Torcida Jovem do Flamengo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jovem Fla no Maracanã.

O Grêmio Recreativo Cultural Torcida Jovem do Flamengo, ou Jovem Fla, (TJF), é uma torcida organizada do Clube de Regatas do Flamengo.

É uma das maiores torcidas organizadas do Flamengo e do Brasil. Sua sede está localizada na Rua Álvaro Alvim, 48 salas 801/802, Centro do Rio, mas se subdivide por regiões, os chamados "Pelotões".[1]

O símbolo da torcida, um Tanque de Guerra com três canhões e a estrela dourada fazem alusão à conquista do Mundial de Clubes de 1981, onde os canhões do Tanque representam os três gols marcados contra o Liverpool e a estrela o título Mundial. Seu lema é: "Nada do Flamengo, tudo pelo Flamengo!".[1]

História[editar | editar código-fonte]

A Jovem Fla foi fundada em 6 de dezembro de 1967, a partir de uma dissidência da Charanga Rubro-Negra.[1] Nos dois primeiros anos de existência, a torcida utilizou o nome Poder Jovem , inspirado no movimento negro norte-americano Black Power.[1]

Ao longo dos anos, tornou-se conhecida por praticar atos violentos durante e após os jogos do time, e desenvolveu rivalidade com outra torcida do mesmo clube, a Raça Rubro-Negra.[2]

Durante a década de 1980, a Jovem Fla começou uma aliança com a Máfia Azul do Cruzeiro, com a qual criaram a "União Punho Cruzado" (UPC), da qual também passou a fazer parte da Torcida Independente, do São Paulo.[3]

Em maio de 2011, o presidente da torcida, Marlon César Soares Alvarenga, conhecido como Touchê, passou a ser procurado pela polícia, acusado de tentativa de homicídio, após uma briga com torcedores vascaínos, numa praça em Niterói, conhecida como reduto dos torcedores do clube rival.[4]

Em maio de 2012, um integrante da torcida, Bruno de Santana Saturnino, conhecido como Feio, foi reconhecido por vascaínos ligados à Força Jovem Vasco, e agredindo, acabando por morrer no Hospital Salgado Filho, no Meier. Em agosto, a polícia passou a apontar o assassinato de Diego Leal, torcedor do Vasco, crime este acontecido naquele mês, como uma vingança de membros da Jovem Fla contra o assassinato de Feio.[5]

Em 2013, investigações da polícia civil apontaram ligações entre a torcida e atividades ilegais, tais como tráfico de drogas e milícias.[6]

Em abril de 2014, a torcida novamente se envolveu em rixa com a RRN, desta vez, em São Paulo. Na ocasião, ambas se enfrentaram, devido ao fato de a Raça Rubro-Negra ter parceria com as torcidas corintianas, em especial a Camisa 12, enquanto a Jovem mantém antiga parceria com a torcida são-paulina.[7]

Em abril de 2017, a Jovem Fla foi banida dos estádios por três anos.[8] Em maio do mesmo ano, novamente um presidente da entidade, desta vez Wallace Costa Mota, o Tabajara, acusado da morte de um torcedor botafoguense nas imediações do Engenhão.[9]

Em dezembro de 2018, na eleição que escolheria o sucessor de Eduardo Bandeira de Mello como presidente do Flamengo, dois candidatos considerados menos expressivos tinham sua origem na Jovem Fla: José Carlos Peruano e Marcelo Vargas.[10]

Pelotões[editar | editar código-fonte]

  • Rio de Janeiro Pelotão Central: Vila Isabel, Tijuca, Usina, Praça da Bandeira, Rio Comprido, Afonso Pena e Maracanã, Andaraí, Grajaú, Estácio.[11]
  • Rio de Janeiro 1.º Pelotão: Leblon, Copacabana, Leme, Ipanema, Laranjeiras, São Conrado, Botafogo.[11]
  • Rio de Janeiro 2.º Pelotão: Jacarepaguá, Sulacap, Freguesia, Vila Valqueire, Taquara, Curicica, Praça Seca, Campinho, Vargem Grande, Vargem Pequena, Cidade de Deus.[11]
  • Rio de Janeiro 3.º Pelotão: Deodoro, Rocha Miranda, Marechal Hermes, Bento Ribeiro, Oswaldo Cruz, Honório Gurgel, Madureira, Cascadura, Campinho, Vaz Lobo.[11]
  • Rio de Janeiro 4.º Pelotão: Bonsucesso, Brás de Pina, Complexo da Maré, Cordovil, Irajá, Jardim América, Manguinhos, Olaria, Parada de Lucas, Penha, Penha Circular, Ramos, Vicente de Carvalho, Vigário Geral, Vila da Penha, Vila Kosmos, Vista Alegre.[11]
  • Rio de Janeiro 5.º Pelotão: Inhaúma, Piedade, Méier, Engenho da Rainha, Quintino, Cachambi, Maria da Graça, Jacaré, Todos os Santos, Lins, Engenho Novo, Riachuelo, Sampaio, Cascadura.[11]
  • Rio de Janeiro 6.º Pelotão: Centro, Bairro de Fátima, Flamengo, Glória, Catete, Santa Teresa.[11]
  • Rio de Janeiro 7.º Pelotão: Senador Camará, Realengo, Bangu, Stª Cruz, Campo Grande, Padre Miguel.[11]
  • Rio de Janeiro 8.º Pelotão: São Gonçalo - RJ[11]
  • Rio de Janeiro 9.º Pelotão: Pavuna, Anchieta, Coelho Neto.[11]
  • Rio de Janeiro 10.º Pelotão: Barra da Tijuca e Recreio.[11]
  • Rio de Janeiro 11.º Pelotão: Ilha do Governador[11]
  • Rio Grande do Sul 12.º Pelotão: Rio Grande do Sul[11]
  • Rio de Janeiro 13.º Pelotão: Resende - RJ[11]
  • Rio de Janeiro 14.º Pelotão: Niterói - RJ[11]
  • Rio de Janeiro 15.º Pelotão: Região Serrana - RJ[11]
  • Rio de Janeiro 16.º Pelotão: Baixada[11]
  • Rio de Janeiro 17.º Pelotão: Itaguaí - RJ[11]
  • Rio de Janeiro 18.º Pelotão: Duque de Caxias - RJ[11]
  • São Paulo 19.º Pelotão: São Paulo[11]
  • Rio de Janeiro 20.º Pelotão: Região dos Lagos - RJ[11]
  • 21.º Pelotão: Rocinha[11] (DESATIVADO)
  • Rio Grande do Norte 22.º Pelotão: Rio Grande do Norte[11]
  • Distrito Federal (Brasil) 23.º Pelotão: Brasília[11]
  • Alagoas 24.º Pelotão: Alagoas[11]
  • Paraná 25.º Pelotão: Paraná[11]
  • Rio de Janeiro 26.º Pelotão: Macaé - RJ[11]
  • Ceará 27.º Pelotão: Ceará[11]
  • 28.º Pelotão: Honório Gurgel, Filho Barros e Costa Barros[11] (DESATIVADO)
  • 29.º Pelotão: Vigário Geral, Jardim América, Parada de Lucas, Irajá, Coelho Neto[11] (DESATIVADO )
  • 30.º Pelotão: Grande Meier, Cachambi, Maria da Graça, Jacaré, Todos os Santos Lins, Engenho Novo, Riachuelo, Sampaio, Cascadura[11] (DESATIVADO )
  • Espírito Santo (estado) 31.º Pelotão: Espírito Santo[11]
  • Rio de Janeiro 32.º Pelotão: Itaboraí - RJ[11]
  • Pará 33.º Pelotão: Pará[11]
  • Rio de Janeiro 34.º Pelotão: São Cristóvão, Mangueira, Triagem, Benfica, Cajú.[11]
  • Piauí 35.º Pelotão: Piauí[11]
  • Amazonas 36.º Pelotão: Amazonas[11]
  • Rio de Janeiro 37.º Pelotão: Itaperuna - RJ[11]
  • Sergipe 38.º Pelotão: Sergipe[11]
  • Rio de Janeiro 39.º Pelotão: Angra dos Reis - RJ[11]
  • Rio de Janeiro 40.º Pelotão: Campos - RJ[11]
  • Rio de Janeiro 41.º Pelotão: Magé - RJ[11]
  • Bahia 42.º Pelotão: Bahia[11]
  • Minas Gerais 43.º Pelotão: Belo Horizonte - MG[11]
  • Estados Unidos 44.º Pelotão: Estados Unidos[11]

Torcidas aliadas[editar | editar código-fonte]

Torcidas aliadas[editar | editar código-fonte]

São Paulo Torcida Independente - São Paulo

Pernambuco Torcida Jovem do Sport - Sport Recife

Rio Grande do Sul Camisa 12 - Internacional

Minas Gerais Pavilhão Independente - Cruzeiro

Amizades e respeito[editar | editar código-fonte]

Goiás Dragões Atleticanos - Atlético-GO

São Paulo Dragões da Real - São Paulo

Pará Remoçada - Clube do Remo

Pará Piratas Azulinos - Clube do Remo

Ceará Jovem Garra Tricolor - Fortaleza

Distrito Federal (Brasil) Torcida Facção Brasiliense - Brasiliense


Referências

  1. a b c d «Torcida Jovem do Flamengo». www.organizadasbrasil.com. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  2. «Torcidas organizadas do Flamengo brigam na saída do jogo contra o Grêmio». extra.globo.com. 22 de novembro de 2018. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  3. Guilherme Macedo e Matheus Muratori (5 de setembro de 2017). «Final entre amigos: saiba como nasceu parceria entre torcidas de Cruzeiro e Flamengo». mg.superesportes.com.br. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  4. Elenilce Bottari (4 de maio de 2011). «Presidente da Torcida Jovem Fla é procurado como foragido da Justiça». O Globo. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  5. «Morte de torcedor do Vasco pode ter sido vingança, diz promotor». G1. 22 de agosto de 2012. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  6. Gabriela Moreira (18 de dezembro de 2013). «Torcida Jovem do Flamengo: investigações da Polícia Civil mostram ligações com tráfico, drogas e milícia». www.espn.com.br. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  7. «Torcidas do Flamengo brigam no Pacaembu por rixa de parcerias». www.torcidaflamengo.com.br. 28 de abril de 2014. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  8. «Justiça acata pedido do MP e bane a Torcida Jovem do Flamengo dos estádios por três anos». extra.globo.com. 4 de abril de 2017. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  9. Gustavo Goulart (7 de maio de 2017). «Polícia realiza operação para prender cinco torcedores que incitam a violência». O Globo. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  10. Vinicius Castro (7 de dezembro de 2018). «Azarões em eleição têm origem em organizadas e veem preconceito no Fla». www.uol.com.br. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  11. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as «Pelotoes da Torcida Jovem Fla-TJF». Sou da Jovem Fla. Consultado em 12 de setembro de 2019