Pampadromaeus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaPampadromaeus
Ocorrência: Triássico Superior
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Eusaurischia
Ordem: Saurischia
Género: Pampadromaeus
Cabreira et al., 2011
Espécies
  • Pampadromaeus barberenai Cabreira et al., 2011

Pampadromaeus é um género extinto de dinossauros basal Sauropodomorfo que viveu no Triássico e foi descoberto no Rio Grande do Sul, Brasil. [1]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Pampadromaeus é conhecido apenas a partir do exemplar holótipo ULBRA-PVT016, um esqueleto desarticulado, parcial, mas bem preservado de um único indivíduo que inclui a maioria dos ossos do crânio e da mandíbula inferior; vértebras, sacral dorsal e caudal; elementos da cintura escapular e os membros anteriores, um ílio e elementos dos membros posteriores. Foi coletado na biozona Hyperodapedon superior do Membro Alemoa da Formação Santa Maria na cidade de Agudo, datando do perído Carniano fauna do Triássico superior, cerca de 230-228 milhões de anos atrás. [1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Pampadromaeus era um pequeno dinossauro bípede. Tinha apenas 50 centímetros de altura e 120 centímetros de comprimento, e teria um peso aproximadamente de 15 quilogramas. Tinha muitas características basais e derivadas. Ele difere de outros Sauropodomorfos por uma combinação de caracteres. Alguns destes são compartilhados com alguns membros do grupo irmão do Sauropodomorfo, o Terópoda: a pré-maxila é apontado para baixo formando uma lacuna subnarial com a maxila e os dentes anteriores mais serilhados; no local onde a promaxila do terópodes com fenestra é posicionadas, uma pequena depressão está presente. Características basais consistem de um grande crânio, um fêmur curto, a havia apenas duas vértebras sacrais e da presença de quinze dentes no plexo pterigóideo. [1]

Havia quatro dentes na pré-maxila e cerca de vinte em ambos os maxilares e da mandíbula para um total de 88. Os dentes eram grandes, alongadas, lanceolados, ligeiramente recurvados, pontiagudas e serrilhadas grosseiramente. A forma da perna indica que o Pampadromaeus foi bom corredor. [1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Pampadromaeus foi nomeado por Sergio F. Cabreira, Cesar L. Schultz, Jonathas S. Bittencourt, Marina B. Soares, Daniel C. Fortier, Lúcio R. Silva e Max C. Langer em 2011 como espécie tipo é Pampadromaeus barberenai. O nome genérico é derivado do Pampa, em referência à paisagem do local mais Dromues (do grego δρομεύς) , ou seja, corredor. O nome específico homenageia o paleontólogo gaúcho Mário Costa Barberena. [1]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

O Pampadromaeus foi classificado nos Sauropodomorfos basais em quatro diferentes análises cladística. Os descritores enfatizam, entretanto, que esta posição não foi fortemente apoiada, mostrando as dificuldades em determinar as afinidades de formas do animal. [1]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f Cabreira, Sergio F.; Cesar L. Schultz, Jonathas S. Bittencourt, Marina B. Soares, Daniel C. Fortier, Lúcio R. Silva and Max C. Langer. (2011). "New stem-sauropodomorph (Dinosauria, Saurischia) from the Triassic of Brazil". Naturwissenschaften 98 (12): 1035-1040. DOI:10.1007/s00114-011-0858-0.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre dinossauros é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.