Saltar para o conteúdo

Marketing digital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Marketing de Internet)

Marketing digital são ações de comunicação que as empresas podem utilizar por meio da internet, da telefonia celular e outros meios digitais, para assim divulgar e comercializar seus produtos ou serviços, conquistando novos clientes e melhorando a sua rede de relacionamentos. O marketing engloba a prática de promover produtos ou serviços pela utilização de canais de distribuição eletrônicos, para então chegar aos consumidores rapidamente de forma relevante, personalizada e com mais eficiência.[1]

Esse tipo de marketing traduz-se em ações adaptadas aos meios digitais, de forma a obter, nestes canais, a mesma eficiência e eficácia do marketing direto e, simultaneamente, potencializar os efeitos do marketing tradicional. Na sua operacionalização são, normalmente, utilizados canais, meios e ferramentas digitais.

Segundo Martha Carrer Cruz Gabriel, o termo "marketing digital" não existe. O que determinará o trajeto do marketing em si são as estratégias de uso de plataformas digitais ou tradicionais, sendo que a escolha por uma é definida no modo como as pessoas as utilizam.[2]

No livro Marketing 4.0: Do Tradicional ao Digital, Philip Kotler explica que o Marketing Digital é apenas uma evolução do tradicional, onde as estratégias são online e, dessa forma, há uma mudança significativa na forma de entreter e converter o público em clientes.

Toda a construção de um plano de ação se inicia com uma visão, e, junto a ela, um objetivo a ser alcançado. A partir deste traço são definidos os meios a serem utilizados, para enfim atingir os resultados. O tratamento singular a cada cliente é o segredo para que a escolha de um plano de ação seja de fato apropriada, somente o conhecer de um cliente ou projeto em questão fará com que os esforços de mídia potencializem o trabalho de marketing, o tornando assim digital.[1]

Áreas e ferramentas[editar | editar código-fonte]

Existem centenas de ferramentas desse nicho, no entanto, nem todas são adequadas às diversas empresas e sectores. A chave para o sucesso é a combinação do marketing tradicional com as novas ferramentas online, para desenvolver uma plano de e-marketing que se ajuste às necessidades e características de cada empresa.[2]

Search Engine Marketing[editar | editar código-fonte]

Search Engine Marketing (SEM), permite tirar partido dos links pagos nos motores de pesquisa, esta técnica refere-se a criar o máximo de links patrocinados nos principais motores de busca (como Google ou Yahoo!). Comprar palavras-chave relacionadas com a actividade, com direito a um espaço muito limitado para definir um texto, com o qual se pretende atrair a atenção dos internautas para um link para o site, este meio tem custos mas pode dar muito retorno.

É importante considerar que as raízes do marketing digital são muito semelhantes ás do “Direct Mail Marketing”(Marketing Postal Direto) onde anúncios para diversos produtos eram colocados em jornais e revistas com o objetivo de vender esses mesmo produtos à distancia por encomenda direta. A imprensa tradicional perdeu muito interesse com o facto de que as campanhas digitais podem ser analisadas detalhadamente em termos de eficácia, o que é impossível com anúncios em jornais e revistas.[3]

E-GRPs[editar | editar código-fonte]

Gross Rating Points (GRP) é a soma das classificações alcançadas por um canal de comunicação específico ou horário. Representa a percentagem do público-alvo alcançado por um anúncio. O GRP é uma medida do impacto de uma campanha, é igual ao produto da taxa de cobertura (Reach) pela taxa média de repetição (OTS – Opportunity To See), sendo: a cobertura (Reach) o número ou percentagem (neste caso % é taxa) de indivíduos da audiência alvo que estiveram expostos à “mensagem” pelo menos uma vez durante a campanha; e a taxa de repetição ou OTS o numero de vezes que, em média, o potencial consumidor esteve exposto à “mensagem” da campanha. No entanto o GPRs na internet ainda não pode ser comparado ao dos mass media como a televisão (TV), pelo facto do número de pessoas com acesso à internet ser inferior à das pessoas que veem TV e pelo próprio conceito de GPRs, que tem que ser adaptado para ser eficaz no Digital media de modo a ser devidamente medido em campanhas de b-Marketing (blended marketing).

O GPRs electrónico (e-GPRs) ou iGRPs (“i” de interactivo), consiste em estimar o número de utilizadores únicos[4][5] (diferente de visitas: número de visitantes que acede a um website num determinado período de tempo, a partir de uma morada IP única; se um utilizador visitar o mesmo site duas vezes no mesmo período, apenas é considerado um visitante) que serão alcançados através de qualquer canal online e correlacioná-lo com o número de impressões. O que cria uma relação (e-GPRs) que pode ser comparada com o GPRs tradicional, o que vai permitir que o Return on investment (ROI) da campanha de b-Marketing possa ser optimizado.

Marketing de Busca[editar | editar código-fonte]

Com o advento do Google, o mercado de mídia mudou definitivamente. O usuário, ao realizar uma busca, tornou-se poderoso quanto à publicidade que quer visualizar, pois ele decide em qual resultado da busca irá clicar, ou seja, no resultado mais relevante para ele.

O marketing de busca são estratégias para posicionar o(s) site(s) de sua empresa nas primeiras colocações do Google. Há duas maneiras para colocar sua empresa no Google: Através dos Links Patrocinados (AdWords) e da Otimização de Sites (SEO - Search engine optimization). A primeira são técnicas para criar os anúncios pagos do Google e a segunda são técnicas para organizar o conteúdo e estrutura do site de modo que o site seja encontrado de maneira natural pelo cliente/usuário. Por ser um processo natural, não gera custos para os donos das páginas, diferentemente dos links patrocinados. A busca orgânica apresenta resultados que são obtidos pela análise dos sites em função de sua relevância e da palavra-chave[6].


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Agência de marketing digital». WP/N 
  2. Vasco Marques. «Marketing Digital & MIX 4P». VirtualMente 
  3. Mercurio33. «O que é Marketing Digital». Mercurio 33 
  4. «Utilizadores únicos». Maktest 
  5. «VISITAS OU PAGEVIEWS? UTILIZADORES ÚNICOS!». Meios & Publicidade 
  6. «O que é Marketing de Busca e como fazer?». Cloud Market. Consultado em 25 de agosto de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ANDERSON, Chris. A Cauda Longa (Long Tail): do marketing de massa para o marketing de nichos.
  • BATTELLE, John. A Busca: Como o Google e Seus Competidores Reinventaram os Negócios e Estão Transformando Nossas Vidas
  • MONTEIRO, Ricado Vaz: Google Adwords - a Arte da Guerra: Guia para gestão de AdWords.
  • Le Marketing Interactif,1996 isbn 2-7081-1912-5 Jean- Marc Lehu.
  • Interactive Marketing: New Chanel, New Chaleng Harvard business School Press ISBN-10:1-4221-0264-5.