Rio Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados da palavra, veja Lima (desambiguação).
Rio Lima
Rio Lima, em Ponte de Lima
Comprimento 135 km
Nascente monte Talariño, Espanha
Altitude da nascente 975 m
Foz Viana do Castelo, Atlântico
Altitude da foz 0 m
Área da bacia 2 370,0 km²
Afluentes
principais
Rio Vez e rio Castro Laboreiro
País(es) Flag of Spain.svg Espanha , Portugal Portugal

O rio Lima (em galego Limia) é um curso de água internacional que atravessa o Alto Minho, no Norte de Portugal e que nasce a uma altitude de 975 m no monte Talariño, na província de Ourense, na Galiza, Espanha. No seu percurso galego, de 41 km, o rio é muitas vezes designado por nomes locais, como Talariño, Freixo ou Mourenzo, apesar da designação oficial galega ser Limia; aí passa, entre outras povoações da[província de Ourense, por Xinzo de Limia, à qual dá o nome.

Entra em Portugal, próximo do Lindoso e de Soajo, e passa por Ponte da Barca e Ponte de Lima, até desaguar no oceano Atlântico junto a Viana do Castelo, após percorrer um total de 135 km.

Pertencente à bacia hidrográfica do rio Lima e à região hidrográfica do Minho e Lima. O seu contorno a norte é formado pela serra do Soajo e linha divisória do rio Minho até à serra de Arga e desta até ao Oceano Atlântico pelas serras de Perre e Santa Luzia; ao sul pelas serras da Amarela, Nora e Faro[1].

Em Portugal, tem um comprimento aproximado 66,9 km e uma área de bacia de aproximadamente 2370 km².[2]


Mitologia e história[editar | editar código-fonte]

Recriação histórica da travessia do Rio Lima por Décimo Júnio Bruto, na "Festa do Esquecimento", em Xinzo.

Este rio foi indicado como sendo o mitológico Lete por Estrabão e fabulado profusamente na mitologia greco-romana como o rio do esquecimento, da dissimulação. Também era chamado de Belion.

Mitologia e geografia cruzaram-se num momento histórico, em 138 a.C., durante a conquista romana da Península Ibérica. Quando o general romano Décimo Júnio Bruto Galaico dispõe-se a derrubar o mito, já que o rio impedia a progressão da sua campanha militar na região. Atravessou o Lima só e, da outra margem, chamou os seus soldados, um por um, pelos seus nomes. Os seus soldados, espantados pelo facto do seu general manter a memória, atravessaram então o rio, sem medo, claudicando o mito do Lete. Este evento histórico é recriado em Xinzo, Espanha, numa festa chamada "Festa do Esquecimento".[3]

Afluentes mais importantes[editar | editar código-fonte]

Da nascente para a foz, estes são os afluentes mais importantes do rio Lima, em território português:

Margem do Rio Lima


Pontes sobre o rio Lima[editar | editar código-fonte]

Sobre o rio Lima, podemos encontrar várias pontes, algumas com importância histórica, das quais se destacam:

Rio Lima; à esquerda a Várzea e a serra do Soajo

Barragens no rio Lima[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. O Minho pittoresco, de José Augusto Vieira, Lisboa: Livraria de António Maria Pereira, 1886-1887, 1º volume
  2. a b «Atlas da Água». Classificação Decimal das Linhas de Água. SNIRH. Consultado em 12 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 20 de junho de 2007 
  3. «Festa do Esquecemento». Asociación Española de Fiestas y Recreaciones Historicas (em espanhol). 15 de abril de 2017. Consultado em 24 de junho de 2020 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Rio Lima
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.