Apascentar de Louvor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ministério Apascentar de Louvor
Banda durante apresentação em 2004, Luiz Arcanjo ao centro.
Informação geral
Origem Nova Iguaçu, Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Música cristã contemporânea, pop rock, power pop, canto congregacional
Período em atividade 20022009
20112012
2014–atualmente
Gravadora(s) Independente (2002–2006)
Toque no Altar Music (2006–2012)
MK Music (2015–atualmente)
Afiliação(ões) Joe Vasconcelos, Jotta A
Página oficial www.apascentardelouvor.com.br
Integrantes Samuel Vinholes (Vocal)
Gilmar Meirelles (Baixo)
Cris Medeiros (Teclado)
Leandro Santos (Guitarra)
Rubinho (Bateria)
Ex-integrantes Luiz Arcanjo (Vocal)
Davi Sacer (Vocal)
Verônica Sacer (Vocal)
David Cerqueira (Vocal)
Rafael Bitencourt (Vocal)
Scooby (Vocal)
Ronald Fonseca (Teclado e piano)
André Mattos (Bateria)
Deco Rodrigues (Baixo)
Isaac Ramos (Guitarra)
Leandro Silva (Teclado)
Alexandre Dias (Vocal)
Vânia Franco (Vocal)
Johny Mafra (Guitarra)
Felipe Alves (Bateria)
Junior Amaral (Teclado)
Luizão Bass (Baixo elétrico)

O Apascentar de Louvor, conhecido anteriormente como Ministério Apascentar de Nova Iguaçu ou Toque no Altar, é um grupo brasileiro de música cristã contemporânea, oriundo da Igreja Evangélica Ministério Apascentar em Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, surgido em janeiro de 2002.

Com quatro formações ao longo de quase quinze anos, a banda tornou-se notória com seus membros originais. A primeira formação, liderada pelo cantor Luiz Arcanjo, reuniu músicos como Davi Sacer, Ronald Fonseca e David Cerqueira. De 2003 a 2007, o grupo lançou discos e músicas notáveis. Os álbuns Toque no Altar (2003), Deus de Promessas (2005) e Olha pra Mim (2006) receberam avaliações favoráveis da crítica e alçaram grande sucesso dentre o público religioso. A banda sofreu uma cisão no final de 2006 após conflitos com Marcus Gregório, pastor do Ministério Apascentar, que decidiu criar uma gravadora com intuitos comerciais, ato considerado inaceitável para parte dos músicos. A partir desta divisão, surgiu a banda Trazendo a Arca.

Em 2007, a banda recebeu novos integrantes, como o cantor e compositor Rafael Bitencourt. Desta formação, destacou-se o álbum É Impossível, mas Deus Pode (2007), especialmente pelas músicas "Deus do Impossível" e "Eu Vou Viver uma Virada". Em 2009, Marcus Gregório se reconciliou com os integrantes do Trazendo a Arca, e a segunda formação se encerrou. Neste ínterim, Rafael seguiu carreira solo, Davi Sacer deixou o Trazendo a Arca e gravou com o Apascentar o álbum Ao Deus das Causas Impossíveis (2011). Após uma tentativa frustrada de estabelecer a terceira formação, o grupo foi reformulado com uma quarta formação a partir de 2014. O primeiro disco com os novos membros foi lançado em fevereiro de 2016, chamado Há Poder no Nome de Jesus e com produção de Ronald Fonseca.

O Apascentar foi recordista de prêmios no Troféu Talento durante a formação original. Foram três anos consecutivos vencendo a categoria mais importante da premiação, Música do ano. Nela, o grupo venceu com "Restitui" (2005), "Deus de Promessas" (2006) e "Olha pra Mim" (2007).

História[editar | editar código-fonte]

2002–2006: Formação liderada por Luiz Arcanjo[editar | editar código-fonte]

No final de 2001, integrantes foram contratados pelo pastor Marcus Gregório para a formação de um grupo musical de tempo integral à instituição religiosa Ministério Apascentar.[1] O conjunto lançou em 2003 o álbum Toque no Altar, que junto com o álbum que seria lançado no mês seguinte renderia dez indicações no maior prêmio da música cristã brasileira daquela época, o Troféu Talento de 2005.[2][3]

Em novembro daquele ano, Marcus Gregório iniciou uma campanha no Ministério Apascentar, e quem participaria ganharia um CD do grupo com duas faixas. Entretanto, com um repertório pronto, lançaram a obra musical Restituição. Este tornou-se o disco mais notório da banda.[4]

Em março de 2005 foi lançado o segundo álbum temático, intitulado Deus de Promessas, formado por faixas inéditas de estúdio e duas canções gravadas ao vivo. O repertório foi escrito por Davi Sacer, Verônica Sacer e Ronald Fonseca, enquanto a produção musical esteve a cargo de Ronald e Davi.[5] No mesmo ano a música "Restitui" foi escolhida como a música do ano no Troféu Talento, e no dia 8 de novembro fizeram a gravação do primeiro DVD no Olympia, em São Paulo, com as músicas dos trabalhos Toque no Altar e Restituição com participações especiais do Raiz Coral. O DVD foi dirigido por Hugo Pessoa.[6]

No início de 2006 ganharam novamente no Troféu Talento com "Deus de Promessas", que foi escolhida como a música do ano[7]. No dia 1 de maio de 2006 foi lançado o último CD de canções inéditas do Toque no Altar, o álbum de estúdio Olha pra Mim.Este disco deu foco aos arranjos de orquestra e se focou na parceria entre Luiz Arcanjo e Davi Sacer na maioria das músicas. É considerado por parte da crítica e de alguns músicos do grupo, o melhor álbum do Toque no Altar.[8][9]

O último trabalho antes da divisão foi a gravação do CD e DVD Deus de Promessas Ao Vivo, em outubro de 2006, após o álbum Olha pra Mim, no Claro Hall, na cidade do Rio de Janeiro. A gravação era esperada pelo público, os ingressos se esgotaram dez dias antes do evento. Na gravação, o público estimado era de dez mil pessoas, surpreendendo a administração local.[10] A música "Olha pra mim" foi escolhida a música do ano de 2007 pelo Troféu Talento.[11]

Nesta época, o grupo preparava um novo disco de inéditas, cujo título se tornaria Marca da Promessa. No entanto, em dezembro de 2006, Luiz Arcanjo, Davi Sacer, Ronald Fonseca, Verônica Sacer, Deco Rodrigues, Isaac Ramos e André Mattos saem do grupo, formando o Trazendo a Arca, após discordarem da criação da gravadora Toque no Altar Music, decisão tomada por Marcus Gregório, segundo os membros do grupo, sem qualquer consulta aos músicos.[12][13]

2007–2009: Formação liderada por Rafael Bitencourt[editar | editar código-fonte]

A partir disso, há a entrada de novos integrantes, como Rafael Bitencourt e Scooby, ex-integrante do Raiz Coral. Nesta formação, com produção musical de Leandro Silva, é lançado É Impossível, mas Deus Pode. O disco deu continuidade ao estilo musical do grupo, com novos vocais.[14] "Deus do Impossível" e "Eu Vou Viver uma Virada" foram duas músicas que receberam maior divulgação. O disco recebeu indicações ao Troféu Talento e também ao Grammy Latino.[15]

Na segunda metade de 2008, foi lançado o álbum Deus de Milagres, totalmente cantado por Rafael Bitencourt.[16] O último disco desta formação foi A Vitória da Fé, lançado no final de 2009 e com produção do baterista e guitarrista da banda.[17]

Nesta época, Rafael lançou um livro e em seguida, preparou-se para entrar em carreira solo.

2009–2011: Reconciliações[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o grupo perde o nome na justiça por causa de um processo envolvendo o grupo e o Trazendo a Arca. Por conta disso, a banda adota o nome Apascentar de Louvor em seus registros posteriores. Ainda naquele ano, os grupos se reconciliam e encerram a disputa judicial resultante em 22 processos.[18].

Em maio de 2010, Davi Sacer e Verônica Sacer deixam o Trazendo a Arca. Nesta época, os dois eram membros novamente da igreja Apascentar. Por esta ocasião, foram convidados para gravarem o registro sucessor do grupo. Em dezembro de 2011 foi lançado Ao Deus das Causas Impossíveis.[19]

2012–2013: Formação liderada por Alexandre Dias[editar | editar código-fonte]

Na gravação do DVD Ao Deus das Causas Impossíveis, Davi Sacer apresentou Alexandre Dias como novo vocalista do grupo.

A terceira formação era formada por Alexandre Dias (vocal), Kelson Guedes (vocal), Aline Marçal (backing vocal), Manassés Nascimento (baixo), Maxwell Foutoura (teclado), Filipe Oliveira (guitarra) e Pedro Araújo (bateria). Porém algum tempo depois o Alexandre Dias deixou a liderança da terceira formação do Apascentar de Louvor.

O DVD Ao Deus das Causas Impossíveis, da nova formação, não foi lançado.

2014–atualmente: Formação liderada por Samuel Vinholes[editar | editar código-fonte]

A quarta formação do Ministério Apascentar de Louvor - Toque no Altar foi toda reformulada, tendo como novos integrantes: Samuel Vinholes (vocal), Gilmar Meirelles (baixo), Cris Medeiros (teclado), Leandro Santos (guitarra) e Rubinho (bateria). Atualmente trabalham em um novo projeto, o CD Há Poder no Nome de Jesus, lançado em fevereiro de 2016 pela gravadora MK Music, com produção musical do ex-integrante Ronald Fonseca.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Samuel Vinholes – vocal, violão (2014-atualmente)
  • Gilmar meirelles – baixo (2014-atualmente)
  • Cris Medeiros – teclado (2014-atualmente)
  • Leandro Santos – guitarra (2014-atualmente)
  • Rubinho – bateria (2014-atualmente)

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Luiz Arcanjo – vocal, violão (2002-2006)
  • Davi Sacer – vocal (2002-2006; 2011-2012)
  • Ronald Fonseca – teclado, piano, produção musical, arranjos (2002-2006)
  • Verônica Sacer – vocal (2002-2006; 2011-2012)
  • Vânia Franco – vocal (2002-2009)
  • Silvana Costa – vocal (2002-2009)
  • André Mattos – bateria (2002-2006)
  • Deco Rodrigues - baixo (2002-2006)
  • David Cerqueira - vocal (2002-2006)
  • Leandro Silva - teclado, produção musical, arranjos (2002-2008)
  • Paulinho Daniel - violão (2002-2007)
  • Weferson - bateria, vocal de apoio (2005-2007)
  • Luis Carlos - baixo (2004-2009)
  • Davidson Rodrigues - violão (2004-2009)
  • Isaac Ramos - guitarra (2006)
  • Rafael Bitencourt - vocal (2007-2009)
  • Scooby - vocal (2007-2009)
  • Aline Santana - vocal (2007-2009)
  • Felipe Alves - bateria (2007-2009)
  • Johny Mafra - guitarra (2007-2009)
  • Alexandre Dias - vocal (2012)

Discografia[editar | editar código-fonte]

DVDs
Coletâneas

Referências

  1. Gospel Prime. «Toque no Altar - Biografia, notícias, vídeos, fotos, cifras e letras». Consultado em 15/10/2011. 
  2. Redação Super Gospel. «Conheça os indicados ao Troféu Talento 2005». 02/02/2005. Consultado em 15/10/2011. 
  3. Gospel Goods. «CD Toque no altar - Toque no Altar (Ouça as Músicas)». Consultado em 16/10/2011. 
  4. «CD - Restituição (Playback)-Ministério Apascentar de Nova Iguaçu». Consultado em 15/10/2011. 
  5. Azevedo, Roberto. «CD Deus de Promessas (Apascentar) - Análise». Super Gospel. Consultado em 6 de janeiro de 2015. 
  6. Azevedo, Roberto. «DVD Toque no altar e Restituição (Análise) - Toque no Altar». Super Gospel. Consultado em 8 de fevereiro de 2012. 
  7. «Troféu Talento 2006». Consultado em 15/10/2011. 
  8. «CD Olha pra Mim (Apascentar) - Análise». Super Gospel. Consultado em 7 de janeiro de 2015. 
  9. «Trazendo a Arca: discografia e obra». O Propagador. Consultado em 7 de janeiro de 2015. 
  10. «DVD Deus de Promessas». 18/01/2007. Consultado em 15/10/2011. 
  11. «Confira os vencedores da 12ª edição do Troféu Talento». Gospel+. Consultado em 7 de janeiro de 2015. 
  12. Toque no Altar Music (2 de fevereiro de 2007). «Luiz Arcanjo e outros componentes saem do ministério Toque no Altar». Gospel+. Consultado em 20 de janeiro de 2012. 
  13. Salvos (6 de julho de 2008). «Davi Sacer: Não estou no ministério por dinheiro». Consultado em 20 de janeiro de 2012. 
  14. Azevedo, Roberto (4 de outubro de 2007). «CD É Impossível, mas Deus Pode (Toque no Altar) - Análise». Super Gospel. Consultado em 8 de fevereiro de 2016. 
  15. «Toque no Altar é um dos indicados ao Grammy Latino 2008». Guiame. Consultado em 03 de novembro de 2008. 
  16. Super Gospel. «CD Deus de Milagres - Apascentar (Análise)». Consultado em 5 de março de 2012. 
  17. «Toque no Altar lança o CD "Vitória da Fé"». Gospel+. Consultado em 8 de fevereiro de 2016. 
  18. Reconciliação entre Toque no Altar e Trazendo a Arca
  19. Super Gospel. «Ao Deus das Causas Impossíveis (Ministério Apascentar de Louvor) - Lançamento». Consultado em 13 de dezembro de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]