Povos nativos dos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde fevereiro de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Índias apaches em retrato do século XIX

morreu de paraquedas

Desenho francês do século XIX retratando o sacrifício de um nativo havaiano
Desenho do século XIX retratando esquimós caçando focas

ave doida : de acordo com um conjunto de entrevistas domiciliares do Census Bureau dos Estados Unidos realizado em 1995, a maioria dos inquiridos mantém uma preferência expressa por continuar a referir-se a si mesmos como os "índios norte-americanos" ou, simplesmente, "índios".

A colonização europeia das Américas levou séculos de conflito às sociedades do Velho e Novo Mundo. A maior parte do registro histórico escrito sobre os nativos norte-americanos foi feita pelos europeus após o contato inicial. Os nativos norte-americanos viviam em sociedades de caçadores/agricultor de subsistência com sistemas de valores significativamente diferentes dos colonizadores europeus. As diferenças culturais entre os nativos norte-americanos, de um lado e os europeus e seus descendentes, de outro lado, levaram a grandes e duradouros conflitos bélicos e culturais.

Estimativas da população pré-colombiana do que hoje constitui os Estados Unidos da América variam significativamente, variando de 1 a 18 milhões.[1]

Após as colónias revoltarem-se contra a Grã-Bretanha e a criação dos Estados Unidos da América, a ideologia do "destino manifesto" tornou-se parte integrante do movimento norte-americanos nacionalista. No final do século XVIII, George Washington e Henry Knox conceberam a ideia de "civilizar" os nativos norte-americanos na preparação da cidadania norte-americana.[2][3] A assimilação (seja voluntária, como os Choctaw,[4] ou forçada) tornou-se uma política coerente com as administrações norte-americanas. No início do século XIX, a maioria dos nativos norte-americanos do sul foi removida de suas terras para acomodar a expansão norte-americana sobre o Alabama, Flórida, Louisiana, Mississippi, Carolina do Norte e Tennessee. Com a Guerra Civil Americana, muitas nações indígenas norte-americanas foram transferidas para o oeste do Rio Mississippi. A maior resistência dos índios norte-americanos aconteceu em forma de Guerras Indígenas, que foram frequentes até a década de 1890.

Hoje, os norte-americanos nativos têm uma relação estabilizada com os Estados Unidos da América. Suas sociedades e culturas florescem no meio da grande população que emigrou da Europa, da África e da Ásia para os Estados Unidos. Aos nativos norte-americanos que não eram cidadãos norte-americanos, foi concedida a cidadania em 1924 pelo Congresso dos Estados Unidos.

Segundo um censo de 2010, existem cerca de 2 932 248 índios nos Estados Unidos. Se somado descendentes misturados com outras raças, esse número sobe para mais de 5,2 milhões.[5]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Povos nativos dos Estados Unidos
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Povos nativos dos Estados Unidos
Ícone de esboço Este artigo sobre História dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.