Redinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Redinha (desambiguação).
 Portugal Redinha  
—  Freguesia  —
Redinha está localizado em: Portugal Continental
Redinha
Localização de Redinha em Portugal
Coordenadas 40° 0' 14" N 8° 35' 04" O
País  Portugal
Concelho PBL1.png Pombal
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Carlos Manuel Ribeiro Rosa Clemente (PPD/PSD)
Área
 - Total 42,08 km²
População (2011)
 - Total 2 117
    • Densidade 50,3 hab./km²
Orago Nossa Senhora da Conceição

Redinha é uma freguesia portuguesa do concelho de Pombal e paróquia da Diocese de Coimbra, com 42,08 km² de área e 2 117 habitantes (2011). A sua densidade populacional é de 50,3 h/km².

Localiza-se na zona nordeste do município.

História[editar | editar código-fonte]

Foi vila e sede de concelho entre 1159 e 1842. Era constituído pelas freguesias de Redinha e Tapéus e tinha, em 1801, 1 848 habitantes.

Habitada desde a romanização, teve o seu primeiro foral em 1159 que foi concedido por D. Gualdim Pais, mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários.

Em 29 de Janeiro de 1186 o papa Urbano III faz seguir a bula Intelleximus ex autentico ao mestre e cavaleiros da Ordem do Templo para lhes confirmar as igrejas de Pombal, Ega e Redinha, construidas nas terras que lhes doara D. Afonso Henriques e toma-as debaixo da protecção da Santa Sé[1].

No século XIV com a extinção da Ordem do Templo passou para a Ordem de Cristo.

Teve foral novo, outorgado por D. Manuel I, a 16 de Maio de 1513, iniciando-se um período de prosperidade que veio a terminar com as invasões francesas. É hoje uma das freguesias mais importantes no panorama turístico concelhio.

Foi sede de concelho. Tinha edifício de Câmara, Prisão e Forca, tudo isto até às Invasões Francesas. Com este acontecimento todas as autoridades fugiram para Pombal, daí que deixou de ser concelho.

Ligou-se a Pombal no ano de 1842, do qual seria desmembrado por Decreto de Lei de 7 de Setembro de 1895 para integrar o de Soure; mas voltou definitivamente para o concelho de Pombal por vontade da população pelo Decreto de 13 de Janeiro de 1998.

Sobre a toponímia desta freguesia, algumas pessoas dizem que veio de Roda, passando a Rodinha e posteriormente a Redinha.

Situa-se no extremo Nordeste do concelho, na confluência deste concelho com os de Soure e Ansião, estendendo-se pela vertente Norte e Oeste da Serra de Sicó.

No primeiro quartel do século XX, Redinha era descrita pelo Guia de Portugal como uma “povoação muito pitoresca com os seus moinhos movidos pela corrente do Anços, afluente de Arunca. À entrada da vila, ponte de pedra de três arcos de grande antiguidade”. Crê-se que aqui existiu uma cidade romana, da qual existem bastantes vestígios inexplorados no século VIII.

Foi um fluorescente concelho, com edifício da câmara, cadeia, forca e o seu pelourinho de cabeça cúbica e levado sobre um escadório poligonal de cinco degraus.

Localidades[editar | editar código-fonte]

Agudos - Alvito - Anços - Arrancada - Arroteia - Barbosa - Barreiras - Bernardos - Boavista - Cabeço da Pena Redonda - Cabeço dos Corutos - Caeiro -Carramanha - Caruncho - Charneca - Corredoural - Costa do Alvito - Covão da Figueira - Ereiras - Estrada de Anços - Galiana - Gonçalinha - Gravio - Jagardo - Lâmpada - Martingança - Marco do Sul - Montais - Montalegre - Monte do Meio - Monte do Parabelo - Monte do Poio - Outeiro da Forca - Outeiro de Já Vou - Passada Má - Pelónia - Poio Velho - Poios - Pousadas Vedras - Quinta do Durão - Quinta do Tojal - Redinha - Senhora da Estrela - Vale de Sorsa - Vale do Poio - Vale Fetos - Vale Mansos - Vale Mouro - Zambujal

Património[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Quadro Elementar Das Relações Politicas E Diplomaticas De Portugal Com As Diversas Potencias Do Mundo Desde O Princípio Da Monarchia Portuguesa Até Nossos Dias, Visconde de Santarém, Tomo Oitavo, pág. 24, Casa JP Aillaud, Pariz, 1853

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.