Metaverso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Encontro de usuários no Second Life.

Metaverso é a terminologia utilizada para indicar um tipo de mundo virtual que tenta replicar a realidade através de dispositivos digitais. É um espaço coletivo e virtual compartilhado, constituído pela soma de "realidade virtual", "realidade aumentada" e "Internet".[1]

Este termo foi cunhado pela primeira vez na obra "Nevasca", de Neal Stephenson, lançada em 1992.

Exemplos mais recentes são os jogos VRChat, Second Life, Roblox, Fortnite e Grand Theft Auto V. O Facebook, atual Meta, anunciou a intenção de adotar o metaverso em sua plataforma.[2][3][4]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

VRChat é uma plataforma online de mundos virtuais, criado pela VRChat, Inc em 2014. O jogo permite interação direta entre os usuários através de voz e gestos. Sendo uma plataforma de realidade virtual, nela é possível maior imersão com o uso de Oculus de realidade virtual e possibilitando a criação de seu próprio mundo ou avatar, dando a liberdade de criar avatares semelhantes ao jogador na vida real, ou destoando da realidade, podendo criar personagens fictícios, monstros, dentre outros, como também criar mundos que simulem um ambiente real, como um bairro ou escritório. A interação social entre pessoas reais dentro do Metaverso é o que move o jogo e chama a atenção de mais publico conforme a tecnologia de realidade virtual cresce a cada ano.

Second Life é um jogo de 2003 criado pela Linden Lab. O propósito do Second Life era de criar uma realidade paralela onde usuários poderiam jogar, socializar, trabalhar, comprar e vender propriedades, entre outras atividades. Houve muito interesse nos primeiros anos do jogo, com cobertura jornalística do Estadão no jogo, exposições do Itaú Cultural e apresentação de bandas.[2]

Roblox, jogo criado em 2006, está se tornando um metaverso, com diversos jogos criados por outros desenvolvedores, dando a oportunidade dos usuários do Roblox de jogarem diversas coisas.[5]

Fortnite expandiu seu jogo, mais conhecido pelas suas partidas de jogos battle royale para permitir que seus jogadores assistissem curtas animados e apresentações musicais.[6]

Acreditando que o metaverso é o futuro da internet e tecnologia, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, mudou em 2021 o nome de sua empresa para Meta Platforms Inc[7]., ou Meta. Ele diz que a empresa irá abranger tudo o que eles acreditam, focando na construção do metaverso.

Críticas e preocupações[editar | editar código-fonte]

A privacidade das informações no metaverso é uma área de preocupação porque as empresas envolvidas provavelmente coletarão informações pessoais dos usuários por meio de dispositivos vestíveis e interações com os usuários.[8] O Facebook está planejando persistir em publicidade direcionada dentro do metaverso, levantando mais preocupações relacionadas à disseminação de desinformação e perda de privacidade pessoal.[9]

O vício do usuário e o uso problemático das mídias sociais são outra preocupação para o desenvolvimento do metaverso. O transtorno do vício em Internet , mídia social e vício em videogame podem ter repercussões mentais e físicas por um período prolongado de tempo, como depressão, ansiedade e obesidade.[10] Os especialistas também estão preocupados que o metaverso possa ser usado como uma 'fuga' da realidade de uma forma semelhante às tecnologias existentes da Internet.[8][11]

O metaverso pode ampliar os impactos sociais das câmaras de eco online e dos espaços alienantes digitalmente.[12][13] Uma vez que os desenvolvimentos do metaverso podem ser feitos para adaptar os mundos virtuais algoritmicamente com base nas crenças de cada pessoa, o metaverso pode distorcer ainda mais as percepções dos usuários sobre a realidade com conteúdo tendencioso para manter ou aumentar o envolvimento.[13][14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The fairyland of Second Life: Virtual social worlds and how to use them» (em inglês). 2009. Consultado em 19 de junho de 2022 
  2. a b Ghedin, Rodrigo (19 de agosto de 2021). «O metaverso original – Manual do Usuário». manualdousuario.net. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  3. «Facebook trabalha na construção do 'metaverso', o 'Santo Graal' de Zuckerberg». ISTOÉ DINHEIRO. 27 de julho de 2021. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  4. Newton, Casey (22 de julho de 2021). «Mark Zuckerberg is betting Facebook's future on the metaverse». The Verge (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2021 
  5. Cross, Tristan. «Roblox wants to build the Metaverse. Can it?». Wired UK (em inglês). Wired. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  6. Gogoni, Ronaldo (10 de agosto de 2021). «Fortnite, Ariana Grande e a construção de um Metaverso». Meio Bit. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  7. «Metaverso: o que é essa realidade que o Facebook aposta?». 29 de outubro de 2021. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  8. a b «All One Needs to Know about Metaverse: A Complete Survey on Technological Singularity, Virtual Ecosystem, and Research Agenda» (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  9. «EXPLAINER: What is the metaverse and how will it work?"». ABC News (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  10. «Virtual Reality Gaming Addiction» (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  11. «Information Dynamics in Virtual Worlds» (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  12. «Mark Zuckerberg is betting Facebook's future on the metaverse». The Verge (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  13. a b «I Want My Daughter to Live in a Better Metaverse». Wired (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  14. «A Problem of Amplification: Folklore and Fake News in the Age of Social Media». Journal of American Folklore (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021