Manuel Rui

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manuel Rui
Nome completo Manuel Rui Alves Monteiro
Nascimento 4 de novembro de 1941 (78 anos)
Huambo
Nacionalidade angolana
Ocupação Escritor
Magnum opus Sim Camarada!
Quem me dera ser Onda
Meninos de Huambo

Manuel Rui Alves Monteiro (Huambo, 4 de novembro de 1941 - ), mais conhecido por Manuel Rui, é um escritor angolano, autor de poesia, contos, romances e obras para o teatro.

Muitos dos seus trabalhos contêm ironia, comédia e humor sobre o que ocorreu após a independência de Angola.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Manuel Rui frequentou a Universidade de Coimbra, em Portugal e licenciou-se em Direito no ano de 1969. Praticou direito em Coimbra e Viseu durante a guerra pela independência em Angola.[1].

Enquanto estudante viveu na instituição Kimbo dos Sobas, onde só viviam angolanos. Nesta época conheceu Ruy Mingas (músico, antigo ministro dos Desportos em Angola e ex-embaixador de Angola em Portugal) e reencontrou a professora e escritora Gabriela Antunes[2].

Em Coimbra, foi membro da redacção da revista Vértice, da direcção da Centelha Editora, onde publicou A Onda, em 1973,[3] e colaborador do Centro de Estudos Literários da Associação Académica.[1]

Após a revolução de 25 de Abril de 1974, regressou a Angola, primeiramente para assumir como reitor da recém criada Universidade de Nova Lisboa (atual Universidade José Eduardo dos Santos).[4][5]

No pós-independência tornou-se Ministro da Informação do MPLA no governo de transição estabelecido pelo Acordo do Alvor.[6] Foi também o primeiro representante de, Angola na Organização da Unidade Africana e nas Nações Unidas. Foi ainda Director do Departamento de Orientação Revolucionária e do Departamento dos Assuntos Estrangeiros do MPLA.

Manuel Rui foi membro fundador da União dos Artistas e Compositores Angolanos, da União dos Escritores Angolanos e da Sociedade de Autores Angolanos.

É autor da letra do Hino Nacional de Angola, de outros hinos como o «Hino da Alfabetização» e o «Hino da Agricultura», e da versão angolana da Internacional.[1]

No plano académico, Manuel Rui foi director da Faculdade de Letras do Lubango (atual Universidade Mandume ya Ndemufayo) e do Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla.[7]

Obras [nota 1][editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Manuel Rui (1967). Poesia Sem Notícias. Porto: [s.n.] 
  • Manuel Rui (1973). A Onda. Coimbra: Centelha 
  • Manuel Rui (1976). 11 Poemas em Novembro: Ano Um. Primeiro livro de poesia publicado em Angola após a independência. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1977). 11 Poemas em Novembro: Ano Dois. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1978). 11 Poemas em Novembro: Ano Três. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1978). Agricultura. Luanda: Instituto Angolano do Livro 
  • Manuel Rui (1979). 11 Poemas em Novembro: Ano Quatro. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1980). 11 Poemas em Novembro: Ano Cinco. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1981). 11 Poemas em Novembro: Ano Seis. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1984). 11 Poemas em Novembro: Ano Sete. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1981). Assalto. Literatura infantil - Desenhos de Henrique Arede. Luanda: Instituto Nacional do Livro e do Disco 
  • Manuel Rui (2006). Edição bilingue português-umbundu [11][12]. Luanda: Nzila  ref stripmarker character in |notas= at position 61 (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (2009 [13][14]). Luanda: UEA  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Prosa[editar | editar código-fonte]

  • Manuel Rui (1973). Regresso Adiado Lisboa. Inclui os contos: Mulato de Sangue Azul, O Aquário, Com ou Sem Pensão, Em Tempo de Guerra não se Limpam Armas e O Churrasco. [S.l.: s.n.]  [15][16][17]
  • Manuel Rui (1977). Sim Camarada!. Primeiro livro de ficção angolana publicado após a independência. Luanda: UEA 
Integra os contos O Conselho, O Relógio, O Último Bordel, Duas Rainhas e Cinco Dias depois da Independência
  • Manuel Rui (1977). A Caixa. Primeiro livro angolano de literatura infantil. Luanda: Conselho Nacional de Cultura 
  • Manuel Rui (1979). Cinco Dias depois da Independência. Publicado originalmente no livro Sim Camarada!, foi editado separadamente, em formato de bolso, na colecção 2K da União dos Escritores Angolanos. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1980). Memória de Mar. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (1982 [18][19]). Lisboa: Edições Cotovia  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (1989 [20]). Luanda: UEA  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (1993). Um Morto & Os Vivos. Adaptado para a série O Comba da Televisão Pública de Angola. Lisboa: Edições Cotovia 
  • Manuel Rui (1997 [21]). Lisboa: Edições Cotovia  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (1998). Da Palma da Mão. Lisboa: Cotovia 
  • Manuel Rui (2001). Saxofone e Metáfora: Estórias. Lisboa: Cotovia. ISBN 972-795-012-4 
  • Manuel Rui (2002 [22]). Luanda: Nzila  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (2002 [23]). Luanda: Instituto Nacional das Indústrias Culturais  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (2002 [24]). Luanda: Nzila  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (2003). Conchas e Búzios. Literatura infantil - Ilustrado por Malangatana. Luanda: Nzila 
  • Manuel Rui (2005). O Manequim e o Piano. Luanda: UEA 
  • Manuel Rui (2006). Estórias de Conversa. Reúne os contos: O Menino da Cachoeira, Curto Relato de um Feiticeiro, Desculpe, Tia!, O Telefone Celular e Isidoro e o Cabrito. Luanda: Nzila 
  • Manuel Rui (2007 [25][26]). Luanda: Nzila  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  • Manuel Rui (2009 [14]). Janela de Sónia. Luanda: UEA  ref stripmarker character in |ano= at position 6 (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda)

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Manuel Rui (1973). O Espantalho. Obra inspirada na tradição oral e representado por trabalhadores da construção civil da cidade do Lubango. [S.l.: s.n.] 
  • Manuel Rui (1985). Meninos de Huambo. [S.l.: s.n.] 

Uma citação[editar | editar código-fonte]

O que é preciso é que as contradições se agudizem e a aliança operário-camponesa tome de assalto este Palácio o mais depressa possível para o salto qualitativo.

Chiça! Com salto e tudo? O camarada almoçou dicionário e se não é doutor herdou biblioteca. Vamos com calma!

E o outro escapava-se no meio da multidão.

 
«O Conselho» in Sim Camarada!.

Notas

  1. Para as obras publicadas foram utilizadas, para além das referenciadas expressamente quando é caso disso, as seguintes fontes:.[1][3][8][9][10] Foram consideradas, sempre que encontrada informação, as primeiras edições angolanas.

Referências

  1. a b c d «Biografias - Manuel Rui Alves Monteiro». UEA. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  2. «Fazer nascer uma nação | BUALA». www.buala.org. Consultado em 29 de maio de 2018 
  3. a b «Manuel Rui». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  4. “Quem me dera ser onda” - Manuel Rui Alves Monteiro. Tati. Vertentes Deslizando nas Vertentes da Língua Portuguesa. 9 de Junho 2009.
  5. Sousa, Marília Teixeira de. Estudos Gerais Universitários de Angola - 50 Anos - História e Memórias. Lisboa: Colibri, 2014
  6. Phillis Reisman Butler (1991). Manuel Rui's Sim Camarada!: Interpolation and the Transformation of Narrative Discourse. 14, n.º 2. [S.l.]: Phillis Reisman Butler Callaloo. p. 307-312 
  7. Flávio, Edson. Conhas e Búzios. Projetos multidisciplinares de língua portuguesa e literatura. 2018.
  8. «Manuel Rui». Câmara Municipal da Póvoa do Varzim. Consultado em 1 de outubro de 2011 [ligação inativa]
  9. Manuel Rui. «Catálogo». Memória de África. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  10. «Manuel Rui». Beto Gomes. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  11. Nexus. 1 de novembro de 2007 http://www.nexus.ao/view.cfm?m_id=23973&cat_02=CULTURA  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  12. Carmem Lucia Tindó Secco. «História e Imaginação, Erotismo e Afetos: Algumas Reflexões sobre a Poesia Angolana Pós-1990» (PDF). Consultado em 1 de outubro de 2011 
  13. Manuel Rui. http://www.ciberduvidas.com/idioma.php?rid=2185  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  14. a b «Manuel Rui Monteiro lança dois livros Em Destaque». UEA. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  15. «Análise de Regresso Adiado» (PDF). Consultado em 1 de outubro de 2011 
  16. «Como Explicar àquele Colono um Regresso Adiado?» (PDF). Consultado em 1 de outubro de 2011 
  17. Maria Teresa Salgado Guimarães da silva. «Uma Grande Dolorosa Comédia» (PDF). Consultado em 1 de outubro de 2011 
  18. Infopédia http://www.infopedia.pt/$quem-me-dera-ser-onda  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  19. Maria Cristina Pacheco. «Imagens de Luanda na Literatura Angolana» (PDF). Consultado em 1 de outubro de 2011 
  20. Tereza Salgado. «Crônica de um Mujimbo: Fazendo das Fraquezas Forças» (PDF). Consultado em 1 de outubro de 2011 
  21. Maria de Lourdes de Melo Pinto. «A Linguagem Secreta de Rio Seco, de Manuel Rui: Perspectivas do Entre Lugar Angolano» (PDF). Consultado em 1 de outubro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 
  22. Cibele Verrangia Correa da Silva. «Uma anel na areia: fantasias de amor». Trabalho apresentado na Universidade Estadual Paulista, campus de Assis. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  23. «Obra literária Nos brilhos já no mercado». Nexus. 5 de outubro de 2002. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  24. «É lançada hoje a "Maninha" de Manuel Rui». Nexus. 8 de fevereiro de 2003. Consultado em 1 de outubro de 2011 
  25. Luiz Maria Veiga (Maio de 2008). (PDF) http://www.fflch.usp.br/dlcv/revistas/crioula/edicao/03/Resenhas%20-%20A%20casa%20do%20rio.%20Manuel%20Rui.pdf  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  26. «A Casa do Rio». Juventude de Angola. Consultado em 1 de outubro de 2011 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.