Pampadromaeus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPampadromaeus barberenai
Ocorrência: Triássico Superior
Reconstrução esqueletal de Pampadromaeus barberenai
Reconstrução esqueletal de Pampadromaeus barberenai
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Eusaurischia
Ordem: Saurischia
Género: Pampadromaeus
Cabreira et al., 2011
Espécies
  • Pampadromaeus barberenai Cabreira et al., 2011

Pampadromaeus barberenai é um gênero de dinossauro basal sauropodomorfo que viveu no Período Triássico e foi descoberto no Rio Grande do Sul, Brasil.[1].

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Pampadromaeus barberenai é conhecido principalmente pelo exemplar holótipo ULBRA-PVT016, um esqueleto desarticulado, parcial, mas bem preservado de um único indivíduo que inclui a maioria dos ossos do crânio e da mandíbula, vértebras sacrais, dorsais e caudais, elementos da cintura escapular e dos membros anteriores, ambos os ílios e elementos dos membros posteriores[1].

Além disso, ao menos dois outros espécimes foram referidos a esta espécie: CAPPA/UFSM 0028 (fêmur esquerdo de um indivíduo juvenil ou sub-adulto)[2] e CAPPA/UFSM 0027 (fêmur esquerdo)[3].

Foi coletado na porção superior da Zona de Associação de Hyperodapedon do Membro Alemoa da Formação Santa Maria na cidade de Agudo, datando do estágio Carniano do Triássico Superior, cerca de 233-228 milhões de anos atrás.[1][4]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Pampadromaeus barberenai era um pequeno dinossauro bípede e cursorial. Tinha por volta de 50 centímetros de altura e 120 centímetros de comprimento, e teria um peso aproximadamente de 15 quilogramas. [1]

Difere de outros sauropodomorfos por uma combinação de caracteres. Alguns destes são compartilhados com alguns membros do grupo irmão de Sauropodomorpha, o grupo Theropoda: apresenta diastema entre a pré-maxila e a maxila; maior parte dos dentes pré-maxilares com ausência de serrilhas; uma pequena depressão na região homóloga a fenestra promaxilaris (encontrada em terópodes). Características basais presentes em Pampadromaeus barberenai consistem de um crânio longo em relação ao comprimento do fêmur, presença de apenas duas vértebras sacrais e cerca de 15 dentes no pterigoide. Apresenta quatro pares de dentes pré-maxilares e cerca de 20 pares de dentes maxilares e mandibulares, para um total de 88 dentes. Os dentes eram grandes, alongados, lanceolados, ligeiramente recurvados, pontiagudos e dotados de serrilhas grandes. [1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Pampadromaeus barberenai foi nomeado por Sergio F. Cabreira, Cesar L. Schultz, Jonathas S. Bittencourt, Marina B. Soares, Daniel C. Fortier, Lúcio R. Silva e Max C. Langer em 2011. O nome genérico Pampadromaeus (corredor dos pampas) é derivado da palavra Pampa, em referência à paisagem do bioma mais característico do Rio Grande do Sul, estado onde o espécime-tipo foi encontrado + Dromues (do grego δρομεύς), ou seja, corredor. O nome específico homenageia o paleontólogo gaúcho Mário Costa Barberena.[1]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Em sua descrição, foi classificado como um saurísquio com possíveis afinidades ao sauropodomorfos ou aos terópodes. Porém, em trabalhos subsequentes, Pampadromaeus barberenai tem sido consistentemente recuperado como um sauropodomorfo basal, porém mais derivado que as espécies brasileiras Buriolestes schultzi e Saturnalia tupiniquim. [1][5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Cabreira, Sergio F.; Cesar L. Schultz, Jonathas S. Bittencourt, Marina B. Soares, Daniel C. Fortier, Lúcio R. Silva and Max C. Langer (2011). «New stem-sauropodomorph (Dinosauria, Saurischia) from the Triassic of Brazil». Naturwissenschaften. 98 (12): 1035-1040. doi:10.1007/s00114-011-0858-0 
  2. Müller, Rodrigo Temp; Langer, Max Cardoso; Pacheco, Cristian Pereira; Dias-da-Silva, Sérgio (27 de outubro de 2017). «The role of ontogeny on character polarization in early dinosaurs: a new specimen from the Late Triassic of southern Brazil and its implications». Historical Biology (em inglês): 1–12. ISSN 0891-2963. doi:10.1080/08912963.2017.1395421 
  3. Müller, Rodrigo Temp; Langer, Max Cardoso; Cabreira, Sérgio Furtado; Dias-da-Silva, Sérgio (19 de fevereiro de 2015). «The femoral anatomy ofPampadromaeus barberenaibased on a new specimen from the Upper Triassic of Brazil». Historical Biology (em inglês). 28 (5): 656–665. ISSN 0891-2963. doi:10.1080/08912963.2015.1004329 
  4. Langer, Max C.; Ramezani, Jahandar; Da Rosa, Átila A.S. (2018-05). «U-Pb age constraints on dinosaur rise from south Brazil». Gondwana Research. 57: 133–140. ISSN 1342-937X. doi:10.1016/j.gr.2018.01.005  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Cabreira, Sergio Furtado; Kellner, Alexander Wilhelm Armin; Dias-da-Silva, Sérgio; Roberto da Silva, Lúcio; Bronzati, Mario; Marsola, Júlio Cesar de Almeida; Müller, Rodrigo Temp; Bittencourt, Jonathas de Souza; Batista, Brunna Jul’Armando (2016-11). «A Unique Late Triassic Dinosauromorph Assemblage Reveals Dinosaur Ancestral Anatomy and Diet». Current Biology. 26 (22): 3090–3095. ISSN 0960-9822. doi:10.1016/j.cub.2016.09.040  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre dinossauros é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.