Língua inuktitut

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Inuktitut)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Inuktitut (Inuktitut, Inuttitut, Inuktitun, Inuinnaqtun, Inuttut, e outros nomes locais)
Falado em: Canadá
Região: Nunavut, Nunavik, Territórios do Noroeste, Nunatsiavut
Total de falantes: aprox. 30.000
Família: Esquimó-aleútes
 Inuíte
  Inuktitut
Regulado por: Inuit Tapiriit Kanatami e outros grupos locais.
Códigos de língua
ISO 639-1: iu
ISO 639-2: iku
ISO 639-3: vários:
iku — Inuktitut (genérico)
ike — Inuktitut canadense oriental
ikt — Inuktitut canadense ocidental

O inuktitut ou inuctitut (no alfabeto inuktitut: ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ; lit. "como os inuítes"), é o nome dado às variedades da língua inuíte falada no Canadá[1], em todas as áreas ao norte da Linha das Árvores, incluindo parte das províncias de Terra Nova e Labrador, Quebec, no nordeste de Manitoba e o território de Nunavut, os Territórios do Noroeste, e, tradicionalmente, na costa ao Oceano Ártico de Yukon. Pertence à família esquimo-aleutiana de línguas.

É reconhecida como linguagem oficial em Nunavut e nos Territórios do Noroeste. Também tem reconhecimento legal em Nunavik — parte de Quebec, e é reconhecida na Carta da Língua Francesa como língua oficial de instrução para os distritos escolares inuits de lá. Também tem certo reconhecimento em Nunatsiavut — a área inuit de Labrador — seguindo a ratificação do seu contentamento com o governo federal canadense e a província de Terra Nova e Labrador. O censo canadense estima que há aproximadamente 30.000 faladores de inuctitut no Canadá, incluindo aproximadamente 200 que vivem regularmente fora das terras tradicionalmente inuits.

Dialetos e variantes[editar | editar código-fonte]

Distribuição das variantes da língua inuit ao longo do Ártico.

Territórios do Noroeste e Yukon[editar | editar código-fonte]

Inuits nos Territórios do Noroeste do Canadá se chamam de Inuvialuit e vivem principalmente na região de estabelecimento de Inuvialuit, consistindo na parte setentrional do delta do rio Mackenzie, a costa ártica dos Territórios do Noroeste e Yukon, a Ilha Banks, uma parte da Ilha Victoria e algumas mais remotas e irregularmente habitadas ilhas do Oceano Ártico. As variantes da língua inuit dos Territórios do Noroeste são geralmente generalizados como inuvialuktun, mas essa categorização é errônea. A população inuvialuit engloba três dialetos distintos:

  • Kangiryuarmiutun: falado principalmente na comunidade de Ulukhaktok. Esse dialeto é essencialmente idêntico ao Inuinnaqtun falado no oeste de Nunavut.
  • Siglitun: falado principalmente nas comunidades de Paulatuk, Sachs Harbour e Tuktoyaktuk. Siglitun já foi o dialeto principal do delta do rio Mackenzie e partes próximas das ilhas costais e do Oceano Ártico, mas o número de faladores caiu dramaticamente devido à eclosão de novas doenças no século XIX e, por muitos anos, acreditava-se que Siglitun estava completamente extinto. Foi só na década de 1980 que os estrangeiros perceberam que essa língua ainda era falada.[2]
  • Uummarmiutun: falado principalmente nas comunidades de Inuvik e Aklavik. Esse dialeto é essencialmente o mesmo que o Inupiatun alascano, e está presente no Canadá devido à emigração do Alasca na década de 1910, reocupando terras tradicionalmente Siglit abandonadas durante as devastadoras eclosões de doenças do século anterior.[3]

Os dialetos inuvialuktun estão em sério perigo,devido a que o inglês vem se tornando, nos últimos anos, a língua comum da comunidade. Pesquisas sobre o uso de inuctitut nos Territórios do Noroeste variam, mas todos concordam que o uso não é vigoroso. De acordo com o Inuvialuit Cultural Resource Centre, somente cerca de 10% dos mais ou menos 4.000 Inuvialuits falam alguma forma de inuctitut, e somente cerca de 4% o usam em casa. [1] O censo de 2001 do Statistics Canada é somente um pouco melhor, revelando 765 faladores de inuctitut auto-identificados de uma população Inuvialuit de 3.905. Considerando o grande número de não-inuits vivendo em áreas Inuvialuit e a falta de um único dialeto comum entre o já reduzido número de faladores, o futuro da língua inuctitut nos Territórios do Noroeste parece desanimador.

Nunavut[editar | editar código-fonte]

Nunavut engloba a geograficamente maior parte do mundo inuit (sem contar o inabitável escudo de gelo da Groenlândia), e inclui grandes áreas de terra firme e numerosas ilhas divididas por rios, estreitos, a baía Hudson e áreas do oceano que congelam só por uma parte do ano. Conseqüentemente, não é surpreendente que contenha uma grande diversidade dialetal interna.

A lei básica de Nunavut lista quatro línguas oficiais: inglês, francês, inuctitut e inuinnaqtun, mas a que grau o inuktitut e o inuinnaqtun podem ser considerados línguas independentes é ambíguo à política do estado. A palavra inuctitut é geralmente usada para descrever ambos.

A situação demográfica do inuktitut é bastante forte em Nunavut. Nunavut é o lar de cerca de 24.000 inuits, dos quais a maioria - mais de 80%, de acordo com o censo de 2001 - fala inuctitut, incluindo cerca de 3.500 pessoas registradas como monolíngües. Os dados do censo de 2001 mostram que o uso do inuctitut, enquanto mais baixo entre os jovens que entre os mais velhos, tem parado de declinar no Canadá como um todo e pode ainda estar aumentando em Nunavut.

Nunavik[editar | editar código-fonte]

Quebec é o lar de cerca de 12.000 inuits, quase todos vivendo em Nunavik. De acordo com o censo de 2001, 90% dos inuits de Quebec falam inuctitut.

O dialeto nunavik (Nunavimmiutitut) é relativamente próximo ao dialeto South Baffin, mas não idêntico. Devido à fronteira política e física entre Nunavik e Nunavut, Nunavik tem instituições governamentais e educacionais diferentes daquelas no resto do mundo falante de inuctitut, resultando em uma crescente padronização do dialeto local como algo separado das outras formas de inuctitut. No dialeto de Nunavik, o inuktitut é chamado de inuttitut. Esse dialeto também é, às vezes, chamado de Tarramiutut ou Taqramiutut.

Nunatsiavut[editar | editar código-fonte]

O dialeto nunatsiavut (Nunatsiavummiutut, ou geralmente, em documentos governamentais, Labradorimiutut) já foi falado ao longo do norte de Labrador. Tem um sistema de escrita distinto, criado por missionários alemães da igreja moraviana na Groenlândia, na década de 1760. Essa tradição de escrita separada, e a distância de Nunatsiavut de outras comunidades inuítes, tem a feito um dialeto distinto com uma tradição literária separada. Os nunatsiavummiuts chamam a sua língua de inuttut.

Embora Nunatsiavut tenha mais de 4.000 habitantes de descendência inuíte, só 550 dizem ser o inuktitut a sua língua nativa no censo de 2001, principalmente da cidade de Nain. O inuktitut está em sério perigo em Labrador.

Nunatsiavut também tinha um dialeto separado, supostamente muito mais próximo aos dialetos ocidentais do inuktitut, falado na área em volta de Rigolet. De acordo com novos registros, em 1999, só havia três faladores, muito idosos. [2]

Fonologia e fonética[editar | editar código-fonte]

Dialetos canadenses orientais do inuktitut têm quinze consoantes e três vogais (que podem ser longas ou curtas). As consoantes são organizadas em cinco pontos de articulação: bilabial, alveolar, palatal, velar e uvular; e três modos de articulação: plosivos sem voz, continuantes e nasais, como também dois sons adicionais — fricativoss sem voz. O natsalingmiutut tem uma consoante adicional /ɟ/, um vestígio das consoantes retroflexas que eram presentes no proto-inuíte. Inuinnaqtun tem uma consoante a menos, porque o /s/ e /ɬ/ assimilaram para /h/. Todos os dialetos do inuktitut têm somente três vogais básicas e fazem uma distinção fonológica entre formas curtas e longas de todas as vogais. Em Inuujingajut - a ortografia latina padrão de Nunavut - as vogais longas são escritas como uma vogal dupla.

Vogais do inuctitut
IPA Inuujingajut Notas
Curta aberta anterior não-arredondada /a/ a
Longa aberta anterior não-arredondada /aː/ aa
Curta fechada anterior não-arredondada /i/ i O i curto é, às vezes, lido como [e] ou [ɛ]
Longa fechada anterior não-arredondada /iː/ ii
Curta fechada posterior arredondada /u/ u Short u is sometimes realised as [o] or [ɔ]
Longa fechada posterior arredondada /uː/ uu
Consoantes do inuktitut em Inuujingajut e na notação do AFI
Labial Alveolar Palatal Velar Uvular Notas
Oclusiva surda p /p/ t /t/ k /k/ q /q/
  • Todas as oclusivas não são aspiradas
  • /q/ é, às vezes, representado com um r
Fricativa surda s /s/
ł /ɬ/
(h /h/)
  • h substitui s em Kivallirmiutut e Natsilingmiutut e substitui ambos s e ɬ em Inuinnaqtun
  • ɬ é geralmente escrito como &, ou simplesmente como l
Sonora v /v/ l /l/ j /j/
(j /ɟ/)
g /g/ r /ɢ/
  • /ɟ/, não estando presente na maioria dos dialetos, não é escrito com uma letra separada
  • /g/ é substituído por [ɣ] em Siglitun, e pode ser lido como [ɣ] entre vogais ou vogais e aproximantes em outros dialetos
  • /ɢ/ assimilado a [ɴ] antes de nasais
Nasal m /m/ n /n/ ng /ŋ/

Morfologia e sintaxe[editar | editar código-fonte]

O inuktitut, como outras línguas esquimó-aleútes, tem um sistema morfológico muito rico, em que uma sucessão de diferentes morfemas são adicionados às palavras raízes para indicar coisas que, em línguas como o inglês, requeririam várias palavras para expressar. (Ver também: Língua aglutinante e língua polissintética) Todas as palavras começam com um morfema raiz ao qual outros morfemas são sufixados. O inuctitut tem centenas de sufixos distintos: alguns dialetos possuem quase 700. Felizmente para os aprendizes, a linguagem tem uma morfologia altamente regular. Embora as regras sejam às vezes muito complicadas, não têm exceções do mesmo modo que o inglês e outras línguas indo-européias.

Escrita[editar | editar código-fonte]

O inuktitut é escrito de várias maneiras diferentes, dependendo do dialeto e da região, mas também em fatores históricos e políticos.

Missionários moravianos, com o propósito de introduzir os povos inuítes ao cristianismo e à Bíblia, contribuíram para o desenvolvimento de um sistema de escrita do inuktitut na Groenlândia durante a década de 1760 baseado no alfabeto latino. Depois, viajaram ao Labrador nos anos 1800, trazendo com eles o inuktitut escrito. Esse esquema de escrita com o alfabeto latino se distingüe pela inclusão da letra kra.

Os Yupik e Inupiat alascanos (que, inclusive, desenvolveram o seu próprio sistema de hieróglifos) e os Yupik da Sibéria também adotaram o sistema de ortografia latina.

Inuits do Canadá oriental foram os últimos a adotarem a palavra escrita quando, na década de 1860, missionários importaram o sistema de escrita Qaniujaaqpait que haviam desenvolvido numa tentativa de converter o povo Cree ao cristianismo. Os últimos povos inuítes introduzidos a missionários e à escrita foram os inuits Netsilik em Pelly Bay e no norte de Baffin. Os Netsilik adotaram o Qaniujaaqpait na década de 1920.

O sistema "groenlandês" tem sido substancialmente reformado nos anos recentes, fazendo da escrita de Labrador única a Nunatsiavummiutut na sua época. A maior parte do inuktitut em Nunavut e Nunavik é escrito usando um esquema chamado de Qaniujaaqpait ou silabário inuktitut, baseado no silabário aborígine canadense. A parte ocidental de Nunavut e os Territórios do Noroeste usam uma ortografia latina (esquema de alfabeto) geralmente identificado como Inuinnaqtun ou Qaliujaaqpait, refletindo as predisposições dos missionários que alcançaram essa área no fim do século XIX e começo do século XX.

O silabário canadense[editar | editar código-fonte]

O silabário usado para escrever inuktitut (titirausiq nutaaq). Os caracteres extras com ponto representam vogais longas; na transcrição latina, a vogal seria duplicada.

O silabário inuktitut usado no Canadá é baseado no silabário Cree criado pelo missionário James Evans. A forma atual do silabário do inuktitut canadense foi adotada pelo Inuit Cultural Institute do Canadá na década de 1970. Os inuítes no Alasca, os inuvialuits, falantes de inuinnaqtun, e os inuítes na Groenlândia e Labrador usam o alfabeto latino, embora tenha sido adotado para o seu uso de um modo diferente.

Embora convencionalmente chamado de silabário, o sistema de escrita tem sido classificado por alguns observadores como um abugida, já que silabários começando com a mesma consoante têm glifos relacionados, e não o contrário.

Todos os caracteres necessários para o silabário inuktitut estão disponíveis no repertório de caracteres Unicode. O governo territorial de Nunavut, Canadá, desenvolveu uma fonte truetype chamada de Pigiarniq, para computadores. Foi criada pela Tiro Typeworks, em Vancouver.

Referências[editar | editar código-fonte]

Embora o máximo de exemplos possível seja recente ou extraído de textos em inuktitut, alguns dos exemplos desse artigo são extraídos de Introductory Inuktitut e Inuktitut Linguistics for Technocrats.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.canadainternational.gc.ca/brazil-bresil/about_a-propos/inuit.aspx?lang=por
  2. a b Dorais, Arctic languages: an awakening PDF (2.68 MiB), pg. 194
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 10 de maio de 2007. Arquivado do original em 3 de abril de 2006 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Dicionários e léxicos[editar | editar código-fonte]

Páginas da web[editar | editar código-fonte]

Utilitários[editar | editar código-fonte]