Alexandra Lencastre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alexandra Lencastre
Nome completo Maria Alexandra de Alencastre Telo Teodósio Pedrosa
Nascimento 26 de setembro de 1965 (51 anos)
Lapa, Lisboa
Nacionalidade Portugal portuguesa
Ocupação Actriz; Apresentadora de televisão
Outros prêmios
Globos de Ouro
Melhor Actriz de TV
  • Golden Globe icon.svg Ana e os Sete (2003)
Melhor Actriz de Cinema

International Emmy Awards

  • Melhor Telenovela "Meu Amor" 2010 (Prémio Coletivo - Alexandra desempenhava o papel de Protagonista)

Baile da Rosa

  • Troféu Cultura (2011)
  • Prémio Carreira (2016)

Personalidades Femininas Lux

  • Categoria Teatro (2015)

Prémios Aquíla

  • Melhor Atriz Principal de Televisão com a personagem Pilar Sacramento em "A Única Mulher" (2015)

Mulher+FLASH!

  • Prémio Carreira (2016)

VII Troféus Televisão TV 7 Dias

  • Melhor Atriz Principal de Novela com a personagem Pilar Sacramento em "A Única Mulher" (2016)

Gala Ficção Nacional TVI

  • Troféu de Homenagem (2008)
IMDb: (inglês)

Alexandra Lencastre, nome artístico de Maria Alexandra de Alencastre Telo Teodósio Pedrosa (Lisboa, Lapa, 26 de Setembro de 1965) é uma actriz e apresentadora de televisão portuguesa, considerada unanimemente uma das melhores atrizes portuguesas de todos os tempos. Destacou-se ao interpretar a vilã Luíza Albuquerque em Ninguém Como Tu, novela transmitida pela TVI em 2005.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Abandonou o Curso de Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, para ingressar na Escola Superior de Teatro e Cinema, onde se diplomou em Teatro (Formação de Actores) (1986).[1]

Ganhou projecção ao trabalhar com Jorge Listopad na peça Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett (Prémio de Actriz Revelação, pela APCT, 1986).[1] Desde aí colaborou com inúmeros outros encenadores, como Mário Feliciano, Orlando Neves, Carlos Avilez, Gastão Cruz, José Wallenstein, Rogério de Carvalho ou João Lourenço, que a dirigiu em Fernando Krapp escreveu-me esta Carta, de Tanked Dorst (1997). Interpretou autores como Anton Tchekov, Pier Paolo Pasolini, Aristófanes, Botho Strauss, David Mamet, Jorge de Sena, entre outros. Ao todo, Alexandra Lencastre conta com 39 peças de teatro na sua vasta carreira de teatro. As peças mais recentes são Um Eléctrico Chamado Desejo, de Tennessee Williams, e Plaza Suite, de Neil Simon, sendo ambas encenadas por Diogo Infante.

Tornou-se uma das mais populares actrizes portuguesas através da televisão. Começou por aparecer na série infantil Rua Sésamo (1990), passando depois por telenovelas e séries, como A Banqueira do Povo (1993), Cabaret (1994), Não és homem, não és nada! (1999), Querido Professor (2000), Fúria de Viver (2002), Ana e os Sete (2003) (Globo de Ouro de Melhor Actriz de televisão, 2003), ou mais recentemente, Tempo de Viver (2006) e Ninguém como Tu (2005), onde a sua presença valeu grandes níveis de audiências e em Fevereiro desse ano esteve na Fhm. Também para a televisão, apresentou alguns programas, como o polémico Na Cama Com… (1993).

No cinema destacou-se nas longas-metragens de Fernando Lopes, O Delfim (2002) (Globo de Ouro de Melhor Actriz de Cinema) e Lá Fora (2004), onde fez par com Rogério Samora. Protagonizou ainda A Mulher Que Acreditava Ser Presidente dos EUA (2003), de João Botelho. Foi dirigida por outros cineastas, como Teresa Villaverde, João Mário Grilo, António Pedro Vasconcelos, João César Monteiro, João Canijo, Leonel Vieira ou Manuel Mozos.

Em 2007, o The Biography Channel dedicou a Lencastre um documentário biográfico, exibido em Abril desse ano.

Em 2008, foi homenageada na Gala de Ficção Nacional da TVI, tal como outros atores da estação.

Em 2015 venceu o Prémio de Melhor Atriz Principal de Televisão nos Prémios Aquíla com a personagem Pilar Sacramento de "A Única Mulher".

É uma das estrelas da TVI, estação com quem tem contrato de exclusividade.

Em 2016, durante as gravações de A Única Mulher, o ator e encenador José Wallenstein considerou Alexandra Lencastre a maior atriz portuguesa viva:

«Vou com uma dupla energia e uma dupla alegria. É realmente a nossa maior atriz viva e isso não tenho qualquer dúvida»

Alexandra Lencastre é uma das atrizes portuguesas mais premiadas e reconhecidas pelo público devido ao seu trabalho na televisão, cinema e teatro.

Atualmente, é a atriz de televisão mais bem paga em Portugal.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Cinema (voz)[editar | editar código-fonte]

Telefilmes[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 2015 - Plaza Suite (ao lado de Diogo Infante)
  • 2010 - Um Eléctrico Chamado Desejo
  • 1997 - Fernando Krapp Escreveu-me Esta Carta
  • 1993 - O Tempo e o Quarto
  • Os Homens
  • A Gaivota
  • Estrelas da Manhã
  • Terminal Bar
  • Cenas da Vida de Benilde
  • Quem Pode, Pode
  • 1989 - Lisístrata
  • 1988 - Erros Meus, Má Fortuna, Amor Ardente
  • 1988 - D. João no Jardim das Delícias
  • 1988 - O Pranto e as Almas
  • 1988 - Opereta
  • 1987 - O Balcão
  • 1987 - Tartufo
  • O Indesejado
  • Frei Luís de Sousa
  • 1985 - Pílades

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Alexandra Lencastre é filha de Jacinto de Gouveia Teodósio Pedrosa, de Coimbra, militar, e de sua mulher Maria Adalgisa Pestana de Alencastre Telo, da Madeira, tem um irmão mais velho, Pedro de Alencastre Telo Teodósio Pedrosa (1964). É prima em segundo grau de Inês Pedrosa. É, também, irmã consanguínea da jornalista Ana Paula Ribeiro (nascida em 1965 filha da relação de seu pai com Maria Idalina Ribeiro).

Foi casada com o actor Virgílio Castelo e com o produtor de televisão holandês Piet-Hein Bakker[1], entre 18 de Janeiro de 1996 e 2003, tendo dois filhos do último casamento: Margarida de Alencastre Pedrosa Wyers Bakker (10 de Fevereiro de 1996) e Catarina de Alencastre Pedrosa Wyers Bakker (26 de Julho de 1998).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]