Procerosuchus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaProcerosuchus
Ocorrência: Triássico Superior
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Sauropsida
Subclasse: Diapsida
Infraclasse: Archosauromorpha
Ordem: Rauisuchia
Família: Rauisuchidae
Género: Procerosuchus
Huene, 1942
Espécies
  • P. celer Huene, (1942)

Procerosuchus é um gênero extinto de Rauisuchia Rauisuchidae. Os fósseis foram coletados na Formação Santa Maria que pertence ao Carniano no Triássico. Foi localizado no Rio Grande do Sul, Brasil.[1] O gênero foi descrito pelo paleontólogo alemão Friedrich Von Huene, em 1942.[2]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, Procerosuchus foi considerado como um Aetosauria juntamente com os gêneros Rauisuchia e Prestosuchus. Mais tarde, foi transferido por Huene para a família Rauisuchidae. Alfred Sherwood Romer foi o primeiro considerar o Procerosuchus como um possível Ornithosuchidae, mas mais tarde atribuído à família Prestosuchidae, que ele definiu em 1966.[3][4] Em 1972, Romer atribui o Procerosuchus um possível membro da família Proterochampsidae.[5] Krebs (1976) considerou ser uma Rauisuchia, assim como Chatterjee (1985) e Carroll (1988).[6][7][8]

Procerosuchus foi sugerido para ser membro do subfamília Rauisuchinae.[9] No entanto, o gênero ainda não foi incluído em qualquer das análises filogenéticas Rauisuchinae, e sua classificação permanece incerta. A taxonomia correta ainda está em discussão (a ordem agora é considerado parafilético) e da anatomia dos diversos táxons, incluindo Procerosuchus, ainda não foi completamente descrito.[10] Procerosuchus não parece pertencer a um grupo identificado recentemente como monofilético de Rauisuchia denominado Clado X, que inclui poposaurids e ctenosauriscids.[11]

Referências

  1. Gower, D. J. (2000). «Rauisuchian archosaurs (Reptilia:Diapsida): An overview». Neues Jahrbuch für Geologie und Paläontologie, Abhandlungen. 218 (3): 447–488 
  2. Huene, F. v. (1942). «Ergebnisse der Sauriergrabungen in Südbrasilien 1928/29». Die fossilen Reptilien des südamerikanischen Gondwanalandes. München: C. H. Beck. 332 páginas 
  3. Romer, A. S. (1956). Osteology of Reptiles. Chicago: University of Chicago Press. 772 páginas. ISBN 089464985X 
  4. Romer, A. S. (1966). Vertebrate Paleontology 3rd ed. Chicago: University of Chicago Press. 468 páginas. ISBN 0226724883 
  5. Romer, A. S. (1972). «The Chañares (Argentina) Triassic Reptile Fauna. XVI. Thecodont Classification». Breviora. 395: 1–24 
  6. Kuhn, O. (1976). «Pseudosuchia». In: Kuhn, O. (ed.). Handbuch der Paläoherpetologie 13th ed. Stuttgart: G. Fischer Verlag. pp. 40–98. ISBN 0895741911 
  7. Chatterjee, S. (1985). «Postosuchus, a new thecodontian reptile from the Triassic of Texas and the origin of tyrannosaurs». Philosophical Transactions of the Royal Society of London, B. 309: 395–460. doi:10.1098/rstb.1985.0092 
  8. Carroll, R. L. (1988). Vertebrate Paleontology and Evolution. New York: W. H. Freeman and Company. pp. 1–698. ISBN 0-7167-1822-7 
  9. Sennikov, A. G. (1995). «Ranniye Tekodont Vostochnoy Yevropy». Moscow. Trudy Paleontologicheskogo Instituta. 263: 1–141 
  10. Gower, D. J.; and Schoch, R. R. (2009). «Postcranial anatomy of the rauisuchian archosaur Batrachotomus kupferzellensis». Journal of Vertebrate Paleontology. 29 (1): 103–122 
  11. Nesbitt, S. J. (2005). «Osteology of the Middle Triassic pseudosuchian archosaur Arizonasaurus babbitti». Historical Biology. 17: 19–47 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]