António Pedro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
António Pedro
Nome completo António Pedro da Costa
Nascimento 9 de dezembro de 1909
Cidade da Praia
Morte 17 de agosto de 1966 (56 anos)
Moledo do Minho
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Encenador, escritor e artista plástico
Magnum opus Proto-Poema da Serra d'Arga
Movimento estético Surrealismo

António Pedro da Costa (Cidade da Praia, 9 de Dezembro de 1909Caminha, Moledo, 17 de Agosto de 1966) foi um actor, encenador, escritor, poeta, jornalista, pintor, artista plástico, antiquário, coleccionador de arte, etc, português[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

A Ilha do Cão, 1941, óleo sobre tela, 150 x 180 cm

Filho de José Maria da Costa (Lisboa, 27 de Setembro de 1880 - 30 de Março de 1961), armador, grande proprietário e comerciante na cidade da Praia, Cabo Verde, e de sua mulher Isabel Savage de Paula Rosa (Lisboa, Santos-o-Velho, 1 de Abril de 1883 - Cidade da Praia, c. 18 de Outubro de 1929), filha de mãe inglesa. Primo-irmão da mãe de António Sousa Lara.

Mudou-se aos 4 anos para Portugal. Frequentou o Liceu Pedro Nunes em Lisboa até ao 2.º ano, mudando-se depois para o Instituto Nuno Álvares, da Companhia de Jesus, em A Guarda - Galiza, onde foi membro do grupo de teatro tendo participado em várias dezenas de peças. O 6.º ano acabou-o em Santarém e o 7.º ano em letras no Liceal de Coimbra, onde dirigiu o jornal O Bicho. Ingressou na Universidade de Lisboa, tendo frequentado a Faculdade de Direito[1] e a Faculdade de Letras, não concluindo nenhum dos cursos. Viveu em Paris entre 1934 e 1935 onde chegou a estudar no Instituto de Arte e Arqueologia da Universidade de Sorbonne e onde assinou o Manifeste Dimensioniste.

Casou com Maria Manuela Possante, de quem não teve descendência.

Em 1933 cria a galeria UP (1933-1936), onde apresenta a primeira exposição de Maria Helena Vieira da Silva em Portugal (1935).

O surrealismo surge nos horizontes culturais portugueses a partir de 1936 em grande parte pela sua mão, em experiências literárias «automáticas» que realiza com alguns amigos [2]. Em 1940 realiza, com António Dacosta e Pamela Boden (Casa Repe, Lisboa) aquela que é considerada a primeira exposição surrealista em Portugal: " A exposição reunia dezasseis pinturas de Pedro, dez de Dacosta e seis esculturas abstratas de Pamela Boden [...]. O surrealismo de que se falara até então vagamente, desde 1924, [...] irrompia nesta exposição, abrindo a pintura nacional para outros horizontes que ali polemicamente se definiam" [3].

Em 1941 António Pedro visitou o Brasil. Esteve no Rio de Janeiro e em São Paulo, tendo exposto seus quadros em concorridas mostras em ambas as cidades. Permaneceu no país uns quatro ou cinco meses, o bastante para formar um largo círculo de amizades entre a nata da intelectualidade brasileira. E partiu para sua terra natal deixando um rastro de amizades e sinceros admiradores.[4] Está representado em diversos museus nacionais e estrangeiros.

Dirigiu e editou a revista Variante, de que saíram dois números (1942; 1943) [5] e colaborou no semanário Mundo Literário [6] (1946-1948).

Entre 1944 e 1945 vive e trabalha em Londres na British Broadcasting Corporation (B.B.C.), tendo feito parte do grupo surrealista de Londres.

Precursor do movimento surrealista português, fez parte do Grupo Surrealista de Lisboa, criado em 1947 por Cândido Costa Pinto (expulso ainda na fase inicial de formação do grupo), Marcelino Vespeira, Fernando Azevedo e Mário Cesarini, entre outros, tendo participado na I Exposição Surrealista em Lisboa (1949).

Com uma forte ligação ao teatro, foi diretor do Teatro Apolo (Lisboa) em 1949 e fundador, diretor, figurinista e encenador do Teatro Experimental do Porto, que introduziu em Portugal, entre 1953 e 1961. Entre 1944 e 1945, foi crítico de arte e cronista da BBC[1] em Londres.

Viveu os últimos anos em Moledo, uma praia junto a Caminha.

Grande parte da sua obra como pintor perdeu-se em 1944 aquando dum incêndio no seu atelier onde ficara a viver o seu amigo António Dacosta.

Obra poética[editar | editar código-fonte]

  • 1926 - Os meus 7 pecados Capitais, Coimbra.
  • 1927 - Ledo Encanto, Lisboa, J. Rodrigues & Cª.
  • 1928 - Distância Canções de António Pedro, Lisboa, Gomes & Rodrigues, Lda.
  • 1928 - Devagar, Lisboa, Edição de autor
  • 1929 - Diário. Espécie de Confidências, Praia, Imprensa Nacional de Cabo Verde.
  • 1931 - Máquina ne Vidro. Canções, Lisboa, Bertrand
  • 1932 - A Cidade, Oficinas gráficas UP, Separata da "Página Literária" de Revolução, 16 de Junho.
  • 1935 - 15 Poèmes au hasard, Paris, Édition UP.
  • 1936 - Primeiro Volume. Canções e outros poemas / 1927 - 1935, Lisboa, Edições Revelação.
  • 1938 - Onze poemas líricos de exaltação e o folhetim.
  • 1938 - Casa de campo, Lisboa, Edição do autor.
  • 1949 - Protopoema da Serra d'Arga, Ed. Cadernos Surrealistas, Lisboa
  • 1951 - Invocação para um poema marítimo, Unicórnio, Lisboa, Maio

Outras obras escritas[editar | editar código-fonte]

  • 1931 - Esboço para uma revisão de valores, Lisboa, Gráficas U.P.
  • 1939 - Grandeza e virtudes da Arte Moderna, resposta à agressão do sr. Ressano Garcia, Lisboa, Sociedade Industrial de Tipografia.
  • 1942 - Apenas uma narrativa, Lisboa, Editorial Minerva.
  • 1948 - Introdução a uma história da arte: génese e características do fenómeno estético, Lisboa, Revista Horizonte.
  • 1950 - O Teatro e a sua verdade, Lisboa, Editora Confluência.
  • 1952 - Martírios de fingimento, Lisboa, Maranus.
  • 1962 - Pequeno tratado de encenação, Porto, Editoral Confluência.
  • 1981 - Teatro, Introdução por Luiz Francisco Rebello, Lisboa, Biblioteca Nacional.

Obras plásticas[editar | editar código-fonte]

  • 1934 - Le Crachat Embelli.
  • 1935 - Poema no espaço (objecto); Aparelho metafísico de meditação (objecto); Transmissão.
  • 1936 - Dança de roda (sabat).
  • 1939 - O Anjo da guarda; O Avejão lírico; Transmissão.
  • 1940 - Ilha do cão; Intervenção romântica; Madrugada (cena com um enforcado).
  • 1941 - Nós dois no Brasil
  • 1943 - Tríptico solto de Moledo.
  • 1944 - A Fantastic Figure and Animal in a Interior.
  • 1946 - Rapto na paisagem povoada.
  • 1948 - O Amanhecer das virgens.
  • 1952 - Duas esculturas de bronze (sem título).
  • 1955 - Três esculturas de cerâmica (sem título).

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Lista de pintores de Portugal

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Luís Miguel Queirós (22 de setembro de 2010). «António Pedro Um experimentador compulsivo». Consultado em 21 de outubro de 2010 
  2. A.A.V.V. – Os anos 40 na arte portuguesa, tomo 1. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 88.
  3. França, José AugustoA Arte em Portugal no Século XX: 1911-1961 [1974]. Lisboa: Bertrand Editora, 1991, p. 336.
  4. Paulo Mendes de Almeida, De Anita ao Museu, p. 168
  5. A.A.V.V. – Os Anos Quartenta na Arte Portuguesa (tomo 1). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 144
  6. Helena Roldão (27 de janeiro de 2014). «Ficha histórica: Mundo literário : semanário de crítica e informação literária, científica e artística (1946-1948).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 03 de Novembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)