Neiva P-56 Paulistinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de P-56)
Neiva P-56 "Paulistinha"
Avião
Descrição
Tipo / Missão Avião de treinamento
País de origem  Brasil
Fabricante Neiva
Desenvolvido de Paulistinha CAP-4
Tripulação 1
Passageiros 1
Especificações
Dimensões
Comprimento 6,90 m (22,6 ft)
Envergadura 10,8 m (35,4 ft)
Altura 1,95 m (6,40 ft)
Peso(s)
Peso vazio 320 kg (705 lb)
Propulsão
Motor(es) 1 x Continental
Potência (por motor) 115 hp (85,8 kW)
Performance
Alcance (MTOW) 2,000 km (1,24 mi)
Autonomia 4 h(s)

O Neiva P-56 "Paulistinha" é um monomotor a pistão, fabricado no Brasil pela Indústria Aeronáutica Neiva, a partir da década de 1950. Em dimensões e características, é semelhante às últimas séries do Paulistinha CAP-4 produzido pela Companhia Aeronáutica Paulista, de quem a Neiva adquiriu os direitos, lançando uma nova versão, batizada como Paulistinha 56 ou Neiva 56.[1]

A Força Aérea Brasileira operou esta aeronave entre 1959 e 1967, com a designação militar L-6. Foi utilizado em missões de ligação, observação e calibragem de bombardeio.

A aeronave ainda é utilizada em treinamento para pilotos iniciantes.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O projeto foi desenvolvido por Henrique Dumont Villares (sobrinho de Alberto Santos Dumont), Fritz Roesler (piloto alemão de caças e marido de Tereza de Marzo) e o americano Horton Hoover. Os três fundaram a Empresa Aeronáutica Ypiranga em 1931 e o primeiro voo da aeronave, ocorreu em 12 de setembro de 1935 no campo de marte, pilotado por Hoover. O projeto, até então, chamava-se EAY 201. Pela Ypiranga, foram construídos apenas 5 aeronaves. Em 1943, o projeto foi vendido para a Companhia Aeronáutica Paulista, que renomeou para CAP-4. Pela Companhia Paulista, foram construídos 777 e na década de 1950, o projeto foi vendido para a Indústria Aeronáutica Neiva, que posteriormente seria incorporada pela Embraer. Sob o comando da Neiva, o Paulistinha recebeu a designação P-56 e mais 261 unidades foram produzidas.[3]

Características estruturais[editar | editar código-fonte]

  • Biplace em tandem
  • Asa alta
  • Trem de pouso convencional fixo
  • Fuselagem de tubos de aço soldados com revestimento de tela
  • Capô do motor metálico
  • Asas de madeira com revestimento de tela
  • Hélice de passo fixo

Características técnicas[editar | editar código-fonte]

  • envergadura: 10,80 m
  • comprimento: 6,90 m
  • altura: 1,95

O avião pode ser equipado com motor Continental, modelo C-90-8F ou C90-12F, que podem desenvolver até 115hp a 2625 RPM.

Seu sistema de combustível compõe-se de dois tanques de gasolina, um na parte superior da cabine e outro entre o painel de instrumentos e a parede de fogo do motor, antes de entrar no carburador a gasolina passa por um filtro e decantador tipo "copinho".[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.aviacaopaulista.com/aeronaves/paulistinha.htm
  2. Ltda., Inner Editora. «Aviões para aprender a pilotar · AERO Magazine». AERO Magazine. Consultado em 1 de dezembro de 2017 
  3. «Paulistinha: um avião de 85 anos que formou gerações de pilotos e ainda voa». Portal de Notícias BOL. 26 de dezembro de 2020. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  4. «Avião Paulistinha». Monolito Nimbus. 8 de abril de 2016