ONErpm

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
ONErpm
tamanho
Empresa detentora ONErpm Studios
Fundação 2010 (12 anos)
Fundador(es) Emmanuel Zunz
Matthew Olim
Gênero(s) Vários
País de origem Estados Unidos Estados Unidos
Localização Nova Iorque
Página oficial onerpm.com

ONErpm (ONE Revolution People's Music) é uma plataforma de distribuição digital de música e engajamento de fãs fundada em 2010 por Emmanuel Zunz e Matthew Olim. A ONErpm possibilita o acesso de músicos e selos a lojas e serviços de música digital como iTunes,[1] Rdio, Amazon, Spotify, Google Music, Deezer, eMusic, YouTube, Napster e outros.[2][3][4][5][6]

Desde que foi criada, a ONErpm oferece um serviço de autogestão de distribuição que devolveu o controle da monetização de fonogramas aos artistas.[7] A ONErpm possibilitou que artistas independentes começassem a ganhar dinheiro com sua música, acelerando a taxa de crescimento do consumo de música digital no Brasil. A empresa é certificada pela Apple e atende a demanda de artistas notórios como Elba Ramalho, Michel Teló, Joelma, Lenine, Cláudia Leitte, Valesca Popozuda, Fernando & Sorocaba, Racionais MC's, Wanessa Camargo e outros 100 mil.[8][9][10][11][12]

A ONErpm também monetiza conteúdo audiovisual e atualmente é certificada pelo YouTube, possuindo uma das maiores MCN (YouTube Multi-Channel Network), segundo a empresa com mais de 1,8 mil canais e 7 bilhões de visualizações mensais. A empresa inaugurou em maio de 2015 a ONErpm Studios, no Brooklyn, para a produção audiovisual disponível a seus criadores de conteúdo.[13]

Novas sedes foram inauguradas e hoje[quando?] a ONErpm conta com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires, Cidade do México, Bogotá, Nashville e Nova Iorque. De acordo com informações da empresa, há 350 mil fãs registrados no site.[14][15][16]

Referências

  1. «Venda de música brasileira em formato digital dobra com o lançamento da iTunes Store». ROLLING STONE BRASIL. 22 de dezembro de 2011. Consultado em 21 de Junho de 2016 
  2. «Sell Music Globally On Facebook With ONErpm». hypebot. Consultado em 25 de fevereiro de 2013 
  3. «Make Room for Another Facebook Artist App: ONErpm». Digital Music News. Consultado em 25 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 29 de junho de 2013 
  4. «Artistas brasileiros vão à luta contra o YouTube - Cultura - Estadão». Estadão. Consultado em 21 de junho de 2016 
  5. «Artistas brasileiros ameaçam entrar na justiça contra o YouTube - Empresas Tech». Canaltech. Consultado em 21 de junho de 2016 
  6. «ONErpm anuncia repasse recorde de direitos autorais do YouTube». www.segs.com.br. Consultado em 21 de junho de 2016 
  7. «Como a modificação na Lei de Direitos Autorais pode deixar seu Spotify mais caro? - 04/04/2016 - Tec - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 21 de junho de 2016 
  8. «Emicida, enfim, se rende ao iTunes». Bruno Astuto - Época. 11 de janeiro de 2012. Consultado em 21 de junho de 2016 
  9. «'Agregadoras' viram alternativa mais barata que gravadoras para streaming». Música. 14 de agosto de 2015. Consultado em 21 de junho de 2016 
  10. «Yannick mostra o vermelho de &qout;Vingança&qout; em novo clipe». RND - RapNacionalDownload. 15 de junho de 2016. Consultado em 21 de junho de 2016. Arquivado do original em 23 de junho de 2016 
  11. «Ouça: artistas criam playlist para comemorar o aniversário de SP». Catraca Livre. 22 de janeiro de 2016. Consultado em 21 de junho de 2016 
  12. «Tudo em Pauta no backstage musical». AdNews. Consultado em 21 de junho de 2016 
  13. «Streaming de música se populariza no Brasil em 2015, mas ainda não dá lucro - Últimas Notícias - UOL Música». UOL Música. Consultado em 21 de junho de 2016 
  14. «ONErpm, MCN and Digital Distributor, Opens (Another) Production Studio in Brooklyn». Billboard. Consultado em 21 de junho de 2016 
  15. «ONErpm opens Brooklyn studio for YouTubers». StreamDaily. 15 de junho de 2015. Consultado em 21 de junho de 2016 
  16. «¡Atención! ONErpm busca artistas en México | monitorLATINO». monitorlatino.com. Consultado em 21 de junho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]