Renata Falzoni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Renata Falzoni
Nascimento 02 de setembro de 1953 (64 anos)
São Paulo, SP
Ocupação Jornalista, Cicloativista, Bikerrepórter,Videorrepórter, Fotógrafa

Renata Falzoni, (São Paulo, 2 de setembro de 1953) é fotógrafa, videorrepórter, bikerrepórter e cicloativista. Foi pioneira na valorização do uso da bicicleta no Brasil,[1] tendo sido uma das fundadoras do Night Biker's Club do Brasil no ano de 1989.[2]

Formação[editar | editar código-fonte]

É formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie no ano de 1977. Ingressou no fotojornalismo em 1979[3] e durante os anos 1980 Renata trabalhou como repórter fotográfica em diversos veículos de comunicação brasileiros. No final da década de 80 tornou-se videorrepórter e foi uma das pioneiras da linguagem no Brasil, tendo se especializado na cobertura de eventos de aventura.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Entrou para a ESPN Brasil em 1995 como consultora e videorrepórter, onde produziu e apresentou o programa "Aventuras com Renata Falzoni", que foi ao ar por 12 anos nos canais de tv a cabo ESPN, ESPN Brasil e ESPN HD. Em 10 de fevereiro de 2011, o seu programa foi a primeira atração nacional transmitida em alta definição na ESPN HD.[5] Renata desligou-se dos canais ESPN em 2013 e desde então é publisher do portal Bike é Legal, voltado para a defesa da mobilidade sustentável sobretudo em bicicleta. Entre Junho de 2014 e setembro de 2016, Renata contribui como videorrepórter especial do Jornal da Gazeta da TV Gazeta.

Renata também foi uma das pioneiras na cobertura jornalística em bicicleta. No ano de 2000, foi convidada por Arturo Alcorta para ser bikerrepórter na rádio Eldorado. A iniciativa durou até novembro de 2001 e foi retomada em abril de 2008[6] e seguiu até o ano de 2012.

Atualmente Renata dirige o Bike é Legal, um portal na internet focado na mobilidade sustentável e o ciclismo como transporte, esporte e lazer.

Cicloativismo[editar | editar código-fonte]

Além de atuar como fotojornalista e videorrepórter, Renata também se notabilizou pela defesa da bicicleta. Em 1996 candidatou-se ao cargo de vereadora pela cidade de São Paulo, tendo obtido 8.793 votos, número insuficiente para sua eleição.

No ano de 1998, após a promulgação do novo Código de Trânsito Brasileiro pedalou durante 17 dias de Paraty até Brasília. A iniciativa fez para da campanha "Bicicleta Brasil, Pedalar é um Direito" que visava dar notoriedade ao fato que a bicicleta finalmente havia sido reconhecida como veículo pela lei de trânsito brasileira. Renata foi diretora de comunicação do Instituto Pedala Brasil[7] até a extinção da entidade em 2015.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de dezembro de 2010, foi homenageada com a Medalha de Anchieta e um Diploma de Gratidão na Câmara Municipal de São Paulo.[8] Um reconhecimento pelos mais de 30 anos de luta em prol da bicicleta, entregue pelo destacado político defensor da bicicleta como meio de transporte, Chico Macena.[9]

Em agosto de 2010 foi homenageada, juntamente com outras personalidades do esporte, durante o festival esportivo ao ar livre Shimano Fest.[10]

Durante as comemorações que antecederam os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro em 2007, Renata pedalou carregando a tocha Olímpica pela cidade de Campinas.[11]

Em 24 de julho de 2016, Renata mais uma vez pedalou carregando a Tocha Olímpica,[12][13] dessa vez a da Rio 2016.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.