What's the 411?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
What's the 411?
Álbum de estúdio de Mary J. Blige
Lançamento 28 de julho de 1992
Gravação 1991–1992
Gênero(s) R&B, hip hop soul, new jack swing
Duração 51:59
Gravadora(s) Uptown, MCA
Produção Puff Daddy (exec.), L. A. Reid, Mark Morales, Mark C. Rooney, Dave Hall, Devante Swing, Tony Dofat
Certificação 3× Platina (RIAA)
Cronologia de Mary J. Blige
My Life
(1994)
Singles de What's the 411?
  1. "You Remind Me"
    Lançamento: 23 de junho de 1992
  2. "Real Love"
    Lançamento: 25 de agosto de 1992
  3. "Reminisce"
    Lançamento: 13 de outubro de 1992
  4. "Sweet Thing"
    Lançamento: 3 de abril de 1993
  5. "Love No Limit"
    Lançamento: 18 de junho de 1993
  6. "My Love"
    Lançamento: 2 de maio de 1994

What's the 411? é o álbum de estreia da cantora americana Mary J. Blige, lançado em 28 de julho de 1992. Após assinar contrato com a Uptown Records, Blige começou a trabalhar com o produtor Puff Daddy. Junto com o álbum foram lançados seis singles, incluindo os hits You Remind Me e Real Love.

What's the 411? chegou ao número seis na Billboard 200, ficou no topo da Billboard R&B/Hip-Hop Albums e recebeu a certificação de platina tripla da RIAA, com mais de 3,318,000 cópias vendidas nos Estados Unidos.[1] Também recebeu críticas positivas dos críticos musicais, que elogiaram a voz forte e emotiva de Blige. Também a elogiaram por ter combinado hip hop com soul, o que deu a ela o apelido de "Rainha do Hip Hop Soul".

Conceito[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 4.5 de 5 estrelas.[2]
BBC Music (favorable)[3]
Robert Christgau 1 de 1 estrelas.[4]
Entertainment Weekly (A)[5]
Los Angeles Times 3 de 4 estrelas.[6]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.[7]

Com dezessete anos de idade, Blige gravou uma versão cover do clássico de Anita Baker "Caught Up in the Rapture" em um estúdio de gravação no shopping Galleria Mall em White Plains, New York. O namorado de sua mãe na época mostrou a fita para o A&R da Uptown Records, Jeff Redd.[8] Redd então mandou a fita para o CEO da gravadora, Andre Hall. Blige se encontrou com Hall em 1990 e cantou a música para ele.[9][10] Ela acabou assinando com a Uptown e se tornou a primeira mulher e mais jovem artista a assinar com a gravadora.[11]

Gravação[editar | editar código-fonte]

Após assinar com a Uptown, Mary começou a trabalhar com o produtor musical Puff Daddy.[10] Ele se tornou o produtor executivo e também produziu a maioria do álbum.[12] O título, What's the 411? veio do antigo emprego de Blige como operadora 4-1-1, o serviço de assistência telefônica nos Estados Unidos.[13] O álbum contém elementos de hip hop e new jack swing.[2][14] A música foi descrita como "reveladora numa base frequente".[2] Blige foi notada por ter uma "personalidade forte e letras das ruas", o que deu ao álbum um "tom corajoso e um realismo que estava em falta na maioria das músicas que estavam nas paradas naquela época."[7] Havelock Nelson da "Entertainment Weekly" disse que Blige "misturou suas origens gospel com as batidas fortes, os samples de rap pesados, e as linhas de sintetizadores obscuras".

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração

Desempenho nas paradas[editar | editar código-fonte]

Parada (1992) Posição
topo
Certificação
UK Albums Chart 53
U.S. Billboard 200 6 3× Platina
U.S. Billboard Top R&B/Hip-Hop Albums 1

Referências

  1. new.music.yahoo.com/blogs/chart_watch/61946/chart-watch-extra-40-who-died-before-40/
  2. a b c Swihart, Stanton. «Whats the 411? - Review». Allmusic. Consultado em 24 de julho de 2009 
  3. O'Donnell, David (12 de dezembro de 2008). «Mary J. Blige What's The 411? Review». BBC Music. Consultado em 24 de julho de 2009 
  4. Christgau, Robert. "Consumer Guide: What's the 411?". Robert Christgau. Retrieved on 2010-02-02.
  5. Nelson, Havelock (7 de agosto de 1992). «What's the 411? - Music Review». Entertainment Weekly. Time. Consultado em 24 de julho de 2009 
  6. Johnson, Connie. "Review: What's the 411?". Los Angeles Times. Retrieved on 2010-02-16.
  7. a b Brackett & Hoard 2004, p. 83
  8. Whetstone, Muriel L. (outubro de 1995). «Goin' Down and Up with Mary J. Blige». FindArticles. CBS Corporation. pp. 1–3. Consultado em 24 de julho de 2009 
  9. Watrous, Peter (26 de agosto de 1992). «The Pop Life». The New York Times. The New York Times Company. p. 2. Consultado em 24 de julho de 2009 
  10. a b «Stardom Shaped By the Street and the Makers of Image». The New York Times. The New York Times Company. 5 de agosto de 1995. Consultado em 24 de julho de 2009 
  11. «Mary J. Blige: Biography». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 24 de julho de 2009 
  12. Reid, Shaheem; Oh, Minya (14 de março de 2003). «Mary J. Blige Teams Up with 50 Cent, P. Diddy to Discuss Love and Life». MTV News. Consultado em 24 de julho de 2009 
  13. Yeransian, Leslie (22 de junho de 2006). «Mary J. Blige: From the Projects to Hip-Hop Soul Queen». ABC News. p. 1. Consultado em 24 de julho de 2009 
  14. DiMartino, Dave (20 de novembro de 1992). «Close-up: Mary J. Blige». Entertainment Weekly. Time. Consultado em 24 de julho de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]