Esquimós

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Uma família de esquimós, em foto para a Revista National Geographic, em 1917.
Esquimó inuíte do Labrador.
Esquimós aprisionando ptarmigans.pdf

Os esquimós ou inuítes são os povos indígenas que habitam tradicionalmente regiões em torno do Círculo Polar Ártico, no extremo norte da Terra, como o norte do Alasca do Canadá e na Groenlândia. Seu modo de vida tradicional inclui a pesca e a caça, retirando a gordura de baleias, focas e ursos para usar como alimento e combustível, além da coleta de bagas durante o verão.

A palavra "esquimó" deriva de expressões que os algonquinos usavam para designar seus vizinhos do norte. Os inuites e iupiques geralmente não usam essa denominação para se referir a si próprios, e os governos do Canadá[1][2] e da Groenlândia (país constituinte do reino da Dinamarca) também deixaram de usá-la em documentos oficiais.[3]

Os inuítes falam línguas pertencentes à família linguística escaleuta, que contém dois ramos principais:

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Na própria língua inuíte, a palavra inuit significa "povo" e vem de "inuk", que significa "homem". O termo "esquimó", por sua vez, vem de "esquimantsic", palavra de cunho injurioso que significa "comedor de carne crua" e era usada pelos abenakis para designar os inuítes .[4][3]

Modo de vida tradicional[editar | editar código-fonte]

Historicamente, os esquimós se vestiam com peles de animais, porém, ao contrário dos outros povos, eles usam a pele voltada para dentro, de forma a mantê-la mais próxima ao corpo e promover um aquecimento mais adequado. Eles têm o costume de se alimentar do fígado cru das caças, sua única fonte de vitamina C.

Muitos esquimós ainda caçam o urso polar de acordo com o método empregado por seus ancestrais. Fazem-no utilizando lanças há pelo menos dois mil anos. São necessários pelo menos cinco esquimós para o fazer e a técnica é semelhante à da tourada. Primeiro, um esquimó atiça o urso polar, por forma a que este o persiga. Em seguida, os outros esquimós atiram as suas lanças para as costas do urso polar. Outro esquimó volta a atiçar o urso polar e repetem a técnica até que o urso já não se consiga mexer.

Nutrição[editar | editar código-fonte]

Os inuítes representam o maior desafio para a nutrição moderna, e sua pirâmide alimentar que defende que é possível viver sem consumir carboidratos. Nos anos 70, o primeiro a levantar essa controvérsia foi o cardiologista americano Dr. Robert Atkins. Ao pesquisar dietas pobres em carboidratos, Atkins notou que os inuítes tinham alta expectativa de vida, sem registros de doenças do coração e vasculares. O estudo da vida dos inuítes foi fundamental na formulação da Dieta de Atkins que ganhou popularidade no fim do século XX que propõe uma alimentação pobre de carboidratos e rica de proteínas e gorduras[5]

Notas e referências

  1. Os Inuit. Site do Governo do Canadá.
  2. Etnónimos, uma categoria gramatical à parte? Por Paulo Correia. Direção-Geral da Tradução — Comissão Europeia.
  3. a b Maurice Waite (2013). Pocket Oxford English Dictionary. [S.l.]: OUP Oxford. p. 305. ISBN 978-0-19-966615-7. Some people regard the word Eskimo as offensive, and the peoples inhabiting the regions of northern Canada and parts of Greenland and Alaska prefer to call themselves Inuit. The term Eskimo, however, is the only one that covers both the Inuit and the Yupik peoples of Siberia, the Aleutian islands, and the Alaska, and it's still widely used. Tradução: "Algumas pessoas consideram a palavra esquimó como ofensiva, e os povos que habitam as regiões do norte do Canadá e partes da Groenlândia preferem chamar a si próprios de inuítes. Todavia o termo esquimó é o único que abrange tanto os inuítes como os yupiks da Sibéria, das ilhas Aleutas e do Alasca, sendo ainda amplamente utilizado." 
  4. Cascudo, Luís da Câmara (2004). «Capítulo 9». Civilização e Cultura 1 ed. São Paulo: Global Editora. p. 396. ISBN 85-260-0873-0 
  5. Atkins, Robert (2000). A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins. [S.l.]: Editora Record. ISBN 978-1590770023 
Ícone de esboço Este artigo sobre etnologia ou sobre um(a) etnólogo(a) é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.