Leonhart Fuchs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Leonhart Fuchs
Nascimento 17 de janeiro de 1501
Nördlingen, Wemding
Morte 10 de maio de 1566 (65 anos)
Tubinga
Cidadania Alemanha
Alma mater Universidade de Ingolstadt
Ocupação médico, botânico, pteridólogo, professor universitário
Empregador Universidade de Tubinga, Universidade de Ingolstadt
Leonhart Fuchs

Leonhart Fuchs (Wemding, 17 de Janeiro de 1501Tubinga, 10 de Maio de 1566) foi um médico alemão e uma das três figuras consideradas como patriarcas da botânica, juntamente com Hieronymus Bock e Otto Brunfels.

Vida[editar | editar código-fonte]

Fuchs nasceu em Wemding, no Ducado da Baviera. Depois de passar pela escola em Heilbronn, Fuchs foi para a Marienschule em Erfurt, Turíngia quando tinha doze anos, e graduou-se como Baccalaureus artium. Em 1524 tornou-se Magister Artium em Ingolstadt, e recebeu o título de doutor em medicina no mesmo ano.

De 1524 a 1526, exerceu como médico em Munique, até que recebeu uma cátedra de medicina em Ingolstadt, em 1526. Em 1528-1531 foi médico pessoal de Jorge, marquês de Brandemburgo-Ansbach.

Fuchs foi chamado a Tubinga por Ulrico de Vurtemberga em 1533 para auxiliar na reforma da universidade no espírito do humanismo. Foi chanceler sete vezes, passando os últimos trinta e um anos da sua vida como professor de medicina.

Faleceu em Tubinga, Alemanha, em 1566.

Obra[editar | editar código-fonte]

Como os médicos medievais que o precederam e os seus contemporâneos, Fuchs foi fortemente influenciado pelos três autores clássicos, gregos e romanos, Hipócrates, Dioscórides e Galeno, que escreveram sobre medicina e matéria médica. Ele pretendeu combater a hegemonia árabe na medicina, tal como tinha sido transmitida pela escola médica de Salerno, fazendo-a regressar à pureza dos autores clássicos. Mas ele também estava consciente da importância da experiência prática e levava os seus estudantes a visitas ao campo, onde ensinava sobre plantas medicinais in situ. Ele fundou um dos primeiros jardins botânicos alemães.

Principais publicações[editar | editar código-fonte]

Cannabis sativa na De historia stirpium commentarii.
  • Errata recentiorum medicorum ("Erros dos médicos recentes") (Hagenau, 1530).
  • De historia stirpium commentarii insignes ("Comentários notáveis sobre a história das plantas", Basileia, 1542), a sua grande obra sobre plantas, traduzida, com maior ou menor fidelidade, para alemão, como "New Kreüterbuch" (1543), para inglês, como "New Herbal", e para holandês, como "Den nieuwen Herbarius, dat is dat boeck van den cruyden" (1543).

Edições modernas[editar | editar código-fonte]

  • Klaus Dobat/Werner Dressendorfer (eds.) Leonhart Fuchs: The New Herbal of 1543. Taschen, 2001.

Eponímia[editar | editar código-fonte]

O nome de Fuchs foi imortalizado na planta Fuchsia, descoberta em Santo Domingo, nas Caraíbas em 1696/97 pelo francês Charles Plumier, que publicou a primeira descrição da Fuchsia triphylla, flore coccineo" em 1703. A cor fúcsia também lhe deve o seu nome.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Leonhart Fuchs