Tuna de Ciências da Universidade do Minho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Azeituna
Azeituna XV CELTA 08.jpg
Informações
Cidade Braga
País Portugal
Instrumentos Guitarra, Bandolim, Bandola, Contra-baixo, Guitarra portuguesa, Gaita de fole e Percussão
Festival Certame Lusitano de Tunas Académicas
Página Oficial www.azeituna.pt

A Azeituna[1] é a Tuna da Universidade do Minho, em Braga, Portugal.

Estreou-se oficialmente em maio de 1992, nas monumentais festas do Enterro da Gata, evento de que participa até hoje[2]. Integra alunos e ex-alunos da Universidade do Minho. Muitas das suas iniciativas foram apoiadas pela Fundação Calouste Gulbenkian[3].

Actuações[editar | editar código-fonte]

Desde a sua fundação já atuou por diversas ocasiões nos principais palcos em Portugal, Coliseu do Porto, Coliseu dos Recreios, Casa da Música, Teatro Sá da Bandeira, Theatro Circo. Nas várias deslocações internacionais, apresentou espetáculos musicais em países da Europa, onde se incluem Espanha, França, Bélgica, Irlanda, Holanda, Suiça, Itália, Luxemburgo e Alemanha[4]; na América do Norte, no Canadá e E.U.A. e na América do Sul, no Brasil.

A Azeituna esteve presente na Expo'92 em Sevilha, no Salão Europeu do Estudante, em Bruxelas, e na festa anual do Instituto das Universidades Europeias[5].

Da sua deslocação à Irlanda, no quadro de um intercâmbio cultural, resultou o aparecimento da primeira tuna das Ilhas Britânicas, a Preservatuna - Tuna Universitária de Cork[4].

A Azeituna mantém uma especial ligação à Tuna Académica da Universidade Lusíada do Porto de que resultou uma geminação, em Maio de 1994[6].

Em 2001, a Azeituna deslocou-se ao Brasil pela primeira vez, visitando quatro estados brasileiros: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Nos anos seguintes voltou a este país, tendo passado, em 2002, por Maceió, Recife, Natal, João Pessoa e Campina Grande e, em 2003, pelo estado da Bahia, onde se apresentou em cidades como, Feira de Santana, Porto Seguro, Belmonte, Itabuna e Salvador[7].[carece de fontes?]

Em 2005, a Azeituna deslocou-se à Croácia, Eslovénia, Hungria e República Checa[4].

Em Dezembro de 2015 alterou a designação oficial de "Azeituna – Tuna de Ciências da Universidade do Minho" para "Azeituna – Universidade do Minho".

Certames[editar | editar código-fonte]

Azeituna em Niagara Falls, 2006.

A Azeituna organiza, todos os anos, desde Dezembro de 1993, o CELTA – Certame Lusitano de Tunas Académicas[8][9] que decorre sempre em Dezembro. São convidadas diversas tunas que representam várias academias nacionais. A partir da 13ª edição do CELTA foi introduzido na dinâmica do evento o ingrediente "tema" que contribuiu significativamente para o crescimento e maturidade do festival no panorama nacional académico e de espetáculos musicais. O tema acabou por merecer especial atenção e interesse pelas tunas participantes e pelo público visitante. Já foram promovidos temas como o, "Far West", "O Circo", "O Cabaret", "O Cinema", "O Brasil", "O Rock", "Azeiteiro", "África" e na 22ª edição em 2015 os "Anos 80". Estes temas culminaram ainda com a participação de artistas profissionais como Júlio Pereira e Fernando Pereira.

A origem do CELTA[editar | editar código-fonte]

Viviam-se tempos de mudança nos inícios da década de 90. A implementação da Prova Geral de Acesso ao ensino superior trouxe os estudantes para a rua e para as manifestações. O movimento estudantil era feito de luta e a independência de Timor-Leste não era causa alheia.

Numa altura em que o panorama tunal era influenciado por "nuestros hermanos", com uma tradição muito mais enraizada e generalizada, os festivais de tunas despontavam um pouco por todo o país com cartazes recheados das veteranas e conhecedoras tunas espanholas. Apesar de nessa altura ainda se verem as fraldas desta tuna imberbe, o pensamento "porque não fazer um festival de tunas?" apareceu imediatamente após a estreia e a primeira digressão de verão.

música portuguesa crescia dentro da tuna e por isso fazia mais sentido investir no crescimento da música e tunas nacionais que começavam a ganhar maturidade do que repetir o formato existente e já disseminado dos Festivais Internacionais de Tunas. Surge então a designação de "Certame Lusitano", que rapidamente ascendeu ao público alvo, as "Tunas Académicas" e perfazendo-se assim o acrónimo hoje conhecido como CELTA – Certame Lusitano de Tunas Académicas.

O 1º CELTA[editar | editar código-fonte]

Um Theatro Circo pelas costuras e um brilho de orgulho nos olhos de cada Azeituno, apresentava-se assim a primeira edição do CELTA no décimo segundo mês do ano da graça de 1993.

Participantes do CELTA[editar | editar código-fonte]

Artistas:

  • Preservatuna
  • Arrefole
  • Cais Sodré Cabaret
  • She Moves
  • Abadá capoeira
  • Júlio Pereira
  • Raquel Pereira
  • Saci Pô – Escola de Samba de Poços de Caldas
  • Trepa-coqueiros - Escola de Samba de Estarreja

  • Equipa Espiral

  • Fernando Pereira – O Sr. das Vozes
  • Bonga Kwenda

Tunas Nacionais:

  • anTUNiA-Tuna de Ciências e Tecnologia da Univ. Nova de Lisboa
  • Copituna d’Oppidana – Tuna Masculina do Instituto Politécnico da Guarda
  • Estudantina Universitária de Lisboa
  • Estudantina Universitária de Coimbra
  • Fan-farra Académica de Coimbra
  • Hinoportuna – Tuna Académica de Viana do Castelo
  • Imperial Neptuna Académica da Figueira da Foz
  • Infantuna – Tuna Universitária de Viseu
  • Luz & Tuna – Tuna da Universidade Lusíada de Lisboa
  • Magna Tuna Magna Tuna Cartola de Aveiro
  • Oportuna – Tuna Académica de Ciências da Saúde – Norte
  • Real Tuna de Aveiro
  • Real Tuna de Collipo
  • Scalabituna – Tuna do I.P. de Santarém
  • Tuna Académica da Universidade do Algarve
  • Tuna Académica da Universidade Fernando Pessoa
  • Tuna Académica da Universidade Lusíada do Porto
  • Tuna Académica de Aveiro
  • TAL – Tuna Académica de Lisboa
  • Tuna de Engenharia da Universidade do Porto
  • Tuna de Engenharia Técnica do Porto
  • Tuna Académica da Faculdade de Filosofia de Braga
  • Tuna da Universidade Católica Portuguesa – Porto
  • Tuna da Universidade Portucalense
  • Tuna Universitária de Aveiro
  • Tuna Universitária do Instituto Superior Técnico – Lisboa
  • Tuna de Medicina da Universidade de Coimbra
  • Tuna de Medicina da Universidade do Porto
  • Tuna Universitária de Beja
  • Tuna Universitária da Madeira
  • Tuna Universitária do Porto
  • Tunadão 1998 – Tuna do instituto Politécnico de Viseu
  • Tunídeos – Tuna Masculina da Universidade dos Açores

Grupos culturais da Universidade do Minho

  • TUM – Tuna Universitária do Minho
  • Afonsina – Tuna de Engenharia da Universidade do Minho
  • Gatuna – Tuna Feminina da Universidade do Minho
  • CAUM – Coro Académico da Universidade do Minho
  • Bomboémia – Grupo de Percussão da Universidade do Minho
  • iPUM – Percussão Universitária do Minho

Obras Gravadas[editar | editar código-fonte]

  • Palpitações, 1994
  • II CELTA, 1995
  • Se as capas falassem..., 2002
  • Coro sobre Azul, 2003 (com o Coro Académico da Universidade do Minho)
  • CELTA: Os melhores momentos, 2006
  • DVD XV CELTA, 2009
  • Percursos, 2009

Referências

  1. «Azeituna – Universidade do Minho (Braga, Portugal)». Azeituna. Consultado em 23 de março de 2016. 
  2. DUARTE, A.“Bota-Abaixo” do Enterro da Gata candidato ao Guinness 1422 cervejas depois. Disponível em <tecnologia.com.pt>. Acesso em 1 de janeiro de 2015
  3. Fundação Calouste Gulbenkian (1998, p. 136)
  4. a b c Portal das Tunas Universitárias. Azeituna - Tuna de Ciências da Universidade do Minho. Acesso em 1 de janeiro de 2015
  5. Portal das Tunas Universitárias. “O Boom” dos anos 80 e 90 do Século XX. Acesso em 1 de janeiro de 2015
  6. Universidade Lusíada do Porto. III Lusíada. Acesso em 1 de janeiro de 2015
  7. «Digressões - Azeituna». Azeituna. Consultado em 23 de março de 2016. 
  8. Universidade de Lisboa. XX Celta: um festival de tunas "Azeiteiro". Acesso em 1 de janeiro de 2015.
  9. «Informações sobre o XXII CELTA 80s». Azeituna. Consultado em 23 de março de 2016. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN. Relatório balanço e contas. A Fundação, 1998.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]