Parafernalha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paramaker Network
Outros nomes [P/] Parafernalha
Grupo Para
Proprietário Luther Peczan (2013-atual)
Felipe Neto (2011-2013)
Integrantes Cézar Maracujá
Daniel Curi
Jhonny Drumond
Mariana Rebelo
Renata Canossa
Victor Lamoglia
Origem 16 de junho de 2011 (8 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade  Brasil
Principais trabalhos A Toca (2013)
Servidor(es) YouTube
Género Esquete, curta-metragem, websérie
Inscritos + 11,5 milhões
Visualizações + 3 bilhões
YouTube Silver Play Button 2.svg
100 mil
inscritos.
YouTube Gold Play Button 2.svg
1 milhão
de inscritos.
YouTube Diamond Play Button.svg
10 milhões
de inscritos.

Parafernalha é um canal de esquetes de comédia veiculados no YouTube, que faz parte dos vários canais da produtora brasileira de vídeos (curtas e webséries) de comédia "Paramaker", a Network fundada por Felipe Neto.

História[editar | editar código-fonte]

A Parafernalha foi fundada em junho de 2011 com o objetivo de fazer um humor livre, mais profissional, no YouTube brasileiro. De lá pra cá foram inúmeras as conquistas. O primeiro e único canal do país a bater 2 milhões de inscritos, mais de 250 milhões de visualizações e produtora da primeira série da Netflix fora dos Estados Unidos, a websérie A Toca. Criada pelo vlogger Felipe Neto, a Parafernalha construiu sua força através do trabalho árduo de uma equipe unida, fiel e muito dedicada. Com nomes como Osiris Larkin, Alessandra Bezerra, Douglas Felix, Otavio Ugá e muitos outros talentosos profissionais, a Parafernalha construiu uma força única na internet brasileira. Também contando com grandes atores de renome: Silvio Matos, Fábio Nunes, Lucas Salles, Mariana Rebelo e muitos outros.

Parafernalha é um coletivo criativo que produz curtas de conteúdo audiovisual voltado para a web com qualidade de TV e liberdade editorial de internet e faz parte do Grupo Para (Paramaker Network, [P/]Parafernalha, Não Faz Sentido!, entre outros).

Idealizado pelo vlogger Felipe Neto, famoso também por ter criado o Não Faz Sentido! (e o livro Não Faz Sentido! - Por Trás da Câmera). O canal de vídeos da Parafernalha no YouTube lança dois esquetes semanais, todas as Quartas-feiras e Sábados, às 10h.

Apesar dos números expressivos do sucesso, Felipe Neto acredita que o mercado ainda engatinha no Brasil. "Temos poucas empresas e pouco dinheiro girando. É um mundo novo, difícil de ser entendido por empresários conservadores que ainda acreditam que a melhor forma de anunciar sua marca é colocando meia página de revista por um preço exorbitante", diz.

Parceria com 'Maker Studios'[editar | editar código-fonte]

Felipe Neto fechou uma parceria com a Maker Studios dos Estados Unidos e a sua "Paramaker Network", empresa brasileira que ele atuava. A proposta da parceria, além da produção de novos trabalhos na rede, foi ampliar ainda mais as visualizações dos vídeos que o vlogueiro lançava na internet com seu canal no YouTube.[carece de fontes?]

Venda do Controle para Webedia[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2015, Felipe Neto vendeu o controle da "Paramaker Network" para a empresa de midia Francesa Webedia, e o atual CEO da empresa é o Franco-argentino Luther Peczan. A Webedia e dona dos sites AdoroCinema, IGN, TudoGostoso, PurePeople e PureBreak e edita vários sites de marcas como o site Beleza Extraordinaria para a empresa L'Oréal. Felipe Neto, fundador da maior network de YouTube do Brasil, passou a ser responsável pelo núcleo criativo da empresa.[1]

Fim da Paramaker[editar | editar código-fonte]

Após a venda da "Paramaker Network" para a Webedia, o canal do youtube "The Game Station Brasil" com a tradução "A Estação de Jogos Brasil" foi inativo e logo após, fechado.[2] A Paramaker continou ativa, mas logo após, o site oficial e redes sociais foram fechadas.[3] Muitos youtubers continuaram "presos" no contrato com a network, perdendo de 10 a 30% dos rendimentos, sem nenhum tipo de retorno ou suporte e ainda sem contratos para publicidade direcionada, o que fez com que os rendimentos diminuíssem bastante, o que causou revolta em alguns youtubers.[4]

Esquetes[editar | editar código-fonte]

Os vídeos são gravados nos mais diversos locais, que vai da mansão da redação do Parafernalha até nas ruas, metrô. Geralmente, há parcerias ou as marcas cedem gentilmente, entretanto, o produtor de locação costuma encontrar o lugar perfeito e autorizá-lo. Dentre as várias participações especiais nos episódios, constam nomes como Rafael Almeida, Clarice Falcão, Junior Lima, Kéfera Buchmann, Betty Lago.

"Colocamos no ar no site do Parafernalha, uma contagem regressiva para a volta já no novo formato. O primeiro vídeo entra amanhã (7) no site, às 10 da manhã, e se chama 'Mentiras do dia-a-dia'. Junto com ele entra também um vídeo que conta os bastidores da "paralisação". Teremos agora um horário fixo de postagem, músicas próprias e filmes que não tem necessariamente começo, meio e fim, como uma história convencional."

O canal já produziu 2 temporadas dos Curta-metragem. A primeira ocorreu entre maio de 2011 e dezembro de 2013 e a segunda a partir de dezembro de 2013, com o vídeo "O Fim da Parafernalha", anunciando o recomeço.

Felipe Neto postou um vídeo no YouTube anunciando o fim de seu canal Parafernalha. A notícia foi publicada no AdNews e se espalhou na web. Público e imprensa ficaram atônitos, já que o canal criado por Felipe tem uma legião com mais de 5,3 milhões de inscritos e mais de 373 milhões de visualizações. Sem contar que a produtora também criou A Toca, a primeira websérie exclusiva para o Netflix fora dos Estados Unidos. "Faz sentido?" foi a questão mais ouvida, parodiando o primeiro canal que ele criou na web, o Não Faz Sentido!. O que faltava mesmo então era uma peça para encaixar o quebra-cabeça que definiria os próximos passos da "Paramaker Network" e seu presidente, um dos primeiros "Youtubers" brasileiros a capitalizar a massiva audiência da internet. Felipe Neto findou a dúvida: "A Parafernalha não morreu. O canal do jeito que o público conhecia acabou, mas para voltar de uma maneira totalmente reformulada"

Comparação[editar | editar código-fonte]

Apesar da comparação com Porta dos Fundos, Felipe acredita que a concorrência é bem-vinda. "Quanto mais canais de qualidade surgirem, melhor. Ainda mais o Porta dos Fundos, que se trata de um projeto com grande investimento, empresários e estrutura gigantesca. Isso é a prova definitiva de que o YouTube é para ser levado a sério. Que surjam cada vez mais 'Parafernalhas' e 'Portas dos Fundos'. Isso atrairá investidores, anunciantes e público", acredita Felipe Neto.[5]

Equipe[editar | editar código-fonte]

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

  • Cézar Laranja
  • Daniel Cuque ri
  • Jhonny Drumond
  • Mariana Cabelo
  • Renata Carossa
  • Victor Lama


Frequentes

  • Marcelo Duque
  • Felipe Miguel
  • Lipe Dál-Col
  • Silvio Matos
  • Digão Ribeiro
  • Diogo Defante
  • Cássio Blanco
  • Felipe Miguel
  • Thais Belchior

Referências

  1. MARINA COHEN (15 de outubro de 2015). «Felipe Neto vendo controle de sua network e fica com o núcleo criativo». O Globo. Consultado em 17 de agosto de 2015 
  2. «Antiga TGS Brasil chega a 1 milhão de inscritos sem nenhuma atualização». Universo Youtuber. 18 de junho de 2016 
  3. «O naufrágio da Paramaker». Universo Youtuber. 5 de fevereiro de 2016 
  4. «Desmascarando a Paramaker». Universo Youtuber. 25 de setembro de 2016 
  5. «Parafernalha & Porta dos Fundos». 9 de abril de 2013. Consultado em 9 de abril de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]