O Cardeal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
The Cardinal
O Cardeal (PT/BR)
 Estados Unidos
1963 •  Cor (Technicolor) •  175 min 
Direção Otto Preminger
Produção Martin C. Schute
Roteiro Robert Dozier
Elenco Tom Tryon
Romy Schneider
Carol Lynley
Jill Haworth
Gênero Drama
Música Jerome Moross
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

The Cardinal (no Brasil e em Portugal, O Cardeal) é um filme estadunidense de 1963, do gênero drama, com produção independente e dirigido por Otto Preminger para a distribuição da Columbia Pictures. O roteiro é uma adaptação do romance homônimo de Henry Morton Robinson de 1950.

O romance de Robinson foi baseado na vida de Cardeal Francis Spellman, que fora Arcebispo de Nova Iorque. O oficial de ligação com o Vaticano foi Joseph Ratzinger,[1] que se tornaria mais tarde o Papa Benedito XVI. A história toca em vários temas sociais tais como casamento inter-religioso, sexo fora do casamento, aborto, racismo, crescimento do fascismo e guerra.

As locações foram em Boston, Bridgeport (Connecticut), Roma e Viena. O filme foi a última aparição de Dorothy Gish bem como a última produção em maior escala de Maggie McNamara.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O recém-ordenado padre católico norte-americano de descendência irlandesa Stephen Fermoyle retorna ao seu lar em Boston em 1917. Sua família está orgulhosa dele mas enfrenta um problema quando a irmã Mona começa a namorar um jovem judeu, Benny Rampell. As famílias não aceitam o casamento inter-religioso e Stephen aconselha a irmã a desistir. Mona foge da família e a situação acaba em tragédia, fazendo com que Stephen pense em desistir do sacerdócio. O arcebispo Glennon que a princípio não gostava dele tenta convencê-lo a continuar e ocupar um cargo no Vaticano. Stephen recebe uma licença para que reflita sobre sua verdadeira vocação e vai para Viena lecionar, quando acaba se apaixonando por uma de suas alunas, a jovem Annemarie, que lhe retribui o sentimento. Ao final do período de afastamento, Stephen resolve continuar como sacerdote para decepção de Annemarie. Continuando em seu caminho, enfrentará o racismo na Geórgia, sofrido pelo padre Gillis, e o crescimento do nazismo na Europa [2], voltando a se encontrar com Annemarie em Viena quando Hitler patrocina um plebiscito para anexar a Áustria a Alemanha.

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1964 (EUA)

Globo de Ouro 1964 (EUA)

  • Venceu na categoria de melhor filme - drama e melhor ator coadjuvante (John Huston).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]