Luís Filipe Rocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luís Filipe Rocha
Nome completo Luís Filipe da Silva Rocha
Nascimento 16 de novembro de 1947 (69 anos)
Lisboa,  Portugal
Nacionalidade  Portugal
Ocupação Cineasta
Outros prémios
Prémio Arco-íris (2007)

Prémio Autores de 2014
Prémio Autores de 2017
Prémio Sophia (2017)

IMDb: (inglês)

Luís Filipe da Silva Rocha (Lisboa, 16 de Novembro de 1947) é um cineasta português, na linha do Novo Cinema, que explora as técnicas do cinema directo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudante do Colégio Militar entre 1958 e 1964, ingressou em seguida na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde completou a sua licenciatura (1971). Membro do Cénico de Direito, foi ator, assistente de direcção, dramaturgo, tradutor e produtor de peças de teatro.

Em 1972, em alternativa ao cumprimento do serviço militar, ofereceu-se para conservador dos registos para o Ultramar e acabou nomeado juiz, em substituição legal, na Ilha de Moçambique, por decisão do então Presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Valadas Preto. Após vários conflitos com os poderes político e militar, em maio de 1973 abandonou compulsivamente essa atividade e regressou à metrópole[1]. Logo a seguir exilou-se no Brasil, trabalhando no teatro com Izaías Almada.

Regressado a Portugal em 1974, inicia a sua atividade cinematográfica como assistente de realização e documentarista. O seu primeiro filme foi Barronhos - Quem Teve Medo do Poder Popular? (1976).

Em 2003 o seu filme A Passagem da Noite, protagonizado por Leonor Seixas, conquistou o Prémio de Melhor Filme e Argumento no Festival de Olympia (Pírgos, Grécia). A Outra Margem (2006) um filme também muito aclamado pela sociedade em geral. O Cinzento e Negro (2015) é o seu último filme.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Prémios[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]