Mohammed bin Rashid Al Maktoum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Xeque
Mohammed bin Rashid Al Maktoum
Xeque
Mohammed bin Rashid Al Maktoum
Primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos =Emirados Árabes Unidos
Período 11 de fevereiro de 2006
até atualidade
Presidente Khalifa bin Zayid Al Nahyan
Antecessor Maktoum bin Rashid Al Maktoum
Dados pessoais
Nascimento 15 de julho de 1949 (70 anos)
Dubai, Flag of the Trucial States.svg Emirados Árabes Unidos
Nacionalidade =Emirados Árabes Unidos emiratense
Religião Sunismo

Mohammed bin Rashid Al Maktoum (15 de julho de 1949; em árabe: محمد بن راشد المكتوم), honorificamente chamado de "xeque Mohammed", é o atual primeiro-ministro e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos desde 2006, além de ser Emir de Dubai.[1]

Também é dono de 99,67% da Dubai Holding.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Terceiro filho de Rashid bin Saeed Al Maktoum, Mohammed começou seu estudos na Al Ahmedia School. Aos 10 anos passou para a Al Shaab School, dois anos depois entrou na Dubai Secondary School e em 1966 foi estudar na Inglaterra, na Bell Educational Trust.

É um grande entusiasta de esportes equestres, tendo seus filhos Rashid, Ahmed, Majid e Hamdan ganhado medalhas de ouro em enduro equestre nos Jogos Asiáticos. Sua filha Latifa foi medalha de bronze no salto.

É também um grande aficcionado por carros, possuindo uma coleção de veículos esportivos luxuosos.

Em 2019, a sua fortuna estava avaliada em quatro bilhões de euros.

Tem cinco esposas e ao menos duas ex-esposas e mais de 20 (vinte) filhos.[2] [3]

Divórcio e polêmicas[editar | editar código-fonte]

Casamento com a princesa Haya da Jordânia e posterior divórcio[editar | editar código-fonte]

Em 10 de abril de 2004, Mohammed se casou com sua sexta esposa, a princesa Haya bint Hussein da Jordânia, meia-irmã do rei Abdullah II da Jordânia. O casal teve dois filhos: Jalila bint Mohammed bin Rashid Al Maktoum, nascida em 02 de dezembro de 2007, e Zayed bin Mohammed bin Rashid Al Maktoum, nascido em 07 de janeiro de 2012.[4] [5] [6]

No final de junho de 2019, a imprensa reportou que Haya havia fugido de Dubai e pedido asilo na Alemanha. No entanto, no dia 03 de julho a BBC escreveu que ela estaria em Londres, morando com dois filhos em uma mansão próxima ao Palácio de Kensington. Segundo a imprensa também, Haya teria pedido asilo no Reino Unido e entrado com um pedido de divórcio e de guarda dos filhos na corte suprema de Londres.[7]

Enquanto as notícias sobre a fuga de Haya se tornavam públicas, o xeque postou um poema no Instagram falando sobre "traição e traidora", que a imprensa imediatamente interpretou como se referindo a ela.[7] [8]

Posteriormente, foi revelado que Haya, além de pedir o divórcio e a guarda dos filhos, havia pedido também proteção para um de seus filhos contra casamento forçado e contratado a advogada Fiona Shackleton, que havia sido responsável pelos processos de separação do príncipe Carlos e da princesa Diana e do príncipe André e Sarah Ferguson. [9] [10] [11]

Primeira esposa acusa emir de maus-tratos[editar | editar código-fonte]

Em meados de janeiro de 2020, ainda no meio do polêmico divórcio com a princesa Haya, Muhammed acabou envolvido em outra polêmica. Sua primeira esposa, Randa bin Mohamed Al Banna, com a qual havia se casado em 1977 e se divorciado poucos anos depois, o acusou de maus-tratos. Ela relatou que o Emir era um homem difícil e teimoso e que havia tido poucos anos de felicidade no casamento. Ela também disse que após pedir o divórcio, foi expulsa dos Emirados Árabes Unidos, enviada para Beirute e que nunca mais pôde ver a única filha do casal, Manal. Ela também contou que uma vez havia insistido para ver a filha, tendo então Muhammed a convidado para ir a Dubai. Segundo a revista Caras de Portugal, "quando chegou à morada indicada por Al Maktoum para ver Manal terá encontrado uma grande festa. O emir ter-lhe-á então dito que encontrasse a filha no meio da multidão. "Procura-a, quero ver o instinto de mãe".[12]

Duas filhas do emir tentam fugir[editar | editar código-fonte]

Duas filhas do emir, Latifa e Shamsa, haviam tentado fugir antes do caso da princesa Haya. Em março de 2018, Latifa al-Maktum, anunciou em um vídeo divulgado no YouTube seu desejo de fugir do país. No vídeo ela relatou que havia sido torturada e detida por três anos depois de uma primeira tentativa de fuga quando ainda era adolescente, em 2002. Ela ainda disse que seu pai “destrói a vida de tantas pessoas" e "faço este vídeo, caso isso fracasse”.[13] [6] [14]

O vídeo se tornou público justo após o temido fracasso. Em 24 de fevereiro de 2018, com a ajuda de uma amiga finlandesa, Latifa conseguiu sair de Dubai para embarcar num veleiro americano nas águas de Omã, sultanato vizinho. No entanto, ela foi capturada na noite de 4 para 5 de março, em águas internacionais frente a Goa, quando o veleiro foi abordado pela marinha indiana, segundo a finlandesa Tiina Jauhiainen. O governo de Dubai confirmou depois que a princesa havia sido “levada de volta para sua família e estava bem”.[13]

Segundo a Human Rights Watch (HRW), as duas princesas estão detidas e sofrem maus-tratos a mando do Emir. Já a organização Detidos em Dubai, com sede no Reino Unido, disse que a “situação das princesas Haya e Latifa mostra faltas graves e abusos legalizados do sistema judiciário dos Emirados, em particular no que diz respeito aos direitos das mulheres”.[13]

Sentença[editar | editar código-fonte]

No dia 05 de março a imprensa tornou público que o emir havia sido considerado "culpado" pelo Tribunal de Família de Londres de uma "campanha de intimidação" contra a princesa Haya e pelo sequestro de duas filhas, sendo que dias antes ele já havia tido o pedido de "segredo de justiça" negado, ao tentar evitar que detalhes de sua condenação viessem à tona.[15] [16] [17]

"A decisão considerada histórica põe por terra a reputação de líder pró-reformas no Oriente Médio defendida pelo xeque", escreveu a revista Cláudia.[18]

No dia 06, parlamentares britânicos pediram que a polícia reabrisse a investigação sobre o caso de sequestro da princesa Shamsa, que havia sido sequestrada nas ruas de Cambridge em 2000, drogada e levada de volta à Dubai contra sua vontade. O parlamentar conservador Nickie Aiken disse: "este caso mostra claramente que não importa o contexto, educação e status da mulher, a violência doméstica não discrimina ninguém". [19]

O tribunal também revelou que o emir havia "contratado" o casamento de sua filha com Haya, Jalila, de apenas 11 anos de idade (em 2020), com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, então com 34 anos. [20]

Família governante de Dubai
Flag of Dubai.svg

SA o Emir Xeque
SA a princesa Hind

  • SA o Príncipe Herdeiro
  • SA a princesa Hassa
  • SA o xeque Rashid
  • SA o xeque Maktoum
  • SA o xeque Ahmed
  • SA o xeque Saeed
  • SA a princesa Latifa (2ª)
  • SA a princesa Maryam
  • SA a princesa Sheikha
  • SA a princesa Futaim
  • SA a princesa Salamah
  • SA a princesa Shamma

Filhos de outras mulheres

  • SA a princesa Manal
  • SA a princesa Maryam
  • SA a princesa Latifa(1ª)
  • SA a princesa Maitha
  • SA o xeque Majed
  • SA o xeque Mansour
  • SA a princesa Shamsa
  • SA a princesa Mahra
  • e 2 desconhecidos

SAR a princesa Haya

  • SA a princesa Al Jalila
  • SA o xeque Zayed


SA a princesa Alia
  • SA o xeque Saeed

SA o xeque Hamdan


SA o xeque Ahmed


SA o xeque Mohammed

Referências

  1. Rulers and Royal Families of UAE
  2. «Onde está a princesa Haya, uma das seis esposas do emir do Dubai?» 
  3. Gardner, Frank (3 de julho de 2019). «Quem é a princesa Haya e por que ela fugiu de Dubai para o Reino Unido?». BBC News Brasil 
  4. «Photo from Reuters Pictures». web.archive.org. 7 de fevereiro de 2012. Consultado em 5 de julho de 2019 
  5. «Mohammed is blessed with a baby boy, names him 'Zayed'». Emirates24|7 (em inglês). 8 de janeiro de 2012. Consultado em 5 de julho de 2019 
  6. a b «Princesa diz ter sido forçada a casar com emir de Dubai e quer proteção». R7.com. 30 de julho de 2019. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  7. a b Gardner, Frank (3 de julho de 2019). «Quem é a princesa Haya e por que ela fugiu de Dubai para o Reino Unido?». BBC News Brasil 
  8. «Mulher do emir do Dubai está desaparecida com dois filhos e 40 milhões de euros». Caras. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  9. «Princesa Haya, que fugiu de Dubai, pede à Justiça britânica proteção para um de seus filhos contra casamento forçado». G1. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  10. «Princesa Haya e Emir do Dubai protagonizam divórcio milionário». Caras. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  11. «Princesa Haya contrata advogada responsável pelo divórcio da princesa Diana e do príncipe Carlos». Caras. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  12. «Primeira mulher do emir do Dubai quebra silêncio e fala sobre os abusos que viveu». Caras. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  13. a b c «As princesas de Dubai que tentam fugir das garras do pai». EXAME. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  14. «Sobrinho do poderoso emir do Dubai fala pela primeira vez do terror que se vive dentro do palácio». www.flash.pt. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  15. «Emir de Dubai ordenou sequestro de duas filhas e ameaçou a mulher, segundo juiz britânico». ISTOÉ Independente. 5 de março de 2020. Consultado em 6 de março de 2020 
  16. «Emir de Dubai ordenou o sequestro de duas filhas e ameaçou a esposa, segundo juiz britânico». G1. Consultado em 6 de março de 2020 
  17. «Caras | Emir do Dubai sofre duro golpe na luta pela guarda dos filhos». Caras. 29 de fevereiro de 2020. Consultado em 6 de março de 2020 
  18. «Justiça para as princesas árabes. Emir de Dubai é condenado por sequestro». CLAUDIA. Consultado em 6 de março de 2020 
  19. «MPs urge police to reopen probe into UK kidnapping of Dubai princess». Evening Standard (em inglês). 6 de março de 2020. Consultado em 6 de março de 2020 
  20. «Emir de Dubai pretendia casar sua filha de 11 anos com Mohammed Bin Salman, revela corte britânica». Monitor do Oriente. 1 de janeiro de 1970. Consultado em 6 de março de 2020