Milton Dacosta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2019).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde fevereiro de 2013). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Milton Dacosta
Nascimento 19 de outubro de 1915
Niterói
Morte 4 de setembro de 1988 (72 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Cônjuge Maria Leontina da Costa
Ocupação pintor, ilustrador
Exposição de Milton Dacosta na Galeria da Praça, em Ipanema, Rio de Janeiro, em 1973.

Milton Rodrigues da Costa, mais conhecido como Milton Dacosta, (Niterói, 19 de outubro de 1915Rio de Janeiro, 4 de setembro de 1988) foi um pintor, desenhista, gravador e ilustrador brasileiro. Foi casado durante 37 anos com a pintora Maria Leontina e é pai do também artista plástico Alexandre Dacosta.

Inicialmente Dacosta pintou composições figurativas e paisagens. Em 1941, começou a fazer figuras humanas geometrizadas, tendo como referência o Cubismo. Em 1946, vai para Lisboa, e conhece Almada Negreiros (1893—1970) e António Pedro (1909—1966). Após visita a vários países da Europa, fixa-se em Paris, onde estuda na Académie de la Grande Chaumière. Conhece Pablo Picasso (1881—1973), por intermédio de Cícero Dias (1907—2003), e freqüenta os ateliês de Georges Braque (1882—1963) e Georges Rouault (1871—1958). Expõe no Salon d'Automne e regressa ao Brasil em 1947. Em 1949, casa-se com a pintora Maria Leontina da Costa (1917—1984) e passa a residir em São Paulo. Na década de 1950 aderiu ao Abstracionismo Geométrico, e sua pintura é marcada por influências concretas e neo-concretas.

Em 1931, ao lado de Bustamante Sá, Ado Malagoli, João José Rescála, José Pancetti, Joaquim Tenreiro entre outros, participou da fundação do Núcleo Bernardelli, coordenado por Edson Motta.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências