Segundo milénio a.C.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de 1200 a.C.)
segundo milênio a.C.
XX a.C.XIX a.C.XVIII a.C.XVII a.C.XVI a.C.XV a.C.XIV a.C.XIII a.C.XII a.C.XI a.C.

O segundo milênio a.C. inicia-se em 1º de janeiro de 2000 a.C. e termina em 31 de dezembro de 1001 a.C.. As culturas do Antigo Oriente Próximo estão bem dentro da era histórica: a primeira metade do milênio é dominada pelo Egito e pela Babilônia. O alfabeto se desenvolve. No centro do milênio, uma nova ordem emerge com o domínio da Grécia Minóica no Egeu e a ascensão do Império Hitita. O final do milênio vê o Colapso da Idade do Bronze e a transição para a Idade do Ferro.

Outras regiões do mundo ainda estão no período pré-histórico. Na Europa, a cultura do Vaso Campaniforme introduz a Idade do Bronze, presumivelmente associada à expansão indo-européia. A expansão indo-iraniana atinge o planalto iraniano e o subcontinente indiano (Índia védica), propagando o uso da carruagem. A Mesoamérica entra no período Pré-Clássico (Olmeca). A América do Norte está no estágio arcaico tardio. No sudeste da Ásia marítima, a expansão austronésica atinge a Micronésia. Na África Subsaariana, começa a expansão bantu.

A população mundial aumenta de forma constante, possivelmente ultrapassando a marca de 100 milhões pela primeira vez.[1]

Mapa geral do mundo no final do segundo milênio aC, codificado por cores por estágio cultural:
  Caçadores-coletores Mesolíticos ou Paleolíticos
  Pastores nômades
  sociedades agricultoras simples
  sociedades agriculturas complexas
  estados-nações (reinos)

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Meados da Idade do Bronze[editar | editar código-fonte]

Despendendo grande parte de suas energias na tentativa de se recuperar da situação caótica que existia na virada do milênio, as civilizações mais poderosas da época, Egito e Mesopotâmia, voltaram sua atenção para objetivos mais modestos. Os faraós do Império Médio do Egito e seus contemporâneos Reis da Babilônia, de origem amorreu, trouxeram boa governança sem muita tirania e favoreceram a arte e a arquitetura elegantes. Mais a leste, a civilização do Vale do Indo estava em um período de declínio, possivelmente como resultado de inundações intensas e ruinosas.

As táticas militares do Egito e da Babilônia ainda eram baseadas em soldados a pé transportando seu equipamento em burros. Combinada com uma economia fraca e dificuldade em manter a ordem, esta era uma situação frágil que desabou sob a pressão de forças externas às quais eles não podiam se opor.

Agitação do século 16 a.C[editar | editar código-fonte]

Cerca de um século antes da metade do milênio, bandos de invasores indo-europeus vieram das planícies da Ásia Central e varreram a Ásia Ocidental e o Nordeste da África. Eles estavam montando carruagens de duas rodas movidas a cavalos, um sistema de armamento desenvolvido anteriormente no contexto da guerra nas planícies. Esta ferramenta de guerra era desconhecida entre as civilizações clássicas. Os soldados de infantaria do Egito e da Babilônia foram incapazes de se defender dos invasores: em 1630 aC, os hicsos invadiram o delta do Nilo e, em 1595 aC, os hititas invadiram a Mesopotâmia.

Idade do Bronze - Final[editar | editar código-fonte]

Os povos no local se adaptaram rapidamente às novas táticas, e uma nova situação internacional resultou da mudança. Embora durante a maior parte da segunda metade do segundo milênio a.C várias potências regionais competissem implacavelmente pela hegemonia, muitos desenvolvimentos ocorreram: houve uma nova ênfase na arquitetura grandiosa, novas modas de roupas, correspondência diplomática vívida em tábuas de argila, trocas econômicas renovadas e O Reino do Egito desempenhou o papel da principal superpotência. Entre os grandes estados da época, apenas Babilônia se absteve de participar das batalhas, principalmente por sua nova posição como capital religiosa e intelectual do mundo conhecido.

A civilização da Idade do Bronze, em seu período final de tempo, exibia todos os seus traços sociais característicos: baixo nível de urbanização, pequenas cidades centradas em templos ou palácios reais, separação estrita de classes entre uma massa analfabeta de camponeses e artesãos e uma poderosa elite militar, conhecimento da escrita e educação reservados a uma pequena minoria de escribas e pronunciada vida aristocrática.

Perto do final do segundo milênio aC, novas ondas de bárbaros, desta vez cavalgados, destruíram totalmente o mundo da Idade do Bronze, e foram seguidas por ondas de mudanças sociais que marcaram o início de diferentes tempos. Também contribuíram para as mudanças os Povos do Mar, incursores marítimos do Mediterrâneo.

Eventos[editar | editar código-fonte]

2000 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • Trabalhos de metal no Peru.
  • Migrações aqueias para a Grécia
  • Evolução do Império Hitita.

1900 a.C.[editar | editar código-fonte]

1800 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • Por essa época apareceu a Cultura Sechin no Peru
  • Entre 1800 e 1700 foram feitos os poemas sumérios Gilgamesh e Humbaba e a narrativa do dilúvio no Atrahasis.[2]

1750 a.C.[editar | editar código-fonte]

1700 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • Por volta deste período surgiu o alfabeto semítico setentrional, base de todos os alfabetos atuais.
  • Migrações jônicas e eólias para a Grécia.
  • Fundação do Reino de Cuxe
  • 1737 a.C. De acordo com a tradição hebraica, Abraão cruza o Eufrates a caminho de Canaã;
  • Os poemas babilônicos sobre Gilgamesh são consolidados entre 1700 e 1600.[2]

1600 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • Cultura Shang se desenvolve na China.
  • Início da Grécia Micênica devido a difusão das culturas minoica e aqueia.
  • Entre 1600 e 1300 os poemas babilônicos de Gilgamesh passam a serem transmitidos.[2]

1580 a.C.[editar | editar código-fonte]

1522 a.C[editar | editar código-fonte]

  • De acordo com a tradição hebraica, em algum ano do século XVI a.C, fortes secas obrigaram os hebreus a deixarem a Palestina e migrarem para o Egito.

1500 a.C.[editar | editar código-fonte]

1450 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • Por volta deste ano os Vedas, escritos sagrados dos hindus foram compostos.

1400 a.C.[editar | editar código-fonte]

1369 a.C.[editar | editar código-fonte]

1300 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • A edição canônica em acádio da história de Gilgamesh, Ele que o abismo viu é realizada entre 1300 e 1200 a.C.[2]

1279 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • Início do reinado de Ramessés II que duraria 67 anos. O seu reinado foi possivelmente o mais prestigioso da história egípcia tanto no aspecto económico, administrativo, cultural e militar.

1250 a.C.[editar | editar código-fonte]

1260 a.C[editar | editar código-fonte]

  • De acordo com os relatos bíblicos, por volta deste ano os hebreus conseguem deixar o Egito. O episódio é conhecido como Êxodo, ou fuga, e segundo a tradição judaica-cristã-islâmica teria sido liderado por Moisés.

1206 a.C.[editar | editar código-fonte]

1200 a.C.[editar | editar código-fonte]

1184 a.C.[editar | editar código-fonte]

1100 a.C.[editar | editar código-fonte]

1027 a.C.[editar | editar código-fonte]

1021 a.C.[editar | editar código-fonte]

1005 ou 1004 a.C.[editar | editar código-fonte]

  • Um dos prováveis anos de fundação da cidade de Jerusalém.
  1. Klein Goldewijk, K. , A. Beusen, M. de Vos and G. van Drecht (2011). The HYDE 3.1 spatially explicit database of human induced land use change over the past 12,000 years, Global Ecology and Biogeography20(1): 73-86. doi:10.1111/j.1466-8238.2010.00587.x (pbl.nl). Jean-Noël Biraben, "Essai sur l'évolution du nombre des hommes", Population 34-1 (1979), 13-25 (p. 22) estimates c. 80 million in 2000 BC and c. 100 million at 1200 BC.
  2. a b c d Sin-léqi-unnínni (2017). Ele que o abismo viu. Traduzido por Jacyntho Lins Brandão. [S.l.]: Autêntica. p. 23-24. ISBN 978-85-513-0283-5