Silent Hill (jogo eletrônico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a adaptação para o cinema, veja Silent Hill (filme).
Silent Hill
Arte da capa norte-americana que mostra o protagonista Harry Mason e sua filha Cheryl.
Desenvolvedora(s) Konami Computer Entertainment Tokyo
(Team Silent)
Publicadora(s) Konami
Diretor(es) Keiichiro Toyama
Produtor(es) Gozo Kitao
Escritor(es) Keiichiro Toyama[1]
Artista(s) Takayoshi Sato
Masahiro Ito
Naoko Sato [2]
Compositor(es) Akira Yamaoka
Plataforma(s) PlayStation
Série Silent Hill
Data(s) de lançamento
  • JP 4 de março de 1999
  • AN 31 de janeiro de 1999
  • EU 24 de fevereiro de 1999
Gênero(s) Terror de sobrevivência
Terror psicológico
Modos de jogo Um jogador
Silent Hill 2

Silent Hill[nt 1] é um jogo eletrônico de survival horror publicado pela Konami e desenvolvido pela Team Silent, um grupo Konami Computer Entertainment Tokyo. Foi lançado para o PlayStation na América do Norte em janeiro de 1999, e no Japão e na Europa mais tarde naquele ano. Silent Hill emprega uma visão em terceira pessoa e ambientes tridimensionais em tempo real. Os desenvolvedores usaram a névoa e a escuridão para disfarçar as limitações de hardware do PlayStation. Ao contrário dos jogos anteriores de survival horror que se concentravam em protagonistas com treinamento de combate, o personagem do jogador de Silent Hill é um um homem comum.[3]

O jogo segue Harry Mason enquanto ele procura por sua filha na cidade americana ficcional de Silent Hill. No decorrer do enredo, Harry vai descobrir a verdade sobre a cidade e um culto religioso que deseja realizar um ritual para trazer uma divindade à terra. O jogo possui cinco finais, que são obtidos de acordo com as ações tomadas pelo jogador, incluindo um final piada.

Silent Hill recebeu críticas positivas dos críticos e foi um sucesso comercial. O jogo é considerado um dos mais importantes no gênero de survival horror, afastando-se de elementos de terror de filmes B e se focando em um estilo de terror psicológico enfatizando a atmosfera.[3] Várias adaptações de Silent Hill foram lançadas, incluindo uma visual novel, um filme live-action e uma reimaginação, intitulada Silent Hill: Shattered Memories. A sequência direta do jogo, Silent Hill 3, foi lançada em 2003, enquanto seu predecessor Silent Hill: Origins, foi lançado em 2007.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Sete anos atrás Harry Mason e sua esposa encontraram um bebê numa estrada e o adotaram como se fosse sua filha, eles deram o nome de Cheryl a ela. Mesmo depois que sua esposa faleceu, Harry continuou a amar Cheryl como sua própria filha.

No começo do jogo, nós encontramos Harry Mason e Cheryl, de férias, indo para Silent Hill. Estranhos eventos ocorrem antes que eles entrem na cidade. Uma policial, numa moto, passa à frente deles. Momentos depois, Harry vê a moto caída na beira da estrada e a policial não está em parte alguma. Logo depois, uma figura de uma garota subitamente aparece na estrada. Harry tenta desviar,derrapa o carro e desmaia.Quando retorna a consciência, Harry descobre que Cheryl se perdeu e ele se percebe no meio de um mal que devagar envolve Silent Hill, sem saber que a única maneira de sair dali é pelo sacrifício da própria filha.

A cidade de Silent Hill é dividida em três partes distintas: a Silent Hill normal, a Silent Hill escura e a Silent Hill alternativa. As leis da física parecem não existir na realidade alternativa, na qual a cidade mergulha de vez em quando. O chão é feito de grade sem nenhum tipo de sustentação visível (como se a cidade flutuasse, talvez para mostrar que aquela realidade não é física nem real), portas levam a lugares distantes (às vezes, separados até mesmo por quilômetros), mesmo sem energia elétrica, aparente, TVs e sons se ligam quando bem entendem e a lanterna e o rádio de Harry, apesar de portáteis, não conseguem acabar com as baterias.

Em Silent Hill, a personagem Alessa Gillespie e sua mãe Dahlia Gillespie são mostradas juntamente com outros personagens, tentando reviver o antigo culto da cidade. Dahlia tenta queimar sua filha, que tem poderes psíquicos e é chamada de bruxa no colégio, dentro de casa em sacrifício ao antigo deus do culto, Samael. Com quase 100% do corpo queimado e dominada por ódio, Alessa é levada ao Hospital Alchemilla, onde é colocada em um quarto obscuro de uma ala subterrânea para ser "tratada" e oferecida novamente em sacrifício. Mas, com seus poderes, Alessa divide sua alma em dois. Uma metade fica no hospital, dormente, sofrendo e tendo pesadelos constantes, e a outra metade é entregue nas mãos de Harry Mason e sua esposa.

Sua enfermeira pessoal, Lisa Garland, diz em um registro em video que não entende como o corpo de Alessa consegue se manter vivo com tantas queimaduras. Esta por outro lado, tem sua memória afetada durante a época de cuidado intensivo de Alessa por terem lhe sido administradas drogas pelo diretor do hospital, Dr. Michael Kauffman, que tem uma ligação de benefícios com Dahlia Gillespie.

Quando Cheryl é levada à cidade de Silent Hill, já com sete anos de idade, estranhos acontecimentos ocorrem. Alessa, já com 14 anos, acorda e sai do hospital para encontrar a sua metade. Isso ocorre quando Harry entra em um beco e é atacado por pequenos monstros chamados "Mumblers". Perdendo a consciência, ele é encontrado por Cybil Benett, a policial que ultrapassou o carro de Harry no início do jogo. Ai se inicia uma busca por sua filha perdida, que não tendo sucumbido totalmente a vontade de Alessa, deixa bilhetes para o pai, para que ele consiga seguí-la.

O Flauros é um objeto que pode acabar com os poderes de Alessa, assim como o Aglaophotis, que é apenas uma mistura de ervas sem valor no mundo real, mas que Alessa acredita ser fatal (juntamente com o Flauros, que ela acredita trazer os poderes de Metatron) e sendo criadora do submundo (devido aos pesadelos constantes que viveu durante tantos anos e que agora foram externados com a ajuda da sua outra metade), estas ervas e o Flauros são realmente fatais para os monstros.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Influências[editar | editar código-fonte]

Nomes das ruas[editar | editar código-fonte]

Os nomes das ruas são inspirados nos seguintes autores de livros de horror:

Portas de Nowhere[editar | editar código-fonte]

Os nomes das portas de Nowhere são inspirados em nomes de espíritos olímpicos:

Nomes dos personagens[editar | editar código-fonte]

  • Harry Mason,- A origem de seu nome vem de "Humbert Humbert" personagem principal do livro "Lolita", protagonizado por James Mason na adaptação cinematográfica de 1962 dirigida por Stanley Kubrick. O nome foi alterado pela equipe inglesa por ser incomum, sendo Harry o apelido de quem nomeou o personagem.
  • Cheryl Mason - Originalmente seu nome seria Dolores (nome verdadeiro da personagem "Lolita"), pela mesma razão do nome do Harry, mas foi fortemente criticado e rejeitado. O nome provém da atriz americana Sheryl Lee, mas não tem um significado em particular.
  • Dahlia Gillespie - Ela é nomeada a partir do nome da esposa do diretor de cinema Dario Argento que fez muitos filmes de Terror sendo um especialista no gênero.
  • Alessa Gillespie - Inicialmente seu nome seria Asia, que é o nome da atriz Asia Argento, filha do diretor de filme italiano Dario Argento, mas por ser um nome incomum foi alterado.
  • Lisa Garland - Seu primeiro nome vêm da atriz que interpretou uma enfermeira e é uma assassina no filme Sanguelia. Seu sobrenome deriva de Judy Garland, que fez a Dorothy no filme O Mágico de Oz.
  • Michael Kaufmann - Seu nome é a combinação dos nomes Lloyd Kaufman e Michael Herz, dois produtores do Estúdio Troma, conhecidos por vários filmes como "The Toxic Avenger". Não tem nenhum significado profundo.
  • Cybil Benett - Seu nome é uma alusão entre a modelo Sybil Bucky e a atriz Sybil Danning. O sobrenome vem de uma policial real que foi assassinada, Lawrencia Bembenek. Foi ligeiramente alterado para soar mais comum.

Créditos da produção[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Silent Hill Original Soundtrack

A trilha sonora original de Silent Hill composta por Akira Yamaoka, foi lançada no Japão no dia 5 de Março de 1999 e foi catalogada com o número KICA-7950.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Silent Hill (サイレントヒル, Sairento Hiru?)

Referências

  1. «クリエイターズファイル 第127回» (em japonês). Gpara.com. 4 de novembro de 2003. Consultado em 4 de abril de 2017 
  2. http://www.imdb.com/title/tt0194376/fullcredits?ref_=tt_ov_st_sm
  3. a b Fahs, Travis (30 de outubro de 2009). «IGN Presents the History of Survival Horror» (em inglês). IGN. p. 5. Consultado em 4 de abril de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]