Teatro Popular do SESI

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Disambig grey.svg Nota: Se procura teatro de Porto Alegre, veja Teatro do Sesi.

O Teatro Popular do SESI - TPS - foi uma companhia de teatro popular brasileira da cidade de São Paulo que existiu entre os anos de 1962 a 1993, proposta, organizada e dirigida por Osmar Rodrigues Cruz. O TPS, inicialmente um teatro experimental, teve como principal objetivo levar o teatro gratuitamente aos trabalhadores da indústria da cidade de São Paulo, inspirada no modelo do Théatre National Populaire do diretor francês Jean Vilar. É a companhia de teatro popular profissional com a mais longa existência em todo o mundo.

Inicialmente o TPS apresentava seus espetáculos no Bom Retiro, no Teatro da Associação Israelita do Brasil, o TAIB, mudando-se em 1977 para a Avenida Paulista, no novo prédio da FIESP. Após a aposentadoria de seu fundador, em 1992, a sala de espetáculos onde se apresentavam recebe o nome da companhia que o abrigou desde 1977 e de seu fundador, encerrando, ao mesmo tempo, as atividades do TPS como companhia permanente de teatro popular. O Teatro Popular do SESI (teatro) passa a ser palco de atividades de diferentes encenadores convidados pelo SESI a dirigirem seus espetáculos naquela casa.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

É curioso perceber que no mesmo ano (1948) em que o industrial paulista Franco Zampari fundava o TBCTeatro Brasileiro de Comédia, o Serviço Social da Indústria (SESI) passava a incentivar a prática teatral dentro das indústrias. Também é interessante notar que, enquanto o primeiro trazia à cena superproduções dirigidas à burguesia paulista, o segundo tinha a incumbência de criar espetáculos com operários em seus elencos e apresentá-los gratuitamente.

Nicanor Miranda, crítico e jornalista do jornal o Diário de São Paulo, foi idealizador do programa com operários, e o primeiro a cuidar do setor até 1955. Eram fundamentalmente atividades amadoras, com textos de Martins Penna e Viriato Corrêa. Osmar Rodrigues Cruz o sucedeu na direção do Serviço de Teatro do SESI de 1955 até 1991. É importante que se mencione que Nicanor Miranda também foi um dos fundadores do Teatro Brasileiro de Comédia.

Um dos encenadores (na época o termo usado era ensaiador) contratados para a tarefa de dirigir grupos na indústrias foi Osmar Rodrigues Cruz, que passou a dirigir um grupo na Rhodia, no município industrial paulista de Santo André, em 1951. No ano de 1957, a visita do Thèâtre National Populaire (TNP) e o pensamento do seu produtor e diretor teatral, o francês Jean Vilar influenciaram fortemente Osmar Rodrigues Cruz.

A palestra proferida por Villar no Teatro de Arena de São Paulo, intitulada "...Significado do Popular", estimulou Osmar a propor ao SESI um plano para a organização de uma companhia estável, cuja função seria montar espetáculos voltados ao gosto e às necessidades culturais do operariado paulista. A estréia do então chamado Teatro Experimental do SESI se deu em 30 de janeiro de 1959, no Teatro João Caetano, com Amar e Curar-se, de Thornton Wilder e O Homem de Flor na Boca, de Pirandello. Mas a temporada oficial, no mesmo teatro, se deu no ano de 1959, com o espetáculo A Torre em Concurso, de Joaquim Manuel de Macedo.

O Teatro Experimental do SESI era um elenco de caráter amador e o sucesso dessa e das produções seguintes levaram a diretoria da instituição a considerar a possibilidade de dar ao elenco e à iniciativa garantias mais perenes, profissionalizando-o. Desse modo, foi fundado o Teatro Popular do SESI, em 1963, a partir de duas premissas do plano de Osmar: "ingresso gratuito e elevado teor artístico nas realizações".

Fundação[editar | editar código-fonte]

A chamada "Fase Osmar" incluiu encenações das mais variadas, desde alguns textos clássicos até outros encomendados especialmente para a companhia, ou adaptados da literatura universal. Até 1977, o elenco do Teatro Popular do SESI - TPS apresentava-se em salas alugadas por temporada, como o Teatro da Associação Israelita do Brasil (TAIB), no bairro do Bom Retiro, onde apresentou a maioria de seus espetáculo. A partir de 1977 passou a contar com uma sala própria no prédio da FIESP, situado à Av. Paulista, que hoje leva o nome da companhia e de seu fundador. É ainda nesta fase que também são criados espetáculos para viajar, nas populares Caravanas do SESI pelo interior paulista. Nesta fase a maioria das montagens eram executadas sob a batuta de Osmar Rodrigues Cruz, que se aposentou em 1993. Era uma companhia que contava principalmente com os mesmos atores, entre eles Ruthnéa de Moraes e Nize Silva, mas que trazia atores convidados para seus espetáculos, como Cláudio Correa e Castro e Antonio Fagundes.

Espetáculos[editar | editar código-fonte]

Terceira fase: outros diretores[editar | editar código-fonte]

A partir da aposentadoria de Osmar Rodrigues Cruz, o SESI convidou uma comissão de profissionais encarregados de formar uma espécie de curadoria para produção de espetáculos no teatro, encerrando as atividades da companhia e não mais procurando os industriários como seu público alvo. Nesta fase foram convidados diretores dos mais variados estilos e para os mais variados gostos, com o objetivo de oferecer um painel da contemporânea criação teatral. A fase se estendeu desde 1993 até 1998 (aproximadamente), quando o SESI financiava e gerenciava as produções sob a coordenação de vários profissionais, entre eles o diretor Francisco Medeiros e a diretora Maria Lúcia Pereira.

Passam pelo palco do SESI encenadores que vão desde os veteranos Antônio Abujamra e Cacá Rosset, até os então novatos Gabriel Vilela, Bia Lessa e Ulysses Cruz. Esta fase estendeu-se até o final dos anos 90. Nesta época os elencos eram contratados para cada montagem, mantendo-se vínculo empregatício com a instituição apenas durante a montagem e exibição. A cada nova montagem eram selecionados novos atores.

Quarta fase: produções independentes[editar | editar código-fonte]

A partir de 1998/99, o SESI dissolveu seu departamento de produção e passou a contratar produções independentes por meio de edital, sem estabelecer qualquer vínculo empregatício.

Local das encenações[editar | editar código-fonte]

Está situado no prédio da FIESP na Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, inaugurada em 1977.

Foi utilizado desde o ano de 1977. Com a aposentadoria de seu principal encenador Osmar Rodrigues Cruz e diretor do departamento de teatro do SESI, assim como da companhia de teatro popular, o local recebeu o nome de Teatro Popular do Sesi Osmar Rodrigues Cruz.

Situado no prédio da FIESP pertence atualmente ao seu centro cultural, contando com galeria de arte e mezanino, recebendo exposições, performances e palestras.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]