, na categoria de Melhor Ator (Othon Bastos como Visconde de Feitosa).

Acusação de plágio[editar | editar código-fonte]

Em 1999, Sérgio Rezende foi acusado de plágio por Jorge Caldeira, autor do livro Mauá, Empresário do Império (publicado pela Companhia das Letras), e de não ter recebido os créditos, uma vez que o filme traz trechos inteiros de diálogos contidos no livro.

Os juízes da 15ª Vara de São Paulo determinaram que não houve plágio e condenaram Caldeira a pagar 90 salários mínimos de indenização aos cineastas.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

Referências

  1. «Os direitos de Mauá | Publishnews | Clipping». publishnews.com.br. 2012. Consultado em 2 de abril de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.