Rio Moa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o rio homônimo, veja rio Moa (Serra Leoa).
Rio Moa
Comprimento
Posição: oeste–leste
Foz Rio Juruá
Afluentes
principais
Vários igarapés (Preto, Mosquito, São Francisco, entre outros)
País(es) da
bacia hidrográfica
 Brasil  Peru

O rio Moa é um rio brasileiro que banha o estado do Acre. Situado na Serra do Divisor, fronteira Brasil–Peru, em suas nascentes está o ponto extremo ocidental do Brasil, a 07° 33' 13" de latitude sul e 73° 59' 32" de longitude oeste, no município de Mâncio Lima. Sua nascente principal está em território peruano.

História[editar | editar código-fonte]

Apesar de a área do rio Moa ter pertencido à Bolívia até 1903, ano em que o Brasil anexou o Acre, desde 1883 que há brasileiros assentados na região, como o seringueiro cearense Antonio Marques de Menezes, que possuía nessa data um seringal na foz do Moa.[1]

Bacia hidrográfica[editar | editar código-fonte]

O rio, que é afluente do rio Juruá, possui muitas cachoeiras e corredeiras e nesse região encontra-se a maior variedade de palmeiras do mundo.[2] A temperatura média anual do curso é de 23,5°C, o qual é navegável por embarcações de pequeno calado quase o ano todo. Em algumas épocas do ano, surgem trechos de corredeiras e é possível a prática de esportes radicais.

Na margem direita do rio, habitam os índios Nukini, no interior do parque. Existe processo em andamento para a criação da «Reserva Indígena do Rio Moa», que abrigará também índios da etnia Nawa.[3]

O Moa está localizado no Parque Nacional da Serra do Divisor, que é o quarto maior parque nacional do Brasil e foi criado em 1989.[2] O parque não está aberto para visitação e não possui infraestrutura. Cruzeiro do Sul é a cidade mais próxima do parque.

Referências

  1. Victor Leonardi (2000). Fronteiras amazônicas do Brasil: saúde e história social Marco Zero [S.l.] p. 181. ISBN 9788527903134. 
  2. a b Marta Góes (2003). Brazilian cultural landscape, North Region Editora Terceiro Nome [S.l.] p. 159. ISBN 8587556282. 
  3. Beto Ricardo; e Fany Ricardo (2006). Povos Indígenas no Brasil - 2001/2005 Instituto Socioambiental [S.l.] p. 880. ISBN 8585994401. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.