Molossus (cão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Molossus
Nome original Molossus
País de origem  Grécia
Características
Não é reconhecida por qualquer clube de cães
Notas Raça extinta

O molossus (em grego: Μολοσσὸς) é uma antiga raça de cães(ou tipo de cão) extinta, originária da Grécia Antiga. Foi utilizado por gregos e romanos como cão guardião de gado e cão e de guerra.[1] Um de seus possíveis descendentes mais próximos, o cão molosso de Épiro (Μολοσσός της Ηπείρου), conserva enorme semelhança com a estátua que representa o cão molossus no Museu Britânico.

História[editar | editar código-fonte]

Esta antiga raça de cão extinta é comumente considerada o antepassado (em rivalidade com o alaunt, o cão dos Alanos) de todos os cães de tipo mastim atuais e de muitas outras raças modernas. Cães do tipo mastim são muitas vezes referidos como cães molossos ou molossóides. O molossus é uma das raças mais conhecidas da antiguidade greco-romana; no entanto, as suas características físicas e função são discutidas. Embora a raça molossus não exista mais, esta grande raça antiga foi um ancestral importante de raças modernas, como o mastim inglês, são-bernardo, mastim dos Pirenéus, rottweiler, dogue alemão, terra-nova, grande boiadeiro suíço, mastim tibetano e o bernese.

Cão molossoide feito de terracota. Estátua nos Jardins de Boboli, Florença, Itália. Século XV.

Alguns estudiosos[quais?] afirmam que o molossus era um cão usado pelos gregos antigos para o combate. Eles descrevem-no como tendo um grande e curto focinho e uma barbela pesada(similar aos mastins modernos que foi usado para combater tigres, leões, elefantes e homens em batalhas. A cópia romana de uma escultura original grega de um cão de guarda (conhecido como o cão Jennings) é geralmente considerado para representar um molossus e pode ser visto no Museu Britânico. Outros estudiosos[quais?] argumentam que era principalmente um cão leve, usado para a caça e pastoreio com características físicas mais parecidas com galgos ou, possivelmente, com pitbulls.

A maioria dos estudiosos concorda que o molossus originou-se com o povo de Molossos nas regiões montanhosas do noroeste da Grécia Antiga e do sul da Albânia. O povo molosso era famoso por seus cães ferozes, que foram utilizados pelos pastores da região do Epiro nas montanhas do noroeste da Grécia para proteger seus rebanhos. O poeta Grattius, um contemporâneo de Ovídio, escreveu: ...quando um trabalho sério vinha, quando bravura deveria ser mostrada, e o impetuoso deus-guerra chamava no maior perigo, então você não podia deixar de admirar tanto os famosos Molossus. A raça era nativa da Grécia e do resto dos Bálcãs.

Mais tarde espalhou-se para a Itália e outros lugares no mundo grego colonizando por povos helênicos. Virgílio diz que na Grécia Antiga os cães molossus mais pesados ​​foram muitas vezes usados pelos gregos e romanos para a caça (canis venaticus) e para vigiar a casa e rebanhos (canis pastoralis). Nunca, com estes cães em guarda, diz Virgílio, você precisará temer por suas barracas de um ladrão da meia-noite, ou ataque de lobos, ou bandoleiros ibéricos em suas costas. Aristóteles os menciona na história dos animais e elogia sua bravura e superioridade física. A raça molossus foi certamente um grande cão semelhante aos mastins que conhecemos hoje. [1] [2]

O nome da raça foi usado para nomear um pequeno morcego molossus e, por sua vez, a família Molossidae.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «O cão Molossus». Cachorro Seguro. Consultado em 11 de novembro de 2015 
  2. «Raças extintas». Cães e gatos. Consultado em 11 de novembro de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre cães é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.