Maria Lúcia Alexandrino dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outro nome, veja Maria Lúcia.
Maria Lúcia Alexandrino dos Santos
Nome completo Maria Lúcia Alexandrino dos Santos
Nascimento 9 de maio de 1948 (69 anos)
Lins São Paulo
Nacionalidade brasileira
Cônjuge Oscar Klabin Segall
Ocupação Modelo e historiadora

Maria Lúcia Alexandrino dos Santos, posteriormente Maria Lúcia Alexandrino Segall, (Lins, 9 de maio de 1948) é uma ex-modelo, ex-miss e historiadora brasileira. Ficou famosa por ter obtido o segundo lugar no concurso Miss Brasil 1969, o ano em que a atriz Vera Fischer consagrou-se como beleza máxima do País. Foi eleita Miss São Paulo no mesmo ano pela cidade de Lins, onde é nascida e residia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Conceição Alexandrino Santos, Maria Lúcia nasceu no interior do Estado de São Paulo, no município de Lins. Foi namorada do escritor Mário Prata quando encenou a novela Estúpido Cupido.[1] Casou-se com o empresário Oscar Klabin Segall (05-02-1930 - 06-07-2002),[2] filho do famoso pintor Lasar Segall (1891-1957) e da escritora e tradutora Jenny Klabin. Oscar Klabin Segall[3] chegou a ser vereador na cidade de São Paulo[4] e presidente da Caixa Econômica Estadual.[5][6][7][8] Em 1967, ele e seu irmão, o economista Maurício Klabin Segall, fundaram o Museu Lasar Segall.[9][10]

Formou-se em História pela Faculdade Auxilium de Filosofia, Ciências e Letras, de Lins. Durante a década de 70, especializou-se em História da Arte, participando de cursos, palestras e congressos no Brasil, nos Estados Unidos e na Europa. Nos anos 80, dedicou-se a atividades didáticas lecionando História da Arte no Colégio Lourenço Castanho, em São Paulo.

Em 1984, iniciou o curso de Mestrado na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) na área de Artes, sendo orientada por Yolanda Lhullier dos Santos.[11] Sua dissertação de Mestrado, "O Museu Lasar Segall na Década de 70: da Contemplação Estética à Casa de Cultura e Resistência", resultou na publicação do livro "O Museu Lasar Segall na Década de 70".[12]

Chegou a integrar o a governança do Museu de Arte de São Paulo (Masp), fazendo parte do Conselho Deliberativo em 2014.[13]

Miss Beleza Internacional[editar | editar código-fonte]

Com o segundo lugar obtido no nacional realizado no Maracanãzinho, Rio de Janeiro, a paulista conseguiu representar o Brasil no prestigiado Miss Beleza Internacional, em Tóquio, Japão. Não venceu, mas foi uma das quinze semifinalistas.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • O Museu Lasar Segall na Década de 70: da contemplação estética à Casa de Cultura e Resistência (1991).

Referências

  1. Mário Prata (20 de Dezembro de 1995). «Crônicas - Vera». O Estado de S. Paulo. Consultado em 8 de Junho de 2012 
  2. «Família Segall». Ponteiro. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  3. Roberto Grun. «IDENTIDADE E REPRESENTAÇÃO: Os judeus na esfera política e a imagem na comunidade». ANPOCS - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  4. «Educação Judaica no Brasil. Lafer-Klabin de Poselvja: Empreendedores e Intelectuais Brasileiros» (PDF). Arquivo Histórico Judaico Brasileiro. Outubro de 2011. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  5. «Oscar Klabin Segall - Posse na Caixa Econômica Estadual». Banco de Conteúdos Culturais - TV Tupi. 3 de janeiro de 1968. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  6. «Oscar Klabin Segall anuncia novo plano habitacional da Caixa Econômica». Banco de Conteúdos Culturais - TV Tupi. 15 de janeiro de 1968. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  7. «Oscar Klabin Segall». Banco de Conteúdos Culturais - TV Tupi. 21 de maio de 1968. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  8. «O silêncio desce sobre Cacilda». Folha de S. Paulo. 15 de julho de 1969. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  9. «Maurício Segall». Boitempo Editorial. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  10. «Família Segall doa 110 obras do artista para museu». Portal Brasil. 28 de novembro de 2013. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  11. «Ex-alunos Formados da Pós-graduação». Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  12. «O museu Lasar Segall na década de 70 - Maria Lúcia Alexandrino Segall». EdUSP. 1991. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  13. «Heitor Martins assume a presidência do Masp». O Globo. 17 de setembro de 2014. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) modelo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Maria da Glória Carvalho
(Miss Internacional)
Miss Brasil Internacional
1969
Sucedido por
Maria Bernadete Heemann