Sara, Duquesa de Iorque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sara
Duquesa de Iorque
Sara em outubro de 2017
Nascimento 15 de outubro de 1959 (62 anos)
  London Welbeck Hospital, Londres, Inglaterra
Nome completo  
pt: Sara Margarida Ferguson
en: Sarah Margaret Ferguson
Cônjuge André, Duque de Iorque (c. 1986; div. 1996)
Pai Ronald Ferguson
Mãe Susan Barrantes
Ocupação escritora, produtora de cinema, apresentadora
Filha(s) Beatriz de Iorque
Eugénia de Iorque
Assinatura Assinatura de Sara
Brasão

Sara, Duquesa de Iorque (nome completo em inglês: Sarah Margaret Ferguson; Londres, 15 de outubro de 1959), é uma aristocrata, escritora e produtora britânica. De 1986 até 1996, foi a esposa do Príncipe André, Duque de Iorque, terceiro filho da Rainha Isabel II do Reino Unido e do Príncipe Filipe, Duque de Edimburgo.

Ela foi criada em Dummer, Hampshire, e frequentou o Queen's Secretarial College. Mais tarde, ela trabalhou para empresas de relações públicas em Londres, e depois para uma editora. Ferguson iniciou um relacionamento com o Príncipe André em 1985, e eles se casaram em 23 de julho de 1986 na Abadia de Westminster. O casal tem duas filhas, as princesas Beatriz e Eugénia. Seu casamento, a separação em 1992 e o divórcio em 1996, atraíram muita cobertura da mídia.

Tanto durante como depois de seu casamento, Sara esteve envolvida com várias instituições de caridade como patrona e porta-voz. Seu trabalho de caridade gira principalmente em torno da ajuda a pacientes com câncer e crianças. Ela tem sido a patrocinadora do Teenage Cancer Trust desde 1990 e fundou a Children in Crisis (Crianças em Crise). Nos anos após seu divórcio, Sara foi centro de escândalos que afetaram seu relacionamento com a família real, mas ela tem aparecido em vários eventos reais nos últimos anos. Ela é autora de vários livros para crianças e adultos e trabalhou como produtora de filmes e personalidades para TV.

Infância e adolescência[editar | editar código-fonte]

Sara Margarida Ferguson (Sarah Margaret Ferguson) nasceu em 15 de outubro de 1959 no London Welbeck Hospital, em Londres. Ela é a segunda filha do Major Ronald Ferguson (1931–2003) e Susan Barrantes (nascida Wright; 1937–1998).[1] Depois que os pais de Ferguson se divorciaram em 1974, sua mãe se casou com o jogador de pólo Héctor Barrantes em 1975[2] e se mudou para Trenque Lauquen nos pampas argentinos. Sara ficou na Dummer Down Farm de 480 acres (1,9 km2) em Dummer, Hampshire, a casa de seu pai desde os 8 anos de idade.[3][4] O major Ferguson casou-se com Susan Deptford em 1976 e teve mais três filhos: Andrew, Alice e Elizabeth. Sara mencionou mais tarde que aos 12 anos, quando o casamento de seus pais começou a desmoronar, ela desenvolveu um distúrbio alimentar e "começou a comer demais por conforto".[5] Conhecida informalmente como "Fergie", ela uma vez descreveu sua família como "nobres com um pouco de dinheiro antigo". Ela é descendente do rei Carlos II da Inglaterra através de três de seus filhos ilegítimos: Carlos Lennox, 1.º Duque de Richmond; Jaime Scott, 1.º Duque de Monmouth;[6] e Anne Lennard, Condessa de Sussex.

Ferguson frequentou a Daneshill School, Stratfield Turgis. A equipe da escola a descreveu como uma "menina corajosa, borbulhante e extrovertida".[4] Ela então frequentou a Hurst Lodge School em Ascot. Ela não brilhou academicamente, mas mostrou talento na natação e no tênis.[4] Em uma idade jovem, ela desenvolveu um interesse em esqui e mais tarde trabalhou brevemente como uma garota de chalé.[7] Depois de terminar um curso no Queen's Secretarial College aos dezoito anos,[8] Ferguson foi trabalhar para uma galeria de arte.[4] Mais tarde, ela trabalhou em duas empresas de relações públicas em Londres, e depois para uma editora.[4] Durante sua juventude ela namorou Kim Smith-Bingham, um corretor da bolsa, e Paddy McNally, um gerente de automobilismo mais de 20 anos mais velho que ela.[4]

Casamento com Príncipe André[editar | editar código-fonte]

O Duque e a Duquesa de Iorque no dia de seu casamento.

O Príncipe André conhecia Ferguson desde a infância, e eles se encontraram ocasionalmente em partidas de pólo, e se reencontraram no Royal Ascot em 1985.[4][9] Também antes de seu noivado, Ferguson acompanhou Diana, Princesa de Gales, durante sua viagem oficial ao navio HMS Brazen de André.[4][6] Em 18 de março de 1986, os dois anunciaram o noivado. O próprio Príncipe André desenhou o anel de noivado para Sara. Consistia em dez diamantes em torno de um rubi birmanês. Ele escolheu o rubi birmanês para complementar o cabelo ruivo de Sara.[10] Com seu espírito divertido e abordagem amigável, ela foi inicialmente considerada uma boa adição à família real.[4][6]

Depois de obter o consentimento da Rainha, André e Sara se casaram na Abadia de Westminster em 23 de julho de 1986. A Rainha concedeu o título de Duque de Iorque para André e, como sua nova esposa, Sara assumiu automaticamente o status real e ducal do marido e tornou-se "Sua Alteza Real a Duquesa de Iorque". Como Duquesa de Iorque, Sara se juntou ao marido na realização de compromissos reais, incluindo visitas oficiais ao exterior.

André e Sara em Townsville, 1988

O casal tornou-se pais em 8 de agosto de 1988, com o nascimento de sua filha, Beatriz. Sara sofria de pressão alta e retenção excessiva de água durante a gravidez.[11] Em setembro, Sara se juntou ao marido na Austrália para uma visita oficial. Sua decisão de deixar sua filha recém-nascida em casa no Reino Unido enquanto ela estava em turnê pelo país trouxe críticas da imprensa e da mídia.[12] Sua segunda criança, outra filha, Eugénia, nasceu em 23 de março de 1990 por cesariana.[13][14] Durante seu casamento, a imprensa tablóide ridicularizou a Duquesa de Iorque depois que seu peso subir para 100 kg, rotulando-a de "Duquesa de Porco" e "Fergie Gorda".[15][11] Sara mais tarde discutiu o efeito negativo das histórias da imprensa sobre seu peso em sua auto-estima e acrescentou que elas pioraram seu distúrbio alimentar.[5]

Separação e divórcio[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1992, o tabloide britânico Daily Mirror publicou em sua primeira página fotos clandestinas da duquesa tomando sol de topless, sentada ao lado de John Bryan, um financista americano. O escândalo, dada a promiscuidade das fotografias, que retratavam Sara em atitudes íntimas com o homem, definitivamente minou sua já rachada relação com a família real. Após quatro anos de separação, em maio de 1996, o Duque e a Duquesa de Iorque anunciaram o divórcio oficialmente.[16][17]

Após o divórcio, oficializado em 30 de maio de 1996, e a elaboração de cartas patente, que regulam títulos reais em caso de anulação do casamento, Sara perdeu o estilo de Alteza Real e os títulos de seu marido, e assumiu seu nome atual, Sara, Duquesa de Iorque, juntamente com as honras devido a um membro da família real britânica. Como tal, Sara ainda participa de algumas cerimônias oficiais com suas filhas, particularmente aquelas relativas ao Duque de Iorque.

Vida pessoal após divórcio[editar | editar código-fonte]

Sara com suas duas filhas numa estação de esqui em 2004

Não sendo mais parte da família real, alguns tabloides britânicos tornaram-se ainda mais críticos da extravagância e padrão de vida de Sara. A duquesa alegou ter recusado um acordo de divórcio substancial para permanecer em boas condições com a família real: seu apanágio, pago pela Rainha, inclui £ 350.000 em dinheiro e £ 500.000 para a compra de uma casa, ambos sem restrições.[18][19] Além disso, Sara não foi forçada a assinar acordos de confidencialidade como cláusula de divórcio, o que permitiu que ela lucrasse com sua vida dentro da família real: ela recebeu mais de 2 milhões de libras para escrever sua primeira autobiografia. De 1997 a 2008, Sara foi porta-voz da Weight Watchers International e seus produtos de emagrecimento.[20]

Até 2004, Sara dividia com seu ex-marido a casa da família, Sunninghill Park, em Berkshire. No mesmo ano, na verdade, o duque mudou-se para a restaurada Royal Lodge, anteriormente a casa de sua avó, a Rainha Mãe, que residia lá até sua morte em 2002. Em 2007, a duquesa alugou a Dolphin House, tornando-se assim próxima de seu ex-marido. Em 2008, no entanto, um incêndio eclodiu na Dolphin House e forçou Sara a limpar o local e se mudar para a Royal Lodge com o Duque de Iorque.[21]

Problemas financeiros e judiciais[editar | editar código-fonte]

Em 2010, ela cedeu a um escândalo quando foi paga por um jornalista que queria entrar nas boas graças de seu ex-marido André. Segundo rumores, a duquesa teria dívidas de cerca de 6 milhões de euros. Esta notícia colocou a imagem da família real em direção à nação em risco e a Rainha Isabel II teve que discuti-la com o primeiro-ministro. Por causa deste e de outros escândalos, a duquesa foi considerada pela família real como uma pessoa indesejada na corte, e, portanto, banida.[22] Por esta razão, ela não foi convidada para o casamento do Príncipe Guilherme, realizado em 29 de abril de 2011 em Londres. Ela foi readmitida no tribunal em 2018.

Após um documentário filmado em orfanatos turcos em 2008, a Turquia solicitou a extradição da Duquesa de Iorque para exergá-la por se apropriar ilegalmente de imagens e violar a privacidade de cinco crianças filmadas. O pedido foi rejeitado pelo Reino Unido em 13 de janeiro de 2012.[23]

Em maio de 2020, foi relatado que André e Sara estavam em uma disputa legal sobre seu chalé suíço, pois não conseguiram pagar sua dívida de £ 5 milhões.[24] Apesar das alegações de que a Rainha ajudaria a pagar a dívida, um porta-voz do Duque de Iorque confirmou que ela "não intervirá para liquidar a dívida".[25] O The Times informou em setembro de 2021 que Sara e André chegaram a um acordo legal com o proprietário anterior da propriedade e venderiam a casa para pagar sua dívida.[26]

Obras de caridade[editar | editar código-fonte]

Desde seu casamento com o príncipe André, e continuando após o divórcio, Sarah esteve envolvida com várias instituições de caridade.

Em 1990, Sara tornou-se patrona do Teenage Cancer Trust. Desde então, Sara abriu a maioria das várias unidades de caridade, incluindo as do Middlesex Hospital, University College London, St James's University Hospital, Cardiff University Hospital e Royal Marsden Hospital.[27] Sara começou seu trabalho com pessoas que sofriam de doenças do neurônio motor na década de 1990. Na qualidade de patrona da Motor Neurone Disease Association, ela promoveu campanhas de arrecadação de fundos para pesquisas sobre a doença e mais tarde se tornou presidente da International Alliance for ALS.[28][29] Para ajudar e apoiar as pessoas afetadas pelo uso indevido de drogas, ela participou de sessões de terapia no Centro de Dependência Química e mais tarde tornou-se sua patrona.[29] Em 1993, Sara fundou a Children in Crisis, uma instituição de caridade para crianças focada em educação e doações para programas internacionais. Sarah serve como fundadora e presidente vitalícia.[30] Ela fundou a instituição de caridade depois de conhecer uma jovem vítima de câncer chamada Anya durante sua visita à Polônia em 1992.[31] Em junho de 1998, Sarah fez uma breve viagem a Bethesda para receber um prêmio do Journal of Women's Health.[32] Ela também visitou o National Institutes of Health (NIH) Clinical Center.[32] A diretora associada de comunicações do NIH disse: "A duquesa tem muitas oportunidades de conversar com mulheres pela televisão, em palestras e entrevistas na mídia" e estava interessada "em aprender com os cientistas do NIH quais as principais mensagens de saúde que ela deve transmitir às mulheres, com base na pesquisa realizada através do NIH."[32]

Sarah Ferguson em Ruanda durante o lançamento do Gahanga Cricket Stadium, 2017.

Em 2006, Sarah estabeleceu a The Sarah Ferguson Foundation[33] com sede em Toronto, que obtém fundos do trabalho comercial de Sarah e doações privadas com o objetivo de apoiar instituições de caridade internacionalmente que atendem crianças e famílias em extrema necessidade. Incluído sob esta organização guarda-chuva está seu patrocínio e apoio a várias instituições de caridade britânicas, incluindo a Mental Disability Rights International, a African-Caribbean Leukemia Trust, a Tommy's, a Motor Neurone Disease Association e a CARE International.[34] Em 2009, foi relatado que, apesar de sua renda de £ 250.000 em 18 meses, a fundação gastou apenas £ 14.200 em doações, £ 6.300 dos quais foram doados para o braço de caridade de uma reserva de caça privada sul-africana de propriedade de Sir Richard Branson, um amigo de Sara. Após o relatório, a fundação divulgou uma lista que mostrava que eles gastaram cerca de US$ 400.000 em doações em 2008.[35] Em 2013, Sara, junto com seu ex-marido, o Duque de Iorque e suas filhas, as princesas Beatriz e Eugénia, fundaram a Key To Freedom, uma estrutura de negócios para mulheres em situação de vulnerabilidade na Índia que podem vender seus produtos através da varejista britânica Topshop. Em 2014, Sara foi nomeada embaixadora do Institute of Global Health Innovation no Imperial College London.[36][37]

No 25º aniversário da fundação da Children in Crisis em 2018, Sara disse que trabalhar com essa instituição de caridade "deu a ela um senso de perspectiva e propósito durante tempos difíceis".[38] Sarah fundiu sua fundação de caridade com a Street Child, uma organização dirigida por Tom Dannatt em Bangladesh, Afeganistão e Serra Leoa, da qual Sara se tornou patrona, e suas filhas, Beatriz e Eugénia, são as embaixadoras.[38] Em junho de 2020, Sara lançou sua nova fundação de caridade chamada Sarah's Trust. A instituição de caridade forneceu ajuda ao NHS, casa de repouso e equipe de cuidados paliativos, entregando mais de 150.000 itens, incluindo alimentos, máscaras, batas e produtos de higiene pessoal.[39] Organizações como Under One Sky e NOAH Enterprise ajudaram a fundação doando sacos de dormir para moradores de rua no Reino Unido. Fundamentos e suprimentos também foram enviados para Gana.[40]

Trabalhos no cinema e televisão[editar | editar código-fonte]

Em 2000, Sara co-produziu e atuou como apresentadora em um documentário para o canal de televisão BBC chamado In Search of the Spirit.[41] Em setembro de 2003, foi anunciado que ela se tornaria uma colaboradora regular e co-apresentadora do programa de estilo de vida da BBC Radio 2, Steve Wright.[42] Em maio de 2004, Sara apresentou uma produção de onze minutos no DVD Peter Pan da Universal, intitulado The Legacy of Pan.[43] Cinco meses depois, a Walt Disney Feature Animation lançou um DVD especial The Cat That Looked at a King, com a voz de Sara no papel da Rainha;[43] a história é derivada dos livros de Mary Poppins de P. L. Travers.

Sara teve um papel de produção (creditado como "Sarah Ferguson") no filme de Jean-Marc Vallée de 2009 The Young Victoria, estrelado por Emily Blunt e apresentou um papel de fundo para a filha de Sara, a princesa Beatriz.[44][45] Foi Sara quem concebeu a ideia de um filme baseado nos primeiros anos da Rainha Vitória. Desde seu casamento com o príncipe André, ela se interessou pela rainha e escreveu dois livros sobre ela com a ajuda de um historiador. O relacionamento Vitória-Alberto em particular a atraiu para a história da rainha, pois ela acreditava que havia paralelos entre o casamento deles e o dela com o príncipe André, já que ambos "lutaram por seu amor" em meio ao escrutínio público.[44] Sara teve o papel principal em uma minissérie na Oprah Winfrey Network, intitulada Finding Sarah, que estreou em junho de 2011. Ela falou sobre suas lutas pela vida e questões financeiras no programa.[46]

Em 2019, Sarah disse que estava produzindo um documentário de TV sobre a mãe do Príncipe Alberto, a princesa Luísa de Saxe-Gota-Altenburg. O documentário se concentrará em sua vida, particularmente sua separação de seu marido Ernesto I, Duque de Saxe-Coburgo-Gota.[47] Em abril de 2020, Sara lançou uma nova série em seu canal do YouTube, chamada Storytime with Fergie and Friends, na qual ela e vários autores, incluindo Nanette Newman e Imogen Edwards-Jones, lêem histórias para crianças em suas casas durante os bloqueios devidos à pandemia de COVID-19.[48] De março a julho de 2021, o mesmo canal exibiu 10 episódios curtos de Little Red News com personagens da série de livros de Ferguson, Little Red.[49]

Títulos e Estilos[editar | editar código-fonte]

Monograma de Sara, Duquesa de Iorque
  • 1959-1986: Srt.ª Sara Ferguson
  • 1986-1996: Sua Alteza Real A Duquesa de Iorque
  • 1996-presente: Sara, Duquesa de York

Em 21 de agosto de 1996, cartas-patente declararam que ex-esposas de príncipes britânicos, exceto viúvas que não se casaram novamente, não tinham direito ao estilo de "Sua Alteza Real". Enquanto isso, as divorciadas (como duquesas) não podem "reivindicar os privilégios ou status do título que derivam de seus ex-maridos", mas podem continuar a usar o título do ex-marido.[50] A Casa Real refere-se a Sara como "Sara, Duquesa de Iorque",[51] mas em pelo menos duas ocasiões (os anúncios dos noivados de suas filhas), ela foi referida junto com seu ex-marido como "Duque e Duquesa de Iorque".[52][53]

Brasões[editar | editar código-fonte]

Brasão da Sarah Ferguson solteira.
Brasão da Duquesa de York de 1986 a 1996.

Livros[editar | editar código-fonte]

  • The Royal Switch, pela Duquesa de Iorque (Delacourt Press, 1996) ISBN 0-385-32177-5
  • Bright Lights, pela Duquesa de Iorque (Delacourt Press, 1996) ISBN 0-385-32178-3
    • 1989, Budgie the Little Helicopter[54]
    • 1989, Budgie at Bendick's Point[55]
    • 1991, Budgie and the Blizzard[56]
    • 1992, The Adventures of Budgie[57]
    • 1993, Budgie Goes to Sea[58]
    • 1996, Budgie's Book of Colors[59]
    • 1996, Budgie and Pippa Count to Ten![60]
  • 1995, Travels with Queen Victoria[61]
  • 1996, My Story (autobiografia)[62]
    • 1997, The Royal Switch[63]
    • 1997, Bright Lights[64]
    • 1998, Dining with The Duchess[65]
    • 1999, Dieting with The Duchess[66]
    • 2000, Win the Weight Game[67]
    • 2001, Reinventing Yourself[68]
    • 2002, Energy Breakthrough[69]
  • 2003, What I Know Now: Simple Lessons Learned the Hard Way[70]
  • 2003, Reflections. An accomplished amateur photographer, The Duchess published a collection of images in an art book, sold only in Britain, with all proceeds benefiting her UK-based charity, Children in Crisis.
  • 2003, Little Red[71]
  • 2004, Little Red’s Christmas Story[72]
  • 2006, Little Red’s Summer Adventure[73]
  • 2008, Tea for Ruby

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Major Ronald Ferguson dies». BBC News. 17 de março de 2003. Consultado em 4 de maio de 2010 
  2. «Hector Barrantes, Duchess of York's Stepfather, 51 – Obituary». The New York Times. Reuters. 12 de agosto de 1990. Consultado em 4 de maio de 2010 
  3. Dennis Barker (18 de março de 2003). «Obituary: Major Ronald Ferguson, UK news». The Guardian. UK. Consultado em 4 de maio de 2010 
  4. a b c d e f g h i DeYoung, Karen (22 de julho de 1986). «Fergie: Bedlam Over the Bride». The Washington Post. Consultado em 9 de março de 2018 
  5. a b Harris, Paul (26 de outubro de 2002). «Fergie: How food became my only friend». The Guardian. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  6. a b c Smith, Terry (7 de abril de 1986). «Fantastic Fergie». People. Consultado em 9 de março de 2018 
  7. Barcelona, Ainhoa (11 de fevereiro de 2016). «Sarah, Duchess of York applies to become permanent resident of Switzerland». Hello!. Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  8. «Latest news and profile of Sarah Ferguson». Hello!. Consultado em 4 de maio de 2010 
  9. «Iconic Weddings – Sarah Ferguson and Prince Andrew». Hello.com. 10 de março de 2011. Consultado em 30 de janeiro de 2015 
  10. «Royal Engagement Rings». Brilliant Earth. 20 de fevereiro de 2016. Consultado em 15 de maio de 2018 
  11. a b Kaufman, Joanne (29 de agosto de 1988). «For Fergie, Mum's the Word». People. Consultado em 13 de abril de 2019 
  12. Longworth, R.C. (26 de outubro de 1988). «Fergie Is Returning Home To Baby-Oh, Dear! Now What Will Press». Chicago Tribune. Consultado em 13 de abril de 2019 
  13. Farrell, Mary H.J. (16 de abril de 1990). «Bringing Baby Home». People. Consultado em 13 de abril de 2019 
  14. «Royal Couple Unveil Baby and Her Name—Eugenie». Los Angeles Times. 30 de março de 1990. Consultado em 13 de abril de 2019 
  15. [1] Pam Schmid, "Painful Past Long Gone", McClatchy-Tribune News Service, 25 de fevereiro de 2007
  16. Gutierrez, Inés (23 de outubro de 2021). «5 parejas royal que no funcionaron a pesar de tenerlo todo a su favor». vanitatis.elconfidencial.com (em espanhol). Consultado em 13 de janeiro de 2022 
  17. Coelho, Penélope (12 de abril de 2020). «O antigo relacionamento do Príncipe Andrew, filho de Elizabeth II, e Sarah Ferguson». Aventuras na História. Consultado em 13 de janeiro de 2022 
  18. «Jewels Stolen From Duchess of York». Los Angeles Times. 6 de dezembro de 1995. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  19. «Man Pleads Guilty in Theft of Duchess of York's Diamonds». The New York Times. 27 de março de 1996. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  20. «Sarah Ferguson, Duchess of York». The Mullany Fund. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  21. Borland, Sophie (30 de janeiro de 2008). «Scented candle starts fire at Fergie's home». www.telegraph.co.uk (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2022 
  22. Alderson, Andrew (7 de agosto de 2010). «The Duchess of York faces bankruptcy over her £5m debts». The Sunday Telegraph (em inglês). Reino Unido. Consultado em 8 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2010 
  23. «Fergie Charged Over Turkish Documentary». Sky News. 12 de janeiro de 2012. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  24. «Prince Andrew to face legal case over reported £5m ski chalet debt». The Guardian. 7 de maio de 2020. Consultado em 9 de maio de 2020 
  25. Badshah, Nadeem (1 de junho de 2020). «Queen will not pick up chalet debt, says Prince Andrew». The Times. Consultado em 1 de junho de 2020 
  26. Nicholl, Katie (28 de setembro de 2021). «Prince Andrew and Sarah Ferguson Have Solved One Big Financial Woe». Vanity Fair. Consultado em 28 de setembro de 2021 
  27. «Patrons». Teenage Cancer Trust. 29 de agosto de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  28. «The Duchess of York, patron of the Motor Neuron Disease Association, arriving at Brunel University, west London to launch Motor neurone Disease week- a nation-wide fund raising and public awareness campaign.». Alamy. 24 de abril de 1991. Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  29. a b «Duchess of York Philanthropies». C-SPAN. 7 de dezembro de 1994. Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  30. «Our Trustees, Presidents and Patrons». Children in Crisis. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  31. Ferguson, Sarah (13 de julho de 2018). «Sarah Ferguson: Street Child can take the work I started 25 years ago to even more children». London Evening Standard. Consultado em 13 de julho de 2018 
  32. a b c Roa, Gregory (28 de julho de 1998). «Fergie Gets Royal Treatment at NIH». National Institutes of Health. Department of Health and Human Services. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  33. «The Sarah Ferguson Foundation». The Sarah Ferguson Foundation. 23 de setembro de 2009. Consultado em 4 de maio de 2010 
  34. «Sarah, Duchess of York». The Huffington Post. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  35. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Telegraph-debts
  36. «Duchess of York on food fight». TV3.ie – Xposé Entertainment. 17 de março de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  37. Potempa, Philip (2 de maio de 2015). «Royal subjects: Duchess of York Sarah Ferguson opens up about life outside of castle walls». nwitimes.com. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  38. a b Prynn, Jonathan (13 de julho de 2018). «Sarah Ferguson hails 25 years of Children in Crisis charity: 'It saved my life'». MSN UK. Consultado em 13 de julho de 2018 
  39. Murphy, Victoria (3 de junho de 2020). «Sarah Ferguson, Princess Beatrice, and Princess Eugenie Organize Thousands of COVID-19 Relief Donations». Town & Country. Consultado em 4 de junho de 2020 
  40. Shipley, Diane (3 de junho de 2020). «Sarah Ferguson's exciting news revealed during lockdown». Hello!. Consultado em 4 de junho de 2020 
  41. «Duchess in search of the spirit». BBC. Consultado em 13 de maio de 2015 
  42. «Sarah Ferguson & Steve Wright». BBC. Consultado em 13 de maio de 2015 
  43. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Zayed-2008
  44. a b Bruni, Frank (10 de dezembro de 2009). «Duchess of York as Film Producer». The New York Times. Consultado em 28 de julho de 2011 
  45. Jordan, Mary (20 de dezembro de 2009). «With her film 'The Young Victoria,' Sarah Ferguson reinvents herself yet again». The Washington Post. Consultado em 20 de julho de 2011 
  46. «Sarah Ferguson, the Duchess of York, Comes to Own: The Oprah Winfrey Network in a Six Part Series 'Finding Sarah'». The Futon Critic. Consultado em 15 de dezembro de 2012 
  47. «Sarah Ferguson brings to light one of the royal family's saddest tales». msn.com. 24 de junho de 2019. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  48. «Storytime with Fergie and Friends». Sarah Ferguson. YouTube. Consultado em 21 de abril de 2020 
  49. «Little Red News». Sarah Ferguson. YouTube. Consultado em 14 de março de 2021 
  50. Wyse, Elizabeth (2016). Debrett's Handbook. [S.l.]: Debrett's 
  51. «List of the Royal Family» (PDF). royal.gov.uk. Consultado em 11 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 15 de agosto de 2020 
  52. «HRH Princess Eugenie of York and Mr. Jack Brooksbank are engaged to be married» (em inglês). royal.gov.uk. Consultado em 26 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2021 
  53. «Princess Beatrice of York and Mr. Edoardo Mapelli Mozzi engaged to be married» (em inglês). royal.gov.uk. Consultado em 26 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2021 
  54. Amazon.com: Budgie, the Little Helicopter: HRH Duchess of York Sarah: Books
  55. Amazon.com: Budgie at Bendick's Point: Sarah Ferguson: Books
  56. Amazon.com: Budgie and the Blizzard: Sarah Mountbatten-Windsor York, John Richardson, Duchess of York: Books
  57. Amazon.com: The Adventures of Budgie: Sarah Ferguson, H.R.H. The Duchess of York, John Richardson: Books
  58. Amazon.com: Budgie Goes to Sea: Sarah, Duchess of York: Books
  59. Amazon.com: BUDGIE'S BOOK OF COLORS (Budgie the Little Helicopter): Sarah Ferguson: Books
  60. Amazon.com: BUDGIE AND PIPPA COUNT TO TEN! (Budgie the Little Helicopter): Sarah Ferguson: Books
  61. Amazon.com: Travels With Queen Victoria: Sarah Mountbatten-Windsor, Duchess of York, Benita Stoney: Books
  62. Amazon.com: My Story: Sarah The Duchess of York Ferguson: Books
  63. Amazon.com: Royal Switch: Duchess Of York: Books
  64. Amazon.com: Bright Lights: Duchess Of York: Books
  65. Amazon.com: Dining with the Duchess: Making Everyday Meals a Special Occasion: Sarah The Duchess of York Ferguson, Weight Watchers: Books
  66. Amazon.com: Dieting With the Duchess : Secrets and Sensible Advice for a Great Body: Sarah The Duchess of York Ferguson, Weight Watchers: Books
  67. Amazon.com: Win The Weight Game: Successful Strategies For Living Well: Sarah The Duchess of York Ferguson: Books
  68. Amazon.com: Reinventing Yourself with the Duchess of York : Inspiring Stories and Strategies for Changing Your Weight and Your Life: Inc. Staff Sarah the Duchess of York; Weight Watchers International: Books
  69. Amazon.com: Energy Breakthrough : Jump-start Your Weight Loss and Feel Great: Sarah The Duchess of York Ferguson: Books
  70. Amazon.com: What I Know Now : Simple Lessons Learned the Hard Way: Sarah Ferguson Duchess of York: Books
  71. Amazon.com: Little Red: Sarah The Duchess of York Ferguson, Sam Williams: Books
  72. Amazon.com: Little Red's Christmas Story (Little Red): Sarah The Duchess of York Ferguson, Sam Williams: Books
  73. Amazon.com: Little Red's Summer Adventure (Little Red): Sarah The Duchess of York Ferguson, Sam Williams: Books

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedida por
Isabel Bowes-Lyon
Duquesa de Iorque
Coat of Arms of Sarah, Duchess of York, 1986-1996.svg

23 de julho de 1986 - 30 de maio de 1996
Sucedida por
-