The Gift (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Gift
The Gift @Aveiro.JPG
A banda, ao vivo em Aveiro, em 2015
Informação geral
Origem Alcobaça
País Portugal Portugal
Gênero(s) Alternativa, Independente, Pop
Período em atividade 1994 - presente
Gravadora(s) La Folie Records
Afiliação(ões) Hoje
Integrantes Sónia Tavares,Vocalista
Nuno Gonçalves,Teclista
John Gonçalves,Teclista e Baixista
Miguel Ribeiro, Guitarrista e Baixista
Ex-integrantes Ricardo Braga
Página oficial Website Oficial
Facebook Oficial

The Gift é uma banda portuguesa, de Alcobaça, formada em 1994. No seu reportório, escrito em sua grande maioria em inglês, estão temas como Ok! Do you Want Something Simple? (1998), Driving You Slow (2004) e Fácil de Entender (2006). Tem no curriculo discos produzidos por grandes nomes Ken Nelson, Brian Eno, Flood, Howie B

Biografia[editar | editar código-fonte]

Os primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Sónia Tavares, The Gift - foto de João Loureiro

Em Setembro de 94, Sónia Tavares, Nuno Gonçalves, Miguel Ribeiro e Ricardo Braga (com idades compreendidas entre os 16 e os 21 anos) inscreveram-se no Concurso de Música Moderna do Bar Ben, em Alcobaça. A banda acabaria por ir passando de eliminatória em eliminatória, até chegar à final, e terminaria em 2º lugar – para grande surpresa de todos dada a curta existência do grupo.

Encarando o resultado do concurso como uma vitória e um estímulo, os The Gift começaram a aspirar a mais e deram o seu primeiro concerto em nome próprio no Mosteiro de Alcobaça, em Julho de 95. Seguir-se-ia o Centro Cultural de Belém, no “Espaço 7-9”], em Setembro de 96 e o convite para tocar no Porto, no bar Labirintho, em Novembro desse ano. Foi nessa noite, com o incentivo do dono do bar, José Carlos Tinoco, que surgiu a ideia de gravar a primeira maqueta do grupo. Desde esse dia e até Maio de 97 os The Gift empenharam-se a 100% na preparação do seu primeiro registo discográfico, tendo como ambição mostrar a sonoridade da banda aos media e às editoras. Deste esforço nasceu Digital Atmosphere, CD composto por 6 temas e uma parte multimédia com entrevistas e vídeos da banda, gravado em casa e sem edição comercial.

A vocalista Sónia Tavares no Tour AM-FM, em Aveiro, 3 de Março de 2005 - foto de J.P. Casainho.

O objectivo de chamar a atenção da indústria musical não seria atingido da forma desejada, mas as expectativas relativamente à crítica musical viriam a ser ultrapassadas, obtendo de imediato o reconhecimento por parte dos media.

Ainda nesse ano os The Gift partiram para a estrada, percorrendo cerca de 630 auditórios (muitos deles esgotados) e editando no final da digressão um vídeo com os concertos do Centro Cultural de Belém e do Cine-teatro de Alcobaça. Logo após a "Digital Atmosphere Tour" a banda ficaria reduzida a quatro elementos, com a saída de Ricardo Braga, permanecendo com a formação com que continuaria até hoje, e estabeleceria o objectivo de editar um novo disco, como banda independente, suportando todas as despesas e sem qualquer tipo de apoio por parte de alguma editora discográfica.

2000-2010[editar | editar código-fonte]

Ganham, em 2005, na categoria de "Best Portuguese Act", o MTV Europe Music Awards, prémios entregues esse ano em Portugal. Este reconhecimento é obtido através do seu álbum duplo AM-FM. A 30 de Outubro de 2006 lançam o álbum ao vivo e DVD Fácil de Entender, cujo nome é o de uma canção cantada em Português e faixa escondida do álbum AM-FM que foi apresentada no decorrer da "AM-FM Tour".

Em 2007 ganham o Globo de Ouro (SIC/Caras) de Melhor Grupo com o álbum editado no ano transacto Fácil de Entender.

Em 2009, Nuno Gonçalves é convidado a regravar Amália Rodrigues, nascendo Amália Hoje, com participação da Sónia Tavares, Fernando Ribeiro dos Moonspell e Paulo Praça dos Plaza.[1] O disco foi lançado a 27 de Abril e foi tornado público em televisão na Gala XIV Globos de Ouro na SIC, no dia 17 de Maio de 2009.[2]. Entretanto a banda já está a preparar o sucessor de AM-FM com as gravações a serem feitas em Madrid[3].

2010 - 2015[editar | editar código-fonte]

Com o lançamento do último álbum da banda, Fácil de Entender, a ter acontecido em 2006, é anunciado o lançamento dum novo álbum, Explode, em Fevereiro de 2011. Foi gravado durante 6 meses em Madrid e teve como produtor Ken Nelson ( Coldplay, Badly Drawn Boy) O álbum foi disponibilizado no site da banda, ao preço que o consumidor desejasse pagar. Para apresentar as novas canções a banda programou para Março do mesmo ano, uma série de três concertos no Tivoli, Lisboa, e um em Madrid, em Maio.[4][5] O álbum em suporte físico foi colocado à venda em meados de Março de 2011.[6][7][8]

Foi anunciado a 19 de Setembro de 2011, a nomeação da banda para os prémios MTV Europe Music Awards, na categoria "Best Portuguese Act,

O primeiro single deste disco Explode chama-se Made for You e teve como protagonistas no video clip Lukas Haas e Isabel Lucas. Gravado em Los Angeles tinha a ideia ficcional da canção ser composta pelos dois.

Para alem deste primeiro single album que teve extraidos mais 3 singles e respectivos Videos. RGB, Race is Long e The Singles.

A digressão de Explode percorreu países como o Brasil, Estados Unidos, Espanha, Austrália.

No início do ano 2012, o site Art Vinyl elege o disco Explode, como uma das melhores capas do ano 2011. O álbum ficou em 27º lugar, numa lista de 50 melhores capas que inclui nomes como Coldplay, The Strokes e Jay-Z.[9] Ainda no início de 2012, e tendo passado menos de um ano do lançamento de Explode, a banda anuncia o lançamento de um novo álbum. Primavera foi lançado dia 9 de Janeiro, contendo doze faixas.[10]

Primavera foi gravado em 10 dias apenas na Black Box do Centro cultural de Belém. O disco teve como single a própria canção Primavera. O disco foi lançado numa digressão intensa com mais de 30 datas em teatros em Espanha e Portugal. Este disco é denso, profundo e foi gravado durante os meses de gravidez da vocalista Sónia Tavares.


2014 foi o ano da celebração dos 20 anos da banda. A banda editou um livro de Autoria de Nuno Galopim, um best of com temas novos, uma caixa com 3 dvds e dois cds. Foi um ano de celebração que teve como ponto alto os espectáculos no Meo Arena e no Pavilhão multi-usos de Guimarães.

Do disco 20 destaca-se o single Clássico. O tema teve um gigante nivel de airplay e rapidamente ficou conhecido como uma das musicas mais conhecidas da banda. O video Clip retrata e recria momentos deglória da banda. A digressão durou todo o ano de 2015. Em 2016 dava-se a conhecer aquilo que era o grande projecto de carreira da banda. O album Altar.


2016 - 2018 - ALTAR (produced and Co-writed by Brian Eno)[editar | editar código-fonte]

Altar foi gravado entre Meder (Galiza), Alcobaça e Londres. Foi um projecto ambicioso desde o inicio. O album teve composição repartida entre Nuno Gonçalves, Sónia Tavares e Brian Eno.

A produção teve a cargo de BRIAN ENO e as misturas foram realizadas por um parceiro de longa data de Brian Eno FLOOD.

Teve como single de estreia o tema Love Without Violins featuring Brian Eno.

O que a banda disse:

"No inicio foi o sonho. No inicio e no final. Saímos de casa dele os dois. Com a certeza de tudo e com a certeza de nada. Sim, vamos trabalhar.

No inicio de cada manha a neblina. Este disco foi gravado durante as 4 estações. Mas estas estações eram representadas diante dos nossos olhos todos os dias.

No inicio de cada manha a neblina. As duvidas, as forças que nem sempre existem, a ausência de amor. Ás 9 em ponto o sol entrava na sala grande, rodeada de cabos de várias cores, candeeiros de chão criteriosamente montados e ligados 24 horas por dia.

As 9 em ponto entrava o sol. Good Morning everyone. E ali tudo mudava.

O forte deste disco é sem duvida a sua construção. E isso é ingrato para quem o escuta. O forte deste disco é isso mesmo, a construção com neblina, sol, chuva e vento lá por fora.

As canções foram ganhando vida, corpo, raízes e folhas. Folhas goteando a água de uma manha húmida. Foram-se soltando de nós. Foram-se soltando de mim que as fazia no inicio, foram ganhando mãos que fque as ajudaram a subir montagens a pique. Foram ganhando a forma e o espírito próprios. Trabalhar com Brian Eno é isso mesmo, é dar uma vida nova às canções que eram nossas. E ficam a ser de ninguém . ficam a ser delas mesmo. Ganham vida, casa e família. Neste disco vivemos tudo.

Divórcios, filhos, despedidas e encontros. Suor sangue e lágrimas. Mas havia sempre o sol que entrava às 9 em ponto e isso fazia-me rir, crescer e fazer que as músicas ganhassem músculo pra sair.

Altar. No inicio foi o sonho. E a grandeza do mosteiro. Todos os dias tamanha grandeza. Altar é o respeito pela cerimonia. A grandeza e a espiritualidade do seu significado. Altar é a luz que rompe o nevoeiro de manha. É o sol a esconder-se no final do dia, projetando as nossas sombras numa parede de trás da sala povoada por instrumentos. É poesia escrita diariamente num quadro branco onde se idealizavam histórias, sorrisos, onde se desabafavam as nossas penas e medos. Altar é a história da não desistência. Altar é correr em frente acreditando que o futuro nos dê mais pernas e mais mãos pra subir as mais altas montanhas, os mais altos vitrais. Altar é um disco de 10 canções, intemporais. Feitas durante dois anos. Pensadas ao longo de 3. Sonhadas ao longo de 22. No inicio foi o sonho. Saímos de casa dele aos pulos.

O sol entra de novo pelas nove. E tudo recomeça. Uma e outra vez.

Altar é dançarmos a cantar. É sorrisos e abraços. Emoção do adeus. A emoção do não regresso. É divórcios e amor por dar. E amor por receber. Altar é a história de vida que conseguimos gravar e traçar em todos nós. Não há um antes e um depois. Há o presente.

Altar é a luz projetada no tecto da sala onde tudo se gravava. Altar é o rio que nos deu alma para escrever um hino. Altar é o quarto escuro que nos deu inspiração. È uma carta tirada ao calhas. Altar é o Mali a entrar por nós a dentro como faca afiada. É a despedia no mais alto dos prédios. Altar é o inicio de grito com violinos e ritmos a destempo. É o peixe gordo que nunca queremos ser. Altar é o amor desenfreado e frio. Altar é a esperança de uma pista de dança com luzes violetas.

No inicio foi o sonho. No final, mesmo no final conseguimos acordar, e o resultado está aqui. Altar, o novo disco dos THE GIFT."


CRITICA A ALTAR

Altar’, an absolute ‘Gift’ of an album!

“The band embraces a cosmopolitan approach to songwriting that melds a plethora of musical influences into a, and atmospheric dream rock. It sounds like a strange brew of styles behese artists somehow pull it off. Matt the Raven, Under The Radar

“[...] ‘Altar’, however, is their most universally appealing album to date, as well as, for the band, the most memorable, and not just thanks to Eno’s techniques, which included recording in dark rooms and using an electric callus remover as an instrument.” 8/10 Wyndham Wallace, UNCUT

Let’s hope this is the band’s true breakout moment into a global market

“‘Altar’ covers the gamut of musical styles, but everything feels organic and belongs. ‘Altar’ will become a favorite on your playlist, as The Gift does not disappoint.” Elizabeth Schneider, Impose Magazine . ‘Altar’ will become a favorite on your playlist, as The Gift does not disappoint

“After seeing them perform live in Groningen there’s no doubt that the band would give their all regardless of whether they were performing to 30 people or 30.000. Onstage they’re a unit of talented musicians, constantly aware of what each person is doing. It helps that they’re a close-knit family (literally – [Nuno] Gonçalves’ brother is bassist and keyboardist John Gonçalves) and have been doing this for more than two decades.” Roisin O’Connor, The Independent

“‘Altar’, The Gift sixth studio album in two decades, deserves to be known, beyond the Iberian peninsula. The androgynous voice of Sónia Tavares and the tubular compositions of the keyboardist Nuno Gonçalves, have the right balance between efectiveness and mystery.” Bruno Lesprit, Le Monde

Eno has rarely sounded so current and vital. “Ultimately it’s a fantastically high tempo electronic pop record, it’s album of the year material, and yes I know it’s only April.” Ben O’Sullivan, Guestlist

“[...] The result is a record full of twists and turns, irresistible melodies and melancholic melodrama.” Wyndham Wallace, Classic Pop

ALTAR it’s a fantastically high tempo electronic pop record, it’s album of the year material, and yes I know it’s only April. “The ten song collection shows all the hallmarks of

Eno’s classic work; the attention to detail, immense musicality, and artful turns that still retain tremendous accessibility. The album, however, equally illustrates the band’s talents – chief writer Nuno Gonçalves stands out for many of the same reasons as well as infusing the band’s material with a sense of identity that isn’t easily duplicated. ‘Altar’ is a winner from the start and brings its audience in immediately. This is a band that knows who to work with and, rest assured, they wouldn’t have attracted the attention of auteurs like Eno and Flood if they weren’t capable of headlining the bill. Let’s hope this is the band’s true breakout moment into a global market.” 9/10 Steve Burris, GasHouseRadio

“The Gift had the crowd in the palm of their hand from the moment they walked on stage. In singer Sónia Tavares The Gift have a classic rock front woman. Not only did her voice get better as the set went on, but she fed of the crowd’s energy and enthusiasm. Musically The Gift sounded amazing, with soaring strings, glitchy synths and a level of passion and self-belief that made Brian Eno want to produce their new album, ‘Altar’.” Gigwise, UK

They’re a broad, glittery, unapologetic offering to live music enthusiasts everywhere. Eno has rarely sounded so current and vital; the inspiring effect that working with this quartet has on him is apparent from the first. The Portugal based out has long been distinguished for their intelligence and verve they bring to their songwriting and performances but ‘Altar’ stands, early on, as their greatest achievement yet. The Gift’s ‘Altar’ is an often inventive, involving musical and dramatic experience benefiting from the presence of one of the great producer in music history, but the band’s talents are impressive enough as well.” 8/10 Lydia Hillenburg, Indie Music Review

‘Altar’ is an extraordinary album of ambitious indie-electronic art-pop recalling the peak work of Talking Heads, Depeche Mode and David Bowie. Altar’ is an extraordinary album of ambitious

indie-electronic art-pop recalling the peak work of Talking Heads, Depeche Mode and David Bowie. Consisting of ten timeless songs from the thrilling ‘Love Without Violins’ where Eno shares vocals with singer Sónia Tavares’ – to the synth-pop explosion of ‘Clinic Hope’ the album is a perfect representation of a band in constant evolution and artistic growth as they perfectly bridge the gap between alt-pop and electronic sounds. ‘Altar’ is one of the most captivating releases of the year.”Mandy Tchounga, New Wave District

“What if The Gift are the best thing you will discover in 2017?Only a fool would dismiss this.” 4/5 Mark Elliot, Record Collector

A masterful culmination of the last few years of The Gift musical development, drawing together the strength of their unique live performances and expertly crafted production in what is one of the most captivating releases of the year. This is the album to which mankind will be speaking for coming years. Brian Eno and The Gift made ‘Altar’ and: Yes, dear Radiohead listener, you can roll here with the eyes. Because it will be theatrical, it will be colorful, it will be great . This is pop out of the heart. Yes, synthesizers are here. Yes, there are just ten simple, small songs. Yes, the world will not be changed by this music. But the faith alone counts that this band could make their album with fairy dust and sunshine – and it could make a difference. If bliss was audible, it would sound like ‘Altar’.”Björn Bischoff, PlattenTests

This is the album to which mankind will be speaking for coming years. "Altar’ doesn’t have any dead spots, it deserves to be listened as it was done: no pressure, calmly, with quality (that is: on a stereo that doesn’t hurt the musicians and the producer’s commitment to subliminal) it can be enjoyed without hazard or secondary effects, as a superior manifestation of talent and hard work, as a consecration – the term is horrible on itself but perfectly justifiable – of a Band that never let anyone pollute their behavior or ideas.”João Gobern, Diário de Notícias

"Portuguese alt-rock group The Gift show they are ready to take over the world with their clever pop songs. Their theatrical aesthetic is combined with twitching electronics and the best female vocalist any band could ever hope for – Sónia Tavares’ powerful presence is the focus of the band; The BBC Radio 6 Music play listed single ‘Clinic Hope’ and the Clash and The Independent-acclaimed ‘Love Without Violins’, are the highlights of the set.” David M Trent, Subba Cultcha

The album is a perfect representation of a band in constant evolution and artistic growth as they perfectly bridge the gap between alt-pop and electronic sounds

“One release after another, this alt-pop quartet is setting the bar higher and higher for themselves. This is impressive, but more impressive is how they consistently match their past achievements and set a new standard for themselves on future releases. The Gift’s talents, led by keyboardist Nuno Gonçalves’ writing skills, is a superb artistic unit in every regard and what they can accomplish is apparently limitless. ‘Altar’ rates as the band’s greatest work yet.” 9/10 Jason Hillemburg, Skope MagIcons of the Portuguese independent scene for more than twenty years, The Gift singer radiates on stage. Imagine Blondie with a little bit of goth, she completely controls the atmosphere of the concert with her voice, sometimes twisted on the low, sometimes pushed to the highest treble.” Ana Benabs, Les Unrockuptibles

"In its native Portugal, the decades-old The Gift is a moody marvel of alt-art-pop: an electronically induced ensemble led by its co-creator, writer and keyboardist Nuno Gonçalves, to be something of a bull in the salon – a variation on the themes of a (far more somber) Talking Heads or latter period, Heathen-era David Bowie. With those reference points, it’s no wonder that The Gift has called upon the talents of Byrne/ Bowie producer and collaborator, Brian Eno, not only to twiddle the knobs behind ‘Altar’ (with Flood as his mixer, no less) but to co-write, play and sing. Despite Eno’s vocals taking up space with the Gift singer Sónia Tavares’ on the dashing, ascending “Love Without Violins” and such, ‘Altar’ is happily the Gift’s alone – just Eno tweaked. Each track feels epically layered, yet oddly open, and the entirety of ‘Altar’ seems jigsaw puzzle-piece fit and interlocking. Impressive.” AD Amorosi, Magnet Magazine

“With their circus of lights and their hallucinogenic songs, The Gift radiate a magnetic personality, in great part by a spectacular frontwoman like the singer Sónia Tavares, unstoppable on stage. [...] Although nothing comparable to the moment Tavares got off track and, surrounded by an audience she asked to sit on the lawn, sang “Everything Now” by Arcade Fire and “My Way”, made famous in the voice of Frank Sinatra. Fernando Navarro, El Pais

2019 - VERÃO[editar | editar código-fonte]

Verão é o ultimo disco a ser editado. Teve de novo a colaboração de Brian Eno. Sobre este album a banda escreveu

"O Verão dos Gift...Este Verão é ou não a continuidade óbvia da Primavera. Neste verão o preto e branco dá lugar ao azul escuro.. Neste verão o preto e branco da ausência de cor dá lugar ao vazio de uma sala de estar com luz do sol, ameno, sossegado, impulsivo... Dá lugar ao calor visto desde dentro. Este Verão não é das praias e da pele salgada. Não é dos olhos que parecem ser verde esmeralda. Não é das paixões que acabam por carta. Não é das viagens com vidros abertos. Não é do mar. Não é o verão das cores vivas ao sol. Neste Verão corre apenas uma brisa. Uma suave brisa. Este é o mote para o novo disco que será lançado ainda no primeiro semestre de 2019 e que traz ecos de uma "Primavera" bem vivida e de uma passagem inspiradora por um "Altar" emblemático."

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao Vivo[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

Retirados do álbum Vinyl:

Retirados do álbum Film:

Retirados do álbum AM-FM:

Retirados do álbum Fácil de Entender:

Retirados do álbum Explode:

Retirado do álbum 20:

Retirados do álbum Altar:

Retirados do álbum Verão:

  • 2019: Verão

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • 2007: Lisboa (Universal Music) - com o tema inédito "In Repeat"[11]

Bandas sonoras[editar | editar código-fonte]

VHS/DVD[editar | editar código-fonte]

  • 2000- Vinyl tour- A single hand camera documentary, by Gonçalo Covacich. (VHS)
  • 2004- AM-FM DVD (Documentário "On the road"; Making of AM-FM).
  • 2006- Fácil de Entender DVD- concerto ao vivo.
  • 2011- Explode DVD (Making of Explode, Madrid / Índia / Alcobaça)

Livros[editar | editar código-fonte]

  • 2000- The Gift- a single diary : fotografias da Vinyl (álbum) tour, por Ana Pereira.
  • 2015- The Gift "20": a história dos 20 anos da banda de Alcobaça, por Nuno Galopim.

Prémios[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

Internacionais[editar | editar código-fonte]

  • 2005 - MTV Europe Award for Best Portuguese Act [14]

Referências

  1. Álbum «Amália Hoje» será apresentado esta quarta-feira Diario Digital
  2. video-amalia-rodrigues-recordada-na-gala-do-ano Revista Caras
  3. destakes.com The Gift preparam novo álbum em Madrid
  4. The Gift: fãs decidem quanto pagar pelo novo disco [ligação inativa] blitz.aeiou.pt
  5. Fãs pagaram 9 euros por álbum dos The Gift em tvnet.sapo.pt
  6. «CdGo.com». Consultado em 3 de julho de 2011. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2012 
  7. Novo álbum dos The Gift chama-se «Explode» em tvi24.iol.pt
  8. The Gift lançam uma canção por dia na Internet Arquivado em 27 de fevereiro de 2011, no Wayback Machine. em cmjornal.xl.pt
  9. (álbum) -2011-melhor-capa/1314333-3378.html «Capa dos The Gift é uma das melhores de 2011» Verifique valor |url= (ajuda). IOL Música. Consultado em 7 de Janeiro de 2011 
  10. «The Gift lançam disco novo já este mês». Blitz (revista). Consultado em 7 de Janeiro de 2011. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2012 
  11. «Vários/Compilações Nacional, VARIOS/NACIONAL COMPILACOES, Vários». Fnac 
  12. «mp2000.no.sapo.pt/». Consultado em 17 de agosto de 2009. Arquivado do original em 9 de setembro de 2007 
  13. «ilga-portugal.pt/noticias/premioarcoiris». Consultado em 17 de agosto de 2009. Arquivado do original em 17 de novembro de 2009 
  14. bestrock.clix.pt/ 28.07.2009 - MTV: votação portuguesa até hoje

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre The Gift (banda)