Pátio (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde dezembro de 2016)

Pátio é um filme brasileiro de curta-metragem de 1959, o primeiro dirigido pelo cineasta Glauber Rocha.[1]

Rodado na Bahia, é influenciado pelo concretismo e definido pelo diretor como "experimental". Nos seus 11 minutos de duração, um homem (Solon Barreto) e uma mulher (Helena Ignez) interagem sobre um piso quadriculado em branco e preto, como um tabuleiro de xadrez. Ainda sem as principais temáticas que definiriam a carreira de Glauber, já permite identificar no entanto alguns de seus traços marcantes, como o enquadramento meticuloso e particular, influenciado pelo formalismo de Dziga Vertov e Sergei Eisenstein.[2][3]

A trilha sonora é a Sinfonia para um Homem Só, de Pierre Henry e Pierre Schaeffer.[4]

Referências

  1. Crítica: Curtas-metragens de Glauber Rocha. Plano Crítico, 14 de março de 2014
  2. Dois olhares sobre Pátio. Revista Polvo
  3. Primeiro filme de Glauber é livre da "estética da fome" Folha de S.Paulo, 29 de setembro de 2010
  4. Pátio. Tempo Glauber

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um curta-metragem é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.