Século XIII a.C.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Século XIV a.C. - Século XIII a.C. - Século XII a.C.

O século XIII a.C. começa em 1300 a.C e termina em 1201 a.C.

Eventos[editar | editar código-fonte]

América[editar | editar código-fonte]

Extremo Oriente[editar | editar código-fonte]

c. 1300 a.C.1046 a.C.: Na China, a dinastia Xangue floresce ao estabelecer sua capital, Yin Xu , perto de Anyang. [1] Os colonos chineses se aglomeram em grupos compactos para criar novas áreas de clareira em direção à bacia do Yangtzé no sul, os terraços de Xanxim no noroeste e o vale do rio Wei. Os chineses, então, parecem frequentemente travar guerra com as populações ainda não-sinicizadas que habitam o vale do rio Huai. Túmulos em forma de covas cruciformes foram descobertos em Anyang contendo carruagens com suas cangas, numerosos vasos de bronze e os restos de sacrifícios humanos, bem como as primeiras inscrições chinesas em ossos de oráculos (Jiaguwen) ou vasos de bronze. [2] Os exércitos da China são organizados em infantaria e arqueiros em companhias de cem homens, apoiando seções de cinco bigas.[3]

Subcontinente Indiano[editar | editar código-fonte]

c. 1300 a.C.: Os arianos dominam o noroeste da Índia até o rio Sarasvati. [4] Os Vedas mencionam os Dasas (escravos) como seus inimigos. Dasas é interpretado como sendo uma tribo iraniana do norte, Dahae. Os arianos na época estavam organizados em monarquias tribais chefiadas por um rajá (rei), que compartilha o poder com dois conselhos ou assembleias que se diferenciarão ao longo do tempo, o sabhā (tribunal de justiça) e o samiti (conselho de guerra). [5] Apenas um rajá é nomeado no Rigveda: Sudas dos Bharatas, uma tribo estabelecida no curso superior de Sarasvati. Ele é descrito como o vencedor da coalizão de dez reis, o mais poderoso dos quais foi Pûru. Posteriormente, os Kurus assumem o controle dos Bharatas. [6]

Oceania[editar | editar código-fonte]

c. 1260 a.C: A cerâmica lapita descoberta em Bourewa, a sudoeste de Viti Levu (Fiji), data deste período.

Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

Europa[editar | editar código-fonte]

  1. San, Tan Koon (2014). Dynastic China. [S.l.]: The Other Press. p. 17. ISBN 978-983-9541-88-5 
  2. Soutif, Michel (2012). L'Asie, source de sciences et de techniques. [S.l.]: EDP Sciences. p. 33. ISBN 978-2-7598-0125-1 
  3. Gabriel, Richard A. (2002). The Great Armies of Antiquity. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. p. 143. ISBN 978-0-275-97809-9 
  4. Daniélou, Alain (1983). Histoire de l'Inde. [S.l.]: Fayard. p. 223. ISBN 978-2-213-63953-6 
  5. Masson-Oursel, Paul; Stern, Philippe; de Willman-Grabowska, H (2012). L'Inde antique et la civilisation indienne. [S.l.]: Éditions Albin Michel. p. 88. ISBN 978-2-226-26086-4 
  6. Boivin, Michel (2015). Histoire de l'Inde. [S.l.]: Presses Universitaires de France. p. 8. ISBN 978-2-13-073032-3 
  7. Clutton-Brock, Juliet (2014). The Walking Larder : Patterns of Domestication, Pastoralism, and Predation. [S.l.]: Routledge. p. 133. ISBN 978-1-317-59838-1 
  8. Lemaire, André. «Les Araméens, un peuple, une langue, une écriture, au-delà des empires». www.clio.fr 
  9. Lemaire, André (2018). Histoire du peuple hébreu. [S.l.]: Presses Universitaires de France. p. 9. ISBN 978-2-13-081069-8 
  10. Frédéric, Encel. Comprendre le Proche-Orient. [S.l.]: Éditions Bréal. p. 137. ISBN 978-2-7495-2074-2